GOVERNO

GovData marca início da gestão centralizada da TI no governo

Luís Osvaldo Grossmann e Luiz Queiroz ... 05/05/2017 ... Convergência Digital

A plataforma para o compartilhamento de informações entre os órgãos públicos federais, ou GovData, marca o início do que o Ministério do Planejamento espera ser uma nova era na gestão de tecnologia da informação na administração federal. Além de prometer acessibilidade e agilidade, a Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações acena para os órgãos públicos com custos menores para o compartilhamento. 

“Até hoje, cada ministério que precisasse da base de dados de outro ministério tinha que fazer uma solicitação via ofício. Assim que recebesse a autorização, em 20, 30 dias, tinha que ver onde a base estava armazenada, ir até lá e buscar a base fisicamente. A partir de agora vai pedir autorização para o Planejamento para acessar uma base específica. Se essa base já for pré autorizada tem acesso no outro dia. Se não, o Planejamento vai negociar o acesso junto ao gestor”, explicou o secretário Marcelo Pagotti. 

Ele exemplificou com um hipotético cruzamento de dados de CPF, Rais, Caded e CNPJ e indicou que para algo assim, com 150 milhões de registros de resultado, “o custo de uma única extração é R$ 230 mil”. “Se precisar fazer isso seis, doze vezes por ano, é esse o custo atual de extração dessa informação. Com a plataforma, considerando que vai usar as 20 bases, fazer cruzamento, ter cinco usuários, vai pagar R$ 188 mil por ano, podendo fazer quantas extrações ou quantas análises quiser”. 

Segundo a Setic, essa dinâmica de não pagar mais por extração será capaz de gerar uma economia de R$ 22 milhões por ano no Ministério do Planejamento. Com esse valor, a pasta vai subsidiar aos demais órgãos o acesso das 20 primeiras bases de dados e das próximas 10 que espera incluir nos próximos meses. 

Além disso, a secretaria espera liberar até meados do ano uma primeira API que possa ser transformada em aplicações pelo setor privado. “Estamos trabalhando em como esse dado pode ser utilizado pela sociedade e melhorar ações que a iniciativa privada faz prestando serviço para o cidadão. Hoje, parte do risco de um empréstimo, por exemplo, é saber se o cliente é ele mesmo. Com o GovData e outras ferramentas do Planejamento, vou certificar, dar uma garantia maior a esses entes privados para que diminuam o preço dos serviços prestado aos cidadãos.” Assistam a explicação sobre o GovData dada pelo secretário da STI, Marcelo Pagotti, na CDTV, do portal Convergência Dgiital.


Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

BNDES tem novo modelo de financiamento em infraestrutura

No lugar dos empréstimos-ponte, banco vai adotar “empréstimos sindicalizados”, ou seja, concedidos por um conjunto de bancos. Instituição torce para o interesse de bancos estrangeiros nesses negócios.

GovData marca início da gestão centralizada da TI no governo

Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações vai subsidiar e intermediar o acesso às informações guardadas por Serpro e Dataprev, em modelo de assinatura anual à plataforma. O ministério de Desenvolvimento Social e Agrário fez um piloto e o tempo de análise de dados, que era de 40 dias, caiu para um dia.

Governo terá plataforma única para cruzamento de dados no Poder Executivo

Planejamento chegou a proibir os órgãos federais de contratarem soluções de Big Data e Analytics para evitar dispersões.

Greve continua e não há data para lançamento do satélite da Telebras

Previsto para o dia 21 de março, o lançamento, agora, só deverá acontecer pelo menos 10 dias depois do fim da greve geral na Guiana Francesa. Governo diz que atraso não causa prejuízo aos projetos nem financeiro.


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

Fim da gestão do Governo dos EUA abre nova era para a Internet

Desde 1º de outubro, as funções técnicas da internet – nomes, números e protocolos – não envolvem mais um contrato da ICANN com o governo americano. “O Brasil influenciou nessa transição”, diz o secretário-executivo do CGI.br, Hartmut Glaser. 


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G