GESTÃO

No Governo, apenas 32% dos serviços foram 100% digitalizados

Convergência Digital* ... 10/07/2017 ... Convergência Digital

Com mais de 100 milhões de brasileiros já conectados à internet, especialmente pelo celular, a demanda pela digitalização dos serviços pressiona o governo a acelerar iniciativas para a oferta de atendimento online. Mas o caminho ainda é longo: só um terço dos serviços públicos estão assim disponíveis. 

“No governo federal, dados parciais de um levantamento do Ministério do Planejamento aponta que 32% dos serviços são totalmente digitalizados, 39% parcialmente e 29% não estão disponíveis para acesso online em nenhuma das etapas”, informa a pasta. 

Segundo o secretário de Gestão, Gleisson Rubin, que na semana passada participou do X Congresso Consad de Gestão Pública, “a tendência é que o processo de digitalização em dispositivos móveis se acelere. Os serviços precisam estar na palma da mão do cidadão”.

Dados apresentados no evento indicam que a digitalização é também economia. “Estudos internacionais – realizados no Canadá, Reino Unido, Noruega e Austrália – demonstram que um atendimento presencial custa em média US$ 14. Quando o mesmo serviço é prestado de forma online, o custo baixa para US$ 0,39, o que representa uma economia de 97% aos cofres públicos.”

* Com informações do Planejamento


eSocial: Alterações relativas à contribuição previdenciária estão no ambiente de testes

O comitê do eSocialdiz que para permitir que empregadores e desenvolvedores façam testes foram estabelecidas datas fictícias relativas às faixas de salário de contribuição.

Aplicativo do governo mostra devedores da União e FGTS

Batizado ‘Dívida Aberta’, app para celulares e tablets permite consulta por nome, CPF ou CNPJ, ou mesmo pelo mapa do Brasil. 

Secretário de Desestatização acusa Serpro e Dataprev de venderem dados pessoais

"Se fosse (empresa) privada não aconteceria", alegou o Secretário de Desestatização do Governo Bolsonaro, Salim Mattar, em entrevista à radio Gaúcha. Fenadados promete processar Mattar por calúnia.

Empresas de software reagem a novo imposto no Rio de Janeiro

Tributo, oriundo do Fundo Orçamentário Temporário (FOT), passaria a valer a partir de 01 de janeiro, mas liminar, concedida à FIRJAN, adiou a cobrança para março. "Legislação é inconstitucional e vamos reagir", diz o presidente do TI Rio, Benito Paret.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G