INCLUSÃO DIGITAL

Satélite brasileiro promete comunicações blindadas e fim do apartheid digital

Luís Osvaldo Grossmann ... 04/05/2017 ... Convergência Digital

Anunciado ainda em 2011, subiu ao espaço às 18h50 desta quinta, 04/05, o primeiro satélite brasileiro desde que os Brasilsat foram vendidos nas privatizações do sistema Telebrás, em 1998. Projeto nascido no auge das promessas de um Plano Nacional de Banda Larga, o satélite geoestacionário de defesa e comunicações chega três anos depois do previsto e com mudanças na proposta – e com seu próprio modelo de utilização questionado na Justiça. 

Mesmo assim, o presidente Michel Temer, que acompanhou o lançamento, feito em Kourou, na Guiana Francesa, a partir do centro de controle da Força Aérea, em Brasília, sustentou que o satélite é um marco. “Com isto vamos democratizar o fenômeno digital no Brasil, já que a banda larga vai atingir todos os recantos do nosso país”, afirmou Temer. O investimento total, na casa de R$ 2,8 bilhões, é uma parceria das Forças Armadas com a Telebras, esta em sociedade com a Embrater. 

Da parte da Defesa, haverá gestão em separado dos cinco canais de banda X. “O satélite vai permitir às comunicações militares de defesa, na medida que é o primeiro satélite operado estritamente por brasileiros, nossa soberania, nossa independência, e para o governo as comunicações estratégicas estarão blindadas”, afirmou o ministro Raul Jungmann. 

A fatia da inclusão digital está, em tese, nos 67 feixes de banda Ka, com capacidade total de 57 Gbps. Essa é a parcela a ser gerida pela Telebras e que deve atender a demanda serviços públicos em áreas remotas – além da capacidade a ser adquirida por provedores de conexão para ofertas de acesso à internet. 

“Apenas com o Ministério da Educação, em um convênio já celebrado com a Telebras, já são 7 mil pontos mapeados de equipamentos públicos municipais, estaduais ou da União que serão em alguns meses dotados de acesso em banda larga. Qualquer escola do Amazonas, Norte, Nordeste Sul Sudeste e Centro Oeste terá acesso a banda larga. E da mesma maneira um convenio com o Ministério da Saúde possibilitar levar banda larga a qualquer equipamento de saúde pública do país”, disse o ministro de Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab. 

Com o lançamento bem sucedido nesta quinta, a expectativa é de que o SGDC esteja na órbita correta, a 75 graus oeste, nos próximos dez dias. Para a Defesa, a expectativa é de que em 30 dias ele esteja pronto para o uso. “Em meados de junho a gente vai ter o controle operacional do satélite. Quer dizer que as comunicações das forças armadas poderão ser pelo satélite a partir de então”, explicou o major aviador Rafael Duque, do centro de controle em Brasília. 

A banda larga deve demorar mais. A Telebras torce para estar operacional até setembro, dentro de um modelo que prevê o leilão de 45 Gbps a até três operadoras privadas. Esse modelo, porém, é alvo de um questionamento no Supremo Tribunal Federal, além de uma representação na Procuradoria Geral da República. 

No longo prazo, a promessa feita pelo ministro Kassab depois do lançamento foi de retomada do plano de que o SGDC é apenas o primeiro de uma série. De fato, o plano original era lançar o primeiro satélite em 2014 e o segundo cinco anos depois, em 2019 – fruto do conhecimento assimilado pela Visiona, a parceria entre Telebras e Embraer para o mercado de integração de satélites. 

Mas se lembrou de que o projeto não termina neste primeiro artefato, o ministro também jogou para um futuro distante a materialização dessa promessa. “Em alguns meses vamos iniciar o planejamento da continuidade desse programa. Este é o primeiro. Estamos conquistando tecnologia. E com isso em algumas décadas o Brasil terá soberania também na construção desses satélites”, completou Kassab.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Dois anos depois, só Sky tem estações licenciadas para uso de sobras de 2,5 GHz

Das 110 empresas que compraram lotes em dezembro de 2015, 89 concluíram o procedimento de outorga, mas pate já está pedindo à Anatel mais prazo para entrar em operação. 

França vai banir celulares em escolas a partir de 2018

Anúncio foi feito pelo ministro da educação do país, Jean-Michel Blanquer. Medida valerá para estudantes menores de 15 anos. 

Unicef alerta que acesso à internet só pelo smartphone amplia fosso digital

Para entidade, aparelhos móveis não podem ser considerados substitutos equivalentes porque restringem o tipo e a qualidade do conteúdo acessível. 

Telebras vai assumir Gesac por cinco anos e R$ 663,5 milhões

Estatal já garantiu o contrato por inexigibilidade de licitação, conforme publicado nesta sexta, 8/12, no Diário Oficial. Meta será conexão de 15 mil pontos com acessos de 10 Mbps. 

Telebras prevê comprar 200 mil antenas para oferecer internet via satélite

“É o que a gente vai deixar. Caso as empresas não queiram em determinado lugar, o Decreto 7175/2010 permite que a Telebras faça diretamente”, afirmou o diretor técnico da estatal, Jarbas Valente, em audiência na Câmara. 

PNAD 2016: celular quase encosta em TVs nos lares brasileiros

Pesquisa do IBGE mostra que, em 2016, em 92,3% dos domícilios pelo menos um morador possuía um telefone celular. As TVs estão presentes em 97,4% dos domícilios. O acesso à Internet chegou a 63,6% dos domicílios, com o celular ganhando fácil dos PCs e tablets. 



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G