GOVERNO » Legislação

20 anos depois, começa nova tentativa de unificar documentos de identidade

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/05/2017 ... Convergência Digital

E vem aí mais uma tentativa de reunir diversos registros de identificação em um único documento. Ou quase. Está em vigor a Lei 13.444/17, sancionada por Michel Temer na quinta, 11/5, em cerimônia restrita a autoridades. Um sonho antigo, como qualificou um dos presentes, que começou há duas décadas, com a aprovação de outra Lei, a 9.454/97. 

A aposta no sucesso da nova tentativa está em construir primeiro uma base de dados única para todo o país, calcada no arquivo do Tribunal Superior Eleitoral que já coletou os dados biométricos (no caso, as digitais dos dez dedos) de mais de 50 milhões de eleitores e espera ter de todos até 2020 – o que será mais de 140 milhões de brasileiros. 

A essa base do TSE será agregada o Sirc, o Sistema Nacional de Informações de Registro Civil, que envolve os cartórios de registro (portanto nascimentos, casamentos, óbitos). A lei também menciona bases dos institutos de identificação estaduais, além da Polícia Federal. Mas a grande distinção do que foi o então chamado Registro de Identidade Civil está na centralização e na predominância do TSE sobre os dados. 

Em tempos de cortes orçamentários severos, no entanto, a nova identidade esteve a perigo. Quando a Lei foi votada no Senado, há um mês, o relator Antonio Anastasia (PSDB-MG) avisou os colegas que o governo já antecipara vetar todas as menções ao Documento de Identificação Nacional. O motivo alegado foi evitar a despesa com a emissão do documento. 

O governo, porém, mudo de ideia. Resolveu manter o documento – e mudou o nome que saiu do Senado para Documento Nacional de Identificação – mas ele será cobrado. “Foi vetada a gratuidade deste documento, por causa das dificuldades do Brasil de hoje. Mas a Lei foi construída sem a necessidade de troca do documento que ainda estiver válido”, explicou o relator do projeto na Câmara, Julio Lopes (PP-RJ). 

Quando, mais de dez anos depois da primeira lei, o governo Lula decidiu adotar a identidade única, o preço foi um dos principais motivos de fracasso do então RIC – o outro foi o conflito entre União e estados, agora a ser superado com a primazia do TSE. Chegaram a ser negociados os primeiros 2 milhões documentos à Casa da Moeda, e o custo à época (2011) seria de R$ 40 por unidade. A ideia era incluir chip e certificado digital em um documento com a aparência de um cartão de crédito com foto. 

Ao justificar o veto à gratuidade da primeira via do documento, o governo alegou que “o dispositivo representaria considerável impacto orçamentário à União, agravado pelas restrições impostas às despesas primárias pelo Novo Regime Fiscal. Ademais, caracteriza-se como despesa de caráter continuado sem se fazer acompanhar da necessária estimativa do impacto financeiro, em desacordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Serão estabelecidos em regulamento os critérios de gratuidade, em função dos públicos, e subordinados a cronograma de emissão do documento, que considere, dentre outros aspectos, o impacto orçamentário”.

A cara e as especificações da nova identidade ainda serão definidas por um comitê com 9 integrantes, sendo 3 do TSE, 3 do governo federal, além de Câmara, Senado e Conselho Nacional de Justiça. E não existe ainda um prazo definido para o início da emissão do documento. Além da gratuidade, outro veto tirou a exclusividade de fabricação pela Casa da Moeda (também por alegados riscos econômicos) e não está claro como será a escolha do fornecedor. O terceiro e último veto foi para remover do texto a penalidade relacionada à proibição de comercialização da base de dados, uma vez que já estão previstas na legislação penal.


Diretor da Dataprev que propôs demitir mil funcionários pede exoneração

Desafeto político do presidente da estatal, Leandro Magalhães, Júlio César de Araújo Nogueira foi imposto para a diretoria da empresa pelo ex-ministro do Planejamento, Dyogo Henrique de Oliveira, que, agora, segue para a presidência do BNDES.

Câmara aprova urgência para votar a reoneração da folha de pagamento

Empresas de TI e de Call center podem ter de voltar a contribuir com alíquota de 20% , após 90 dias da publicação da nova legislação.

Decreto cria estrutura multissetorial para cuidar da transformação digital

A tradicional SEPIN, secretaria de Políticas de Informática, deixa de existir e se transforma na SEPOD, secretaria de políticas digitais, com Thiago Camargo Lopes à frente. Como política de Estado,  cobrança de resultados acontecerá em diversas pastas.

Estratégia Digital reúne antigas demandas e programas repaginados

Escolas conectadas, incentivos a isenções de ICMS, uso do Fust, apoio a startups, estímulo a exportações e até um novo Proinfo fazem parte das ações estratégicas que estimulem a economia digital no Brasil.

Jarbas Valente assume Telebras. Maximiliano Martinhão volta ao MCTIC

Seis meses e meio depois de assumir a presidência da Telebras, Martinhão, que estava antes à frente da SEPIN, retorna ao Ministério. Ele vai cuidar da Secretaria de Inovação.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G