INTERNET

Reforma Política autoriza propaganda paga na Internet e telemarketing

Da redação ... 17/05/2017 ... Convergência Digital

As eleições do ano que vem poderão trazer uma novidade com relação à propaganda na Internet. A comissão especial que estuda a reforma política, manteve no texto a proposta do canditado, ou o partido, ou ainda a coligação, pagar pela inserção de anúncios de candidaturas na Internet, a partir de 1º der agosto do ano da eleição. Como o texto não traz excepcionalidades, tal propaganda eleitoral paga poderá ser veiculada inclusive nas redes sociais.

Na legislação eleitoral em vigor a Justiça Eleitoral autoriza a veocilação de propaganda na rede a partir de 16 de agosto, mas veda a publicidade paga por esse meio. Entretanto, o texto não fala sobre o "fake news", troca de acusações entre candidatos, denúncias anônimas, etc, nas redes sociais, o que poderá estar abrindo as portas para o caos na rede, embora a Justiça Eleiroral já tenha se manifestado em eventos anteriores desta natureza.

A única determinação da Comissão Especial da Reforma Política, é que a propaganda eleitoral paga na internet deverá obedecer ao limite de 5% do teto de gastos para o respectivo cargo e circunscrição eleitoral.

O texto também permite a propaganda eleitoral por telemarketing, com intervenção humana, desde que observado o intervalo das 9 horas às 20 horas, de segunda-feira a sábado, identificada a origem do contato e o motivo da ligação. Atualmente, a propaganda eleitoral via telemarketing é proibida em qualquer horário.

Financiamento

A nova regra determina que os apps, sítios da internet e técnicas e serviços de financiamento coletivo, deverão atender aos seguintes requisitos:

a) as doações devem ser recebidas exclusivamente por meio de cartões de débito, crédito e transferência bancária;

b) identificação obrigatória de cada um dos doadores (as) e das quantias doadas;

c) disponibilização em sítio eletrônico de lista com identificação dos doadores (as) e das respectivas quantias doadas, a ser atualizada  simultaneamente a cada nova doação;

d) emissão obrigatória de recibo eleitoral para cada doação realizada em nome do candidato, sob a responsabilidade da entidade arrecadadora;

e) ampla ciência a candidatos e eleitores acerca das taxas administrativas a serem cobradas pela realização do serviço.

O testo ainda terá que passar pelo plenário da Câmara.

Com informações da Agência Câmara.


PL de Dados Pessoais tem de olhar para as pequenas e médias empresas

Equilíbrio deve ser a palavra-chave da legislação de forma a assegurar o desenvolvimento tecnológico. "Não temos só as grandes companhias", adverte Ciro Freitas, advogado da Pinheiro Neto.

Economia digital: 'Sem dados, regulamentação fica muito emocional'

A afirmação é do professor da FGV e ex-conselheiro e superintendente-geral do CADE, Carlos Ragazzo. Segundo ele, falta uma discussão estruturada sobre a regulamentação de novas tecnologias no país.

BRFibra: ISPs fazem o trabalho das operadoras, mas faltam backbones e sistemas DWDM

"Ter a fibra óptica no acesso não é tudo. Precisamos ter condições de distribuir as informações", observa o José Paulo Linné, presidente da BRFibra Telecomunicações.

Em 12 meses, internet fixa ganhou 1,5 milhão de novas conexões

A alta foi de 5,92% no período. Brasil tem 28,1 milhões de acessos ativos a internet fixa. Provedores Internet responderam por 66% dessas novas conexões.

PEC inclui acesso à Internet entre os direitos fundamentais

Medida, aprovada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara Federal, será analisada por uma Comissão Especial a ser criada. Irá ainda a Plenário para votação.

Revista Abranet 22 . set/nov 2017
Veja a Revista Abranet nº 22 Reforma trabalhista: impactos para os ISPs. Conheça o novo cenário e saiba o que muda para as empresas de Internet. E mais: Os robôs chegaram pra valer; A incerteza dos 450 MHz; TIC Educação: o papel dos provedores.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G