SEGURANÇA

Corporações brasileiras mandam desligar PCs para evitar superataque ransomware

Ana Paula Lobo* ... 12/05/2017 ... Convergência Digital

A sexta-feira, 12/05, está marcada por uma série de ciberataques em larga escala que teriam atingidos pelo menos 74 países, entre eles, Espanha, Portugal e Inglaterra. Na Espanha, a Telefónica teria tido parte dos seus computadores afetados por um ataque de ransomware. No Brasil, corporações de grande porte e órgãos públicos não admitem impacto nas suas operações, mas decidiram, por prevenção, mandar os seus funcionários desligarem seus computadores.

Entre essas companhias estão o Tribunal de Justiça de São Paulo- onde o site da entidade está fora do ar - e acendeu o sinal amarelo de outros órgãos. Tanto é assim que a CTIC - Central do Processo Digital - do Ministério Público de São Paulo enviou o seguinte comunicado:

Diante do ataque mundial aos sistemas informatizados que está ocorrendo neste momento, solicitamos a todos os usuários do MPSP que desliguem todos os computadores imediatamente. O incidente afetou a rede do TJSP e se espalhou pela rede Intragov do governo do estado. O MPSP está avaliando se houve comprometimento a segurança de sua rede.Novas orientações serão enviadas oportunamente.

No Governo Federal, o portal Convergência Digital procurou a Setic - Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação do Ministério do Planejamento para saber se houve alguma orientação com relação aos órgãos federais. A informação foi que 'não houve orientação para desligar nenhum computador'.

Também procurado pelo Convergência Digital, o Serpro avisa que mantém prontidão permanente sobre as redes do governo federal. "O Serpro, até o momento, não identificou a ocorrência de qualquer anormalidade em seu ambiente de TI. A empresa possui um plano de contingência, que já está em operação, e toda a equipe de segurança está em alerta, adotando as medidas adequadas a situações como as que estão acontecendo."

Medida diferente tomou a Petrobras, que teria orientado seus servidores a desligarem seus computadores evitar a 'infecção' e a cobrança de resgate por parte dos cibercriminosos. O Metrô Rio de Janeiro cortou o acesso à Internet dos seus funcionários, mas assegura que a rotina operacional está mantida.

Apesar das notícias referentes a problemas nas redes do INSS, a Dataprev soltou uma nota oficial onde descarta ter sido atingida pelo ransomware. Diz a nota: "a Dataprev informa que seus data centers não foram infectados. A empresa adotou uma série de ações preventivas para assegurar a integridade dos dados sob a sua gestão.O vírus se propaga em redes locais, a partir de estações de trabalho, e embora a Dataprev não seja a responsável direta pela gestão das redes internas dos clientes, tem dado apoio para o tratamento do incidente"

Os ataques usam vírus de resgate (ou "ransomware"), que inutilizam o sistema ou seus dados, até que seja paga uma quantia em dinheiro. Após o ciberataque que atingiu os escritórios da Telefônica na Espanha e outras instituições na Europa, a Telefônica Vivo orientou seus funcionários no Brasil a não acessarem a rede corporativa. A empresa diz, em nota, que toma medidas "preventivas", e que o Brasil não foi afetado diretamente pelo ataque.

Veja também:

Windows desatualizado abriu brecha para megaataque de ransomware

*Com informações da rádio CBN e agências de notícias. Colaborou Luis Osvaldo Grossmann


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Novo golpe do boleto já distribuiu quase 300 mil e-mails no Brasil

Malspam (spam malicioso) foi criado especialmente para vítimas brasileiras, revela a Unit 42. Os boletos falsos são para roubar dados, senhas e nomes de usuários.

Ataques DDoS aumentam 138% e ficam, em média, em 300 Gbps no Brasil

A amplificação dos ataques de negaçaõ de serviço acendeu o sinal vermelho nas autoridades de segurança de rede do País. Os ataques mais comuns são os botnets de Internet das Coisas.

PROTESTE reprova antivírus usados nos celulares brasileiros

Associação de Consumidores testou 22 versões pagas e gratuitas de marcas como Eset, Bitdefender, GData, Kaspersky, Norton, Avira, Avast, McAffe e 360 Security. Nenhum atendeu a todos os requisitos técnicos testados.

Tokelau, com 1,5 mil habitantes, é o domínio mais usado para golpes

Código de país da ilha polinésia, ‘.tk’, é largamente utilizado para golpes na rede, segundo pesquisa global sobre phishing.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G