Home - Convergência Digital

Reforma trabalhista entra em vigor em novembro no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 13/07/2017

O presidente Michel Temer sancionou nesta quinta-feira, 13/07, sem vetos, o projeto de reforma trabalhista aprovado pelo Congresso Nacional. A nova legislação altera regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e prevê pontos que poderão ser negociados entre empregadores e empregados e, em caso de acordo coletivo, passarão a ter força de lei. As novas regras entrarão em vigor daqui a quatro meses, conforme previsto na nova legislação.

Com o ruído de comunicação no Congresso, o governo relatou ter enviado uma minuta com os pontos da Medida Provisória (MP) com a qual pretende alterar a reforma trabalhista e cumprir as promessas feitas aos senadores para ter a votação sem alterações na Casa. A minuta - que segundo o Senador Romero Jucá, líder do governo foi enviada ao Congresso, fato desmentido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia - toca em dez pontos da reforma, entre eles temas polêmicos que foram discutidos durante a tramitação, como o trabalho intermitente, a jornada de 12 horas por 36 horas e o trabalho em condições insalubres das gestantes e lactantes.

No caso de TI, o ponto em debate é saber se haverá a iinclusão de um prazo de 18 meses para a empresa recontratar um funcionário como terceirizado ou se essa contratação poderá ser imediata, como diz, agora, a lei sancionada. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, diz desconhecer a validade dessa Medida Provisória e quer manter os termos aprovados na Câmara. Senador Romero Jucá assegura que o Governo terá 179 dias para negociar os termos da MP, uma vez que a legislação entra em vigor em 180 dias - 13 de novembro.

Conflitos

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Ives Gandra Filho, numa posição que não é a maioria da Justiça do Trabalho, disse que a nova legislação reduzirá o número de conflitos trabalhistas e trará mais segurança jurídica, não apenas para o empresário como para o empregador.

Segundo ele, a reforma representa um momento histórico de modernizar as relações de trabalho no país. “Nós, como juízes do trabalho, sentíamos falta de um marco regulatório seguro. As empresas precisam de segurança jurídica e os trabalhadores precisam de proteção, mas muitas não eram reais. A proteção sem marco regulatório seguro é proteção de papel”, disse.

Para Gandra, a reforma trabalhista ajudará a garantir o direito dos trabalhadores terceirizados, ao trazer para a legislação critérios para decisões que antes dependiam de uma súmula do TST. “A Justiça do Trabalho pode ser mais rápida, mais célere e dar mais segurança jurídica à medida que os marcos regulatórios preenchidos. Não temos mais lacunas a preencher”, declarou.

O presidente do TST ressaltou que a prioridade das negociações coletivas é o ponto central para, segundo ele, modernizar as relações trabalhistas. “O Brasil segue o caminho de outros países, que estabelecem legislação enxuta com direitos básicos para todos os trabalhadores. Aquilo que é próprio de cada categoria, como portuários, aeronautas, professores, a gente estabelece por meio de negociação coletiva. Quem melhor conhece as condições de trabalho são aqueles que trabalham na área. Estabelecer negociações coletivas é a espinha dorsal dessa história”, concluiu.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/11/2017
Fenainfo: exportadoras de software têm de pagar 20% de imposto no Brasil

06/11/2017
Governo promete MP para cumprir acordo e garantir Lei trabalhista

26/10/2017
AGU quer solução geral para a Oi, mas não tratou com credores privados

24/10/2017
Governo tira TI e Call Center da desoneração da folha de pagamento

11/10/2017
Orçamento mais baixo da história é catastrófico para Ciência e Tecnologia

11/10/2017
Governo segue sem consenso sobre a MP complementar à Lei Trabalhista

06/10/2017
SINDPD/SP: Nova Lei trabalhista não 'matou' sindicatos nem a CLT

04/10/2017
MCTIC troca Sepin e Telebras elege novo presidente

02/10/2017
Temer defende reformas, mas se omite sobre a Lei de Telecom

29/09/2017
Kassab assina ida de Martinhão para Telebras

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Regras da reforma trabalhista vão ser incorporadas ao eSocial

Novo regime fiscal será obrigatório para grandes companhias a partir do início de 2018 e para todas as demais empresas do país a partir de julho próximo. Receita descarta adiamento.

Reforma trabalhista: Não haverá contrato novo ou velho

“Se não, muitos empresários poderiam dispensar os trabalhadores da ‘lei velha’ e contratar outros com contrato novo, pela ‘lei nova’. Para não haver esse perigo, a lei aplica-se a todos os contratos em vigor no Brasil”, explica o Juiz do Trabalho, Marlos Melek.

Reforma trabalhista entra em vigor em novembro no Brasil

O presidente Michel Temer sancionou a reforma Trabalhista, sem vetos, mas garante que enviará uma Medida Provisória para dar mais transparência a pontos como, por exemplo, se haverá ou não a exigência de um prazo de 18 meses para o traballhador terceirizado ser recontratado. Presidente do TST, Ives Gandra Filho, diz que lei traz 'segurança jurídica'.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site