Home - Convergência Digital

Internet das Coisas: um mercado de R$ 10 bilhões em 2021

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 17/05/2017

O mercado de Internet das Coisas deve alançar receitas de US$ 3,29 bilhões, ou R$ 10 bilhões, em 2021, segundo dados divulgados no estudo “O Mercado industrial brasileiro de Internet das Coisas, Cenário para 2021”, realizado pela Frost &Sullivan. No ano passado, no Brasil, o mercado de IoT no Brasil atingiu uma receita de US$ 1.346,2 milhões, ou R$ 4,3 milhões, sendo a indústria automotiva e as manufaturas verticais as mais relevantes.

“A indústria automobilística espera gastar mais em IoT nos próximos dois anos. A logística e o transporte no Brasil são principalmente baseadas em rodovias por causa da limitada rede ferroviária; roubos de veículos e cargas são a principal preocupação. Empresas de diversos segmentos esperam ter perspectivas melhores em 2017 e retomar suas iniciativas de investimento em tecnologia”, destaca o gerente do programa de mobilidade da Frost & Sullivan, Yeswant Abhimanyu. O especialista ressalta que há oportunidades significativas em mercados como Smart Cities, Utilities, Agricultura e Saúde.

O levantamento aponta que a indústria automobilística e de manufatura estarão maduras em 2021, e a expectativa é que a da Saúde tenha as mais altas taxas de crescimento anualcomposta (na sigla em inglês CAGRs), gerando uma trilha reversa em outros mercados, começando por negócios B2C, e então envolvendo empresas.

No Brasil, devido à grande regulamentação do mercado de Saúde no Brasil, com várias questões sobre a confidencialidade e segurança dos dados, a adoção pelas instituições de saúde será uma longa jornada. "Tecnologias voltadas aos pacientes são mais fáceis de serem adotadas, como serviços móveis, apps e dispositivos, que levarão o mercado de saúde B2C a atingir a soma de US$610 milhões em 2020”, completa a Gerente de Pesquisas em Saúde Transformacional da Frost & Sullivan, Rita Ragazzi. 

Segundo ainda a consultoria, o ecossistema de IoT no Brasil ainda é fragmentado. Há desafios para ampliar a capacidade de consultoria e a integração para que as empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação ofereçam soluções ponta-a-ponta em IoT. “Novos modelos de negócios evoluem rapidamente em diferentes mercados no Brasil tanto por meio de empresas estabelecidas, como por meio das startups, o que gera um cenário positivo para inovação e co-inovação de soluções para necessidades especificas do País”, completa o Diretor de Pesquisa e Consultoria em Transformação Digital da Frost & Sullivan para América Latina, Renato Pasquini.

A Frost & Sullivan define IoT como objetos de uso cotidiano — de veículos a equipamentos para cafeterias em hotéis — que são conectados à Internet e que podem estar conectados uns aos outros. A pesquisa exclui IoT e objetos que exigem interface humana. A estimativa de receita se refere a hardware (módulo de conectividade e outros componentes), software e serviços diretamente ligados a soluções IoT.                                         

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/02/2018
Plataforma open source dojot, do CPqD, se integra à rede IoT da WND Brasil

16/02/2018
Anatel admite uma série de indefinições com relação à Internet das Coisas

06/02/2018
Santa Casa de Valinhos adota Internet das Coisas na UTI

05/02/2018
Qualcomm vai fabricar chips para IoT e smartphones no Brasil

31/01/2018
Mercado de Internet das Coisas chegará a R$ 26 bilhões no Brasil em 2018

23/01/2018
Metalúrgica reduz R$ 1 milhão/ano em consumo de água com Internet das Coisas

22/01/2018
IoT vai gerar riqueza para o Brasil – se tivermos IoT

15/01/2018
T-Systems contrata rede da Embratel/Claro para atuar como MVNO em Internet das Coisas

29/11/2017
Governo retoma piloto de IoT com chips para coleta de dados

24/11/2017
Atenta à Internet das coisas, Anatel quer mudar certificação de equipamentos

Destaques
Destaques

Teles avançam e 4G chega a 3608 municípios do Brasil

Estudo da Telebrasil revela que, em novembro, existiam 99 milhões de acessos 4G ativos. A cobertura 3G também aumenta e chega a 5109 municípios.

Brasileiro prevê o fim do 'baldes de dados' e quer pagar por serviço contratado no 5G

Estudo global feito pela Ericsson, que ouviu 72 milhões de usuários de smartphone no Brasil, mostra que a maioria quer a conta do 5G não mais por gigabytes consumidos, mas por serviço ou dispositivo conectado à rede.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Que ninguém fique sem o sinal de TV digital

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o presidente da Anatel e do GIRED, revela que a liberação do 700 Mhz atrai a atenção de outros países; aumenta a geração de empregos e acelera a inclusão digital com a massificação do 4G.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site