GOVERNO » Política Industrial

MCTIC: Lei de Informática é a política pública que deu certo

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/05/2017 ... Convergência Digital

O Brasil tem resultados palpáveis de um quarto de século de vigência da Lei de Informática. A começar pela própria existência de ecossistema nacional de produção de tecnologia. Como enumerou o secretário de políticas de informática do MCTIC, Maximiliano Martinhão, empresas, empregos e pesquisadores são ativos que qualquer país quer ter. 

“É uma política pública com mais de 25 anos, de longo prazo, que permitiu um grande resultado quantificável, que promove investimento em pesquisa e desenvolvimento, geração de riqueza, geração de empregos. São resultados quantificáveis”, afirmou ao participar de audiência, quase um réquiem, na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara, nesta quinta-feira, 11/05. 

“A lei possibilita investimentos de R$ 1,5 bilhão todos os anos. Se a gente considerar o setor de tecnologia da informação e comunicação, talvez seja um dos maiores projetos públicos de pesquisa e desenvolvimento na área de TICs no mundo”, emendou. “Temos 673 empresas produzindo tecnologia de informação e comunicação no Brasil, que geram mais de 135 mil empregos diretos e 18 mil pesquisadores, além de 334 instituições de pesquisa credenciadas. Isso é um legado. Um ativo que qualquer país no mundo gostaria de ter. Nosso papel é discutir alternativas que preservem esse ativo.”

Martinhão defende melhorias a serem feitas, operacionais, de avaliação de resultados, de aprofundamento da cadeia de valor da indústria no país. E lembra que a renúncia fiscal é menor do que o retorno em outros tributos. “A desoneração tributária da Lei de Informática, a renuncia fiscal, é da ordem de R$ 5,2 bilhões ao ano. Entretanto, a arrecadação quando se olha IPI, PIS/Cofins, ICMS das empresas beneficiadas é de quase R$ 9,8 bilhões. É superavitária nesses termos”, completou. Assistam a participação do secretário da SEPIN, Maximiliano Martinhão.


Confederação de teles e TI quer R$ 1 bilhão para Sistema S das TICs

“Nossa prioridade para 2018 é garantir os recursos para esse sistema fazer frente às necessidades de formação e capacitação para a transformação digital”, diz o presidente do Sinditelebrasil, Eduardo Levy. 

Governo retoma piloto de IoT com chips para coleta de dados

Governo criou um comitê interministerial para integrar as políticas de RFID às do Plano Nacional de Internet das Coisas. Iniciativa, parada há três anos por falta de consenso, batizada de SINIAV, começa a sair do papel com pilotos em Pernambuco e no município de Santo André, em São Paulo.

Governo discute se IoT é valor adicionado ou Telecomunicações

"Há prós e contras e precisamos analisar bem para definirmos a melhor governança", diz o diretor do MCTIC, José Gontijo. Sobre Internet das Coisas, Gontijo é taxativo: O Brasil não pode adiar mais uma definição sobre Lei de proteção de Dados Pessoais.

Reforma tributária: Telecom fica na categoria do imposto seletivo

Em entrevista à Newsletter da Telebrasil, reproduzida pelo Connvergência Digital, o deputado Luiz Carlos Hauly, do PSDB/PR, explica que a sua proposta elimina 10 tributos.

Fazenda e Receita insistem e querem o fim da desoneração da folha em 2017

Área econômica insiste que a desoneração trouxe mais prejuízos do que benefícios aos cofres públicos. TICs ficam fora dos segmentos contemplados em nova proposta do Governo.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G