INTERNET

Para PF e MPF, Whatsapp tem que possuir meios de quebra de sigilo

Luís Osvaldo Grossmann ... 02/06/2017 ... Convergência Digital

O Ministério Público ainda desconfia se a criptografia do Whatsapp é real. A Polícia Federal nem tanto. Mas pelo que apresentaram nesta sexta, 2/6, na audiência pública que o STF promoveu sobre o tema, as instituições de investigação consideram esse um detalhe menor. Para ambas, o que importa mesmo é que para cumprir a legislação brasileira, o app tem que ser capaz de quebrar o sigilo de seus usuários. 

“Não se pode afastar obrigação dos meios de comunicação de oferecer as informações no momento oportuno, e não como desejam. A persecução penal do brasil não pode se pautar por empresas de informática. Então a pergunta não deve ser se o aplicativo tem viabilidade [de fornecer informações], mas por que não as tem, por que não procura tê-las. A Lei deve ser cumprida. Se não qualquer meio de comunicação vai se blindar alegando questão técnica”, afirmou o delegado da Polícia Federal, Felipe Leal. 

Para a PF, caso o STF acolha os argumentos das duas ações apresentadas como reação aos bloqueios ao Whatsapp – e considere que o Marco Civil da Internet não permite efetivamente essa medida – outros serviços online também tentarão evitar colaborações. 

“Uma visão retrospectiva tem que ocorrer, porque a depender da decisão aqui, sucessos em acesso a Gmail, à Microsoft cairão. Basta agregar uma questão técnica que cai por terra todos ou boa parte dos meios de obtenção de prova. Diversos meios de comunicação cairão por terra sob o mesmo argumento.”

O Ministério Público Federal, por sua vez, argumentou que não está provado que a criptografia é mesmo usada, mas admitiu que ainda que seja mesmo, haveria a possibilidade de o Whatsapp interceptar a troca de mensagens para colaborar com as investigações. 

“Não sabemos ao certo se essa tecnologia é empregada mesmo, porque não houve auditoria. Mas nossa perícia concluiu que seria possível o ataque ‘man in the middle’. A empresa poderia forçar nova troca de chaves, passando a ser responsável pelo intercâmbio das mensagens, criando duas sessões, uma de cada interlocutor, sem interromper a criptografia para outros usuários”, sustentou a procuradora Fernanda Domingos, do Grupo de Apoio no Combate aos Crimes Cibernéticos. 

Como emendou o secretário de cooperação internacional da Procuradoria Geral da República, Vladimir Aras, ainda que o aplicativo não tenha no momento condições de fazer as interceptações ou ‘grampos’ pretendidos, ele deve ser capaz de alterar seu próprio sistema para tornar isso possível. 

“Foi desenhado por homens, assim pode ser alterado se necessário para que haja a possibilidade desses dados serem compartilhados, independentemente de cooperação internacional. Mecanismos devem ser modificados para que agencias de persecução penal possam realizar seu papel de levar a julgamento quem comete crimes. O Brasil não pode ser um paraíso onde a Justiça manda menos que corporações globais.”


Com alta de 15%, Brasil é o segundo maior alvo de ataques web no mundo

Novo relatório da Akamai aponta, porém, que o país caiu de terceiro para quinto no ranking de origem dos ataques online. 

Black Friday dá gás às vendas, mas fica longe do desempenho de 2016

Segundo levantamento da Ebit, vendas online cresceram 10,3%, contra alta de 17% em 2016. Nas lojas físicas, alta foi de 4,9%, conforme a Serasa, enquanto chegou a 11% no ano passado. 

Em Goiás, homem é condenado à prisão por compartilhar fotos no You Tube e no WhatsApp

Pena, no entanto, foi revertida para a prestaçaõ de serviços à comunidade. Homem divulgou fotos da ex-namorada em listas nas redes sociais por vingança.

'Vingança pornográfica" vai dar cadeia de dois a quatro anos

Avançou na CCJ do Senado o PL 18/2017, que adota punição mais rigorosa para o registro ou divulgação, não autorizada, de cenas de intimidade sexual de uma pessoal. PL seguiu em regime de urgência para o Plenário do Senado.

Consumidores ignoram termos de privacidade de dados no Brasil

E o consentimento tem sido a base legal para o processamento das informações, observou o sócio sênior da Accenture, José Moscati.

Revista Abranet 23 . dez 2017 - jan/fev 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 Qual é a fórmula do sucesso? Boas práticas aplicadas por corporações bem-sucedidas sugerem um caminho a seguir. Entrevista com Tadao Takahashi. Discussão sobre a lei de proteção de dados avança. E mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G