TELECOM

Oi descarta guerra de preços e admite que competição está muito 'brigada'

Ana Paula Lobo e Pedro Costa ... 03/05/2017 ... Convergência Digital

A competição na telefonia móvel está bastante 'brigada' e a consolidação dos chips mudou o panorama do setor, diz o diretor de Varejos da Oi, Bernardo Winik. 'O bolso do consumidor está mais curto. Para capturar esse cliente será pela experiência do uso. Não vamos entrar numa guerra de preços. O negócio não permite", pontua em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, nesta quarta´feira, 03/05.

O lançamento do Oi Livre no pré-pago, lançado no começo de abril, já mostra que o consumidor está preferindo trocar voz por dados, mas a voz ainda tem espaço. "A proporção é de 70% de minutos por dados e 30% fazem o inverso, trocam dados por voz, o que só nos mostra o acerto da oferta. O cliente se adapta". Para o Dia das Mães, a expectativa é de um aumento de até 15% nas vendas.

A consolidação de chips é uma tendência que veio para ficar e a disputa será grande. "A concorrência, agora, é a de tirar cliente de outras operadoras pela experiência de uso. A nossa disputa é que o usuário fique com o nosso chip ativado". Com relação à recuperação judicial da Oi, Winik reitera que os usuários, no varejo, não estão afetados pela questão. "Eles estão menos sensíveis à recuperação judicial e mais ligados à melhoria da qualidade". Assistam a entrevista com o diretor de Varejo da Oi, Bernardo Winik.


Oi assume negociação para participação acionária da China Telecom

Revelação acontece logo depois de o ministro Gilberto Kassab afirmar que a operadora precisa de dinheiro novo para evitar a intervenção ou a caducidade das concessões.

Telecom sofre forte queda, mas ainda lidera receita do setor de serviços

Pesquisa Anual dos Serviços do IBGE, referente a 2015, mostra que Telecomunicações gerou uma receita de R$ 162 bilhões, mas caiu de 18,9% no ranking para 11,3%. Tecnologia da Informação também perdeu posição para outros segmentos.

Claro Brasil: Modelo é o culpado pelo fracasso da interiorização da banda larga

Presidente da Claro Brasil, José Félix, sustentou que do jeito que está o modelo de telecom não tem mais jeito.

OTTs exigem mudanças, mas TV paga precisa entregar o que o consumidor quer

A verticalização do setor - onde atores estão distribuindo, programando e produzindo conteúdo - é um enorme desafio para os reguladores, diz o diretor da AT&T/DirectTV, Michael Hartmann.

Anatel vai à assembleia da Oi para votar contra plano de recuperação

Orientação é da Advocacia Geral da União. “Do jeito que está, vamos à assembleia para dizer não”, disse o presidente da agência Juarez Quadros. 

Presidente de Claro Brasil diz que pagar por TV aberta é insustentável

Para José Félix, acerto com a Simba, que reúne Record, SBT e RedeTV!, tem futuro limitado. “Não sei quanto tempo esse acordo vai durar. Um sinal que está no ar não tem que ser pago.”


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G