INTERNET

Relator que votar lei que impede franquia na banda larga fixa na Câmara

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/05/2017 ... Convergência Digital

Promete avançar em breve na Câmara o projeto de lei 7182/15, que proíbe franquia na venda de planos de conexão fixa à internet. A votação na Comissão de Defesa do Consumidor, primeira das três por onde passará a proposta, será marcada para a próxima semana. 

A promessa foi feita pelo presidente da CDC, Rodrigo Martins (PSB-PI), ao abrir uma audiência pública sobre o tema nesta terça, 23/5. Reunião que começou com descontentamento porque as empresas não foram representadas por seus próprios presidentes. “Não me interessa fazer audiência com quem não tem autonomia para tomar decisões. Estamos fazendo papel de palhaços”, disparou o deputado Aureo Ribeiro (SD-RJ). 

O apelo para o cancelamento do debate não prosperou, especialmente depois que Rodrigo Martins, que também é o relator do PL 7182/15 na Comissão, prometeu apresentar o texto nos próximos dias. “Quero de antemão deixar claro que o parecer vai ser feito esta semana e pautado semana que vem, independentemente da presença de presidentes ou representantes das empresas”, afirmou.

De sua parte, os diretores que compareceram ao debate defenderam a coexistência de planos com ou sem franquia de dados; a liberdade de modelos de negócios, especialmente para um serviço prestado em regime privado; e o direito de adotar um mecanismo que busca inibir o que consideram um “consumo exacerbado” por uma pequena parte dos usuários. Ou como resumiu o diretor de relações institucionais da Claro, Fabio Andrade, “por causa 1% de heavy users 99% dos usuários vão pagar por isso. A banda larga vai aumentar, 1% vai ficar feliz e 99% vão ficar tristes”.

Além da CDC, o PL 7182/17 vai passar pelas comissões de ciência e tecnologia e de constituição e justiça, antes de chegar ao Plenário da Câmara. No Senado, o que era então o PLS 174/16, apresentado em abril do ano passado, foi aprovado em março deste 2017. 


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G