GOVERNO » Legislação

Emenda prevê parcelamento em 48 meses de P&D não realizado na Zona Franca

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/05/2017 ... Convergência Digital

Está no Plenário do Senado Federal a proposta de conversão em lei da Medida Provisória 757/16, que nasceu no fim do ano passado para contornar uma decisão judicial e criar uma nova taxa para fabricantes instalados na Zona Franca de Manaus. Mas ela chega à reta final com uma espécie de ‘Refis’ da Lei de Informática: as empresas que não fizeram aportes em P&D terão até quatro anos para se acertar com o MCTIC. 

O tema não existia no texto original da MP 757. Apareceu na comissão mista que analisa a Medida por emenda do senador Eduardo Braga (PMDB-AM). O assunto chegou a ser rejeitado pela relatora, Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), que entendeu se tratar de “matéria estranha à MPV, além de demandar discussão específica, a ser iniciada no âmbito do Poder Executivo”. 

Não adiantou. A emenda foi aprovada no texto da lei de conversão, que agora espera votação em Plenário. Ela prevê o parcelamento dos débitos existentes até 31 de dezembro de 2016 em 48 meses, com recolhimento ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e correção pela TJLP. Alternativamente, pode ser proposto um “plano de reinvestimento” dos débidos, a ser analisado pela Suframa. Nessa forma:

“Art. 16. Os débitos decorrentes da não realização, total ou parcial, a qualquer título, até o período encerrado em 31 de dezembro de 2016, de aplicações relativas ao investimento compulsório anual em pesquisa e desenvolvimento, de que tratam o art. 11 da Lei no 8.248, de 23 de outubro de 1991, e os§§ 3o e 5o do art. 2o da Lei 8.387, de 30 de dezembro de 1991, poderão ser objeto de parcelamento em até quarenta e oito parcelas mensais e consecutivas.”

“§ 5o Como medida alternativa ao parcelamento de que trata o caput deste artigo, a empresa beneficiária poderá propor plano de reinvestimento dos débitos referentes aos investimentos residuais, podendo contemplar débitos apurados em mais de um período até o que se encerra em 31 de dezembro de 2016, a ser aprovado pela Suframa conforme critérios a serem estabelecidos por seu Conselho de Administração, ouvido o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.”

No mais, a MP cria duas taxas sobre serviços e importação de insumos, que foi a resposta do governo a uma decisão do Supremo Tribunal Federal, que em maio de 2016 entendeu ser inconstitucional a Taxa de Serviços Administrativos, criada em 2000 e que até então incidia sobre tarefas da Suframa como o cadastro de empresas e também sobre a importação de insumos. A Suframa alegou a necessidade de recomposição visto que esses valores representariam mais de 90% das receitas da entidades.


MCTIC precisa de R$ 2 bi para fechar ano e fala em 'pressão saudável' por recursos

"Temos que trabalhar, lutar e pressionar, porque não é um recurso que surge do nada. É um recurso muito disputado", advertiu o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

Abinee:"Com a nova TLP, o futuro da indústria é bastante nebuloso no Brasil"

Associação da Indústria Elétrica Eletrônica sustenta que a nova Taxa de Longo Prazo (TLP), no lugar da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), aprovada na MP 777, vai afetar 69% das empresas do setor que utilizam financiamentos do BNDES como fornecedoras de máquinas, equipamentos, sistemas e componentes.

Assespro e Brasscom defendem sistema distrital misto para a Reforma Política

Em comunicado conjunto, as entidades do setor de TI se mostram contra o financiamento político por parte do Estado e querem as cláusulas de barreira apenas em 2022. "É preciso darmos uma opinião setorial porque é uma reforma estruturante", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.

Incentivos para internet das coisas e satélite devem seguir modelo REPNBL

Segundo o secretário de Políticas de Informática do MCTIC, Maximiliano Martinhão, controle de gastos exige políticas com objetivos e prazos determinados. E metas associadas a leilões de espectro.

Governo fecha novo texto para o Refis e amplia prazo de adesão para outubro

A equipe econômica também permitirá a redução do pagamento da primeira parcela devida, desde que o débito seja de até R$ 30 milhões, e não R$ 150 milhões. Prazo para adesão, agora, passa de 31 de agosto para 31 de outubro. Governo quer arrecadar R$ 10 bilhões.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G