NEGÓCIOS

CVM regulamenta 'vaquinha virtual' no Brasil

Ana Paula Lobo* ... 13/07/2017 ... Convergência Digital

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) editou, nesta quinta-feira, 13/7, a Instrução CVM 588, que dispõe sobre a oferta pública de distribuição de valores mobiliários de emissão de sociedades empresárias de pequeno porte, realizada com dispensa de registro por meio de plataforma eletrônica de investimento participativo.

“O crowdfunding de investimento é uma alternativa inovadora para o financiamento de empreendedores. A CVM considera que a segurança jurídica trazida pela nova norma pode alavancar a criação de novos negócios de sucesso no país, permitindo a captação de recursos de modo ágil, simplificado e com amplo alcance a investidores por meio do uso da internet”, comentou Leonardo Pereira, Presidente da CVM, em nota disponibilizada no portal da autarquia.
 
A nova regulamentação permite que empresas com receita anual de até R$ 10 milhões de reais realizem ofertas por meio de financiamento coletivo na internet com dispensa automática de registro de oferta e de emissor na CVM. Para proteger os investidores, uma das condições é que este tipo de oferta somente ocorra por meio de plataformas que passarão pelo processo de autorização junto à Autarquia.

Um mercado bem regulado de crowdfunding de investimento é considerado estratégico para a ampliação e a melhoria da qualidade dos instrumentos de financiamento para empresas em fase inicial e com dificuldades de acesso ao crédito e à capitalização, mas que são vitais para a geração de emprego e renda na economia. Entre as principais mudanças feitas após a audiência pública sobre o tema estão:

Possibilidade da plataforma realizar ofertas restritas a determinados grupos de investidores cadastrados, de maneira a preservar os dados estratégicos dos empreendedores;

Possibilidade de realização de ofertas parciais, caso o valor alvo mínimo de captação seja atingido.
revisão dos procedimentos da oferta, com a flexibilização das regras e definição da maior parte dos trâmites operacionais pelas próprias plataformas;

Flexibilização do modelo dos sindicatos de investimento participativo, facultando aos participantes a possibilidade de estruturação de veículos de investimento;e

Autorização para as plataformas cobrarem taxas de desempenho (performance) dos investidores, em caso de sucesso dos empreendimentos.
 
“As plataformas conduzirão as ofertas de acordo com o balizamento estabelecido pela norma e não haverá análise e autorização prévia por parte da CVM. As plataformas são os gatekeepers e devem garantir que os procedimentos estabelecidos sejam cumpridos. A CVM supervisionará as plataformas.”, acrescentou Dov Rawet, superintendente de registro de valores mobiliários (SRE).

Segundo a agência Reuters, o Brasil possui cerca de 10 iniciativas do tipo, como Eqseed, StartmeUp e Broota, de acordo com informações da Associação Brasileira de Equity Crowdfunding. Mas o volume financeiro movimentado ainda é baixo, à medida que essas plataformas esperavam por nova regulamentação.

A Eqseed, por exemplo, concluiu apenas cinco rodadas desde sua fundação em 2015, com 1,5 milhão de reais investidos, de acordo com informações da companhia. Já a Broota já teve 22 startups investidas em 2016, num total de 7,2 milhões de reais.

Em comparação, a norte-americana Wefunder, que afirma ser a maior do setor nos EUA com 55% de participação de mercado, já gerou mais de 21 milhões de dólares em volume de investimento desde a regularização da modalidade em maio de 2016, de acordo com estatísticas do mercado compiladas pela empresa.

*Com informações da CVM e da Agência Reuters


Cloud Computing
Grandes corporações abrem o orçamento para as nuvens públicas

Boa parte delas contratará os serviços públicos para aplicações de CRM e ERP. Previsão é que o gasto mundial com serviços e infraestrutura de cloud pública chegue a US$ 266 bilhões em 2021.

Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Capgemini compra empresa que presta serviços de TI para McDonald's no Brasil

O CADE aprovou a aquisição da RDI Brasil, empresa que atua exclusivamente para a cadeia de lanchonetes no país. Os valores da transação não foram revelados.

Microsoft decreta a 'morte' do Office 2007 para o dia 10 de outubro

Empresas têm pouco mais de três meses para atualizarem seus aplicativos para versão mais nova, o Office 2016. Microsoft adverte que não haverá, entre outros, o fornecimento de patches para vulnerabilidades de segurança.

Totvs faz a sua transformação digital e defende reformas para o Brasil voltar a crescer

Empresa investiu R$ 280 milhões em nova sede, em São Paulo, e diz está no meio da sua jornada. "Estamos mexendo em todos os processos", afirma o CEO, Laércio Cosentino.

Entidades de TI lançam manifesto pela manutenção dos vetos em PL que trata do ISS

Presidente Michel Temer fez quatro vetos para a a aprovação do PL 52/16 e há, agora, o risco desses vetos caírem no Congresso Nacional. Assinam um abaixo assinado encaminhado aos parlamentares entidades como ABES, Brasscom, Abranet, Fenainfo e outras.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G