GOVERNO » Legislação

Emenda prevê parcelamento em 48 meses de P&D não realizado na Zona Franca

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/05/2017 ... Convergência Digital

Está no Plenário do Senado Federal a proposta de conversão em lei da Medida Provisória 757/16, que nasceu no fim do ano passado para contornar uma decisão judicial e criar uma nova taxa para fabricantes instalados na Zona Franca de Manaus. Mas ela chega à reta final com uma espécie de ‘Refis’ da Lei de Informática: as empresas que não fizeram aportes em P&D terão até quatro anos para se acertar com o MCTIC. 

O tema não existia no texto original da MP 757. Apareceu na comissão mista que analisa a Medida por emenda do senador Eduardo Braga (PMDB-AM). O assunto chegou a ser rejeitado pela relatora, Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), que entendeu se tratar de “matéria estranha à MPV, além de demandar discussão específica, a ser iniciada no âmbito do Poder Executivo”. 

Não adiantou. A emenda foi aprovada no texto da lei de conversão, que agora espera votação em Plenário. Ela prevê o parcelamento dos débitos existentes até 31 de dezembro de 2016 em 48 meses, com recolhimento ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e correção pela TJLP. Alternativamente, pode ser proposto um “plano de reinvestimento” dos débidos, a ser analisado pela Suframa. Nessa forma:

“Art. 16. Os débitos decorrentes da não realização, total ou parcial, a qualquer título, até o período encerrado em 31 de dezembro de 2016, de aplicações relativas ao investimento compulsório anual em pesquisa e desenvolvimento, de que tratam o art. 11 da Lei no 8.248, de 23 de outubro de 1991, e os§§ 3o e 5o do art. 2o da Lei 8.387, de 30 de dezembro de 1991, poderão ser objeto de parcelamento em até quarenta e oito parcelas mensais e consecutivas.”

“§ 5o Como medida alternativa ao parcelamento de que trata o caput deste artigo, a empresa beneficiária poderá propor plano de reinvestimento dos débitos referentes aos investimentos residuais, podendo contemplar débitos apurados em mais de um período até o que se encerra em 31 de dezembro de 2016, a ser aprovado pela Suframa conforme critérios a serem estabelecidos por seu Conselho de Administração, ouvido o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.”

No mais, a MP cria duas taxas sobre serviços e importação de insumos, que foi a resposta do governo a uma decisão do Supremo Tribunal Federal, que em maio de 2016 entendeu ser inconstitucional a Taxa de Serviços Administrativos, criada em 2000 e que até então incidia sobre tarefas da Suframa como o cadastro de empresas e também sobre a importação de insumos. A Suframa alegou a necessidade de recomposição visto que esses valores representariam mais de 90% das receitas da entidades.


Governo terá plataforma única para cruzamento de dados no Poder Executivo

Planejamento chegou a proibir os órgãos federais de contratarem soluções de Big Data e Analytics para evitar dispersões.

Greve continua e não há data para lançamento do satélite da Telebras

Previsto para o dia 21 de março, o lançamento, agora, só deverá acontecer pelo menos 10 dias depois do fim da greve geral na Guiana Francesa. Governo diz que atraso não causa prejuízo aos projetos nem financeiro.

Gilberto Kassab sofre duas investigações oficiais por conta da Lava Jato

O jornal Estado de São Paulo divulgou a lista do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. Foi determinada a abertura de inquérito contra contra nove ministros do governo Temer, 29 senadores e 42 deputados federais, entre eles os presidentes das duas Casas - Senado e Câmara.

"Há chances, sim, de reverter a reoneração da folha para TI", afirma Kassab

"Os números apresentados me convenceram plenamente. Eu estou à frente dessa negociação no governo", afirmou o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

STF livra governo federal de responder por dívidas trabalhistas de terceirizados

“A responsabilidade por débitos trabalhistas de terceiros seria desestímulo à colaboração da iniciativa privada com a administração pública”, sustentou no voto de desempate o ministro Alexandre de Moraes.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G