NEGÓCIOS

Bancos encostam no Governo e investem R$ 18,6 bilhões em TI

Ana Paula Lobo ... 10/05/2017 ... Convergência Digital

Apesar do momento econômico e político do país em 2016, os bancos mantiveram o posto da vertical privada que mais investe em Tecnologia da Informação no Brasil com um aporte de R$ 18,6 bilhões e, ao mesmo tempo, encostaram no Governo ao aumentarem a participação dos gastos para 14% do PIB nacional. A maior parte dos aportes -45% - foi destinada para o desenvolvimento de software, 35% para hardware e 19% para telecom. O montante caiu em relação a 2015, quando os bancos investiram R$ 19 bilhões, mas o diretor setorial da Federação Brasileira de Bancos, Gustavo Fosse, sustenta que o resultado de 2016 ficou acima do esperado.

"Numa comparação mundial, os bancos brasileiros investiram acima da média, que é de 13%. A Tecnologia da Informação nos ajuda a encontrar eficiência operacional e esses R$ 700 milhões de diferença são também resultado da consolidação das áreas de TI por conta das fusões e aquisições", explica Fosse, que também atua na área de TI do Banco do Brasil. O levantamento da Febraban, divulgado nesta quarta-feira, 10/05, em São Paulo, constatou a explosão do uso da mobilidade como já era esperado.

O estudo mostra que as transações bancárias feitas por meio do mobile banking, que inclui celulares e tablets, praticamente dobraram no ano passado, com expansão de 96% em relação a 2015, totalizando 21,9 bilhões. Mas o mais importante: a movimentação financeira, que é a transação efetivamente concretizada, saltou de 0,5 milhão em 2015 para 1,2 bilhão em 2016. Com este desempenho, o canal superou o internet banking - que registrou 14,6 bilhões de transações, abaixo do contabilizado em 2015, 17,7 bilhões-, pela primeira vez, galgando a liderança entre as plataformas utilizadas pelos clientes para operações bancárias com ou sem movimentação financeira.

O mobile banking - e aqui é bom ressaltar que o dado da Febraban contabiliza as operações feitas diretamente dos aplicativos dos bancos - fechou o ano passado representando 34% do total das operações, um aumento de 14 pontos porcentuais em relação à pesquisa feita em 2015, seguido pelo internet banking (23%). Se levadas em conta somente as transações com movimentação financeira, o salto foi ainda maior, com o canal expandindo-se em 140%, passando de 500 milhões de transações, em 2015, para 1,2 bilhão no exercício passado. Nos últimos três anos, o volume quadruplicou.

"O canal digital é a escolha clara do correntista e não há canal digital sem investimento em hardware, software e telecom, o que nos deixa em evidência que os aportes para 2017 devem seguir a mesma linha e ficar em torno dos R$ 18,6 bilhões. É claro que pode ter um movimento para mais e para menos. Exemplificando: se uma instituição renovar seu data center, os aportes em hardware aparecem. Mas a grande maioria está apostando no software. E, claro, em Telecom, para garantir a disponibilidade", reforça Gustavo Fosse.

No ano passado, o setor bancário contabilizou 65 bilhões de transações, uma alta de 17% em relação a 2015, de 55,7 bilhões, e a segunda maior nos últimos seis anos, de acordo com dados da pesquisa Febraban. Juntos, os canais de internet e mobile, respondem por 57% do total de movimentações financeiras. Contribui ainda o crescimento das contas totalmente digitais, abertas por meio totalmente eletrônico, sem contato presencial entre clientes e instituições bancárias. Conforme a Febraban, o número chega a quase um milhão e a expectativa é de que as contas totalmente digitais somem 3,3 milhões até o final do ano – contas digitais são aquelas abertas por meio totalmente eletrônico, sem contato presencial entre clientes e instituições bancárias.

O uso da mobilidade e do Internet banking não implica no desgaste do ATM, que segue sendo o principal meio para sacar o dinheiro. Os ATMs mantiveram o desempenho de 2015 com o registro de 10 bilhões de transações financeiras. A crise econômica impactou mesmo o desempenho dos POS. Em função da queda do varejo em 2016, o número de transações com cartões de débito e crédito caiu e ficou em 6,6 bilhões. Em 2015, esse número ficou em 7,8 bilhões. "É uma posição que retrata o menor uso dos cartões de débito e crédito no comércio. Não um problema de tecnologia", completou Gustavo Fosse.

Realizada há 25 anos pela FEBRABAN, em 2017, a Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária foi desenvolvida em parceria com a Deloitte e contou com a participação de 17 bancos, que representam 91% dos ativos dessa indústria no País. O estudo foi feito com a aplicação de questionário online junto às instituições financeiras, entrevistas com especialistas, consolidação de dados públicos e também com pesquisas internacionais da Deloitte para ampliar e aprofundar a análise dos dados.

Para conferir a apresentação completa da pesquisa, clique aqui. O relatório completo será lançado por ocasião do Ciab FEBRABAN 2017, que acontecerá entre os dias 06 e 08 de junho, em São Paulo.


Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Déficit de eletrônicos cresce 20% e chega a US$ 17,4 bilhões até setembro

Apenas a China, com US$ 8,4 bilhões, representa praticamente a metade de todo o déficit. Demais asiáticos somam outros US$ 6,2 bilhões.

Porto Alegre se frustra com arrecadação de imposto sobre streaming

Capital gaúcha foi a primeira do país a instituir a alíquota de 2% do ISS (Imposto sobre Serviço) em março deste ano. Mas Fazenda municipal admite: dinheiro que entrou nos cofres públicos foi abaixo do esperado.

CVM adverte para o risco de fraudes e pirâmides com as moedas virtuais

Em nota oficial ao mercado órgão regulador do mercado financeiro diz que, até presente data, não foi registrasda nem dispensada nenhuma oferta das chamadas Initial Coin Offerings (ICOs), mas sustenta que há riscos nas operações.

Gastos globais com TI vão crescer 4,3%, para US$ 3,7 trilhões em 2018

Serviços de comunicação e software corporativo puxam as despesas mundiais do setor. A boa nova é o incremento na venda de dispositivos moveis e de PCs, em função da renovação do parque corporativo.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G