INCLUSÃO DIGITAL

TACs e nova Lei de Telecom são o sustento do novo plano de Banda Larga

Convergência Digital* ... 18/07/2017 ... Convergência Digital

O novo plano nacional de conectividade será colocado em consulta pública em agosto, informou nesta terça-feira, 18/07, o secretário de Telecomunicações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), André Borges.

O plano faz uma revisão das políticas públicas voltadas à expansão do acesso à internet no país, em substituição ao Programa Nacional de Banda Larga. André Borges participou de seminário promovido pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) sobre o Plano Estrutural de Redes de Telecomunicações (PERT).

Elaborado pela Anatel, o PERT vai traçar um diagnóstico da infraestrutura de banda larga no país, apontar as lacunas na oferta de serviços e propor ações para ampliar o acesso da população à internet. Para André Borges, será fundamental para o plano nacional de conectividade. "Os grandes desafios são fazer um mapeamento completo da necessidade de conexão à internet no país e conseguir fontes de financiamento para atender essas necessidades", afirmou.

Segundo o secretário, principais fontes de recursos do plano nacional de conectividade serão os Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) firmados entre a Anatel e as operadoras de telecomunicações e o PLC 79, que altera a Lei Geral de Telecomunicações, permitindo a mudança de concessões para autorizações.

Prioridades

André Borges ressaltou que a prioridade do novo plano de conectividade é levar infraestrutura de banda larga para cidades e regiões que ainda não contam com redes de acesso à internet de alta velocidade. As medidas incluem a implantação de rede 3G ou superior em regiões remotas e do 4G em todas as sedes dos municípios do país. Outra ação prevista é a utilização do programa Cidades Inteligentes para ampliar a conectividade em pequenos municípios e fora das áreas já cobertas pela internet.

O secretário ressaltou que o critério de aplicação dos recursos vai levar em consideração o tamanho do público potencialmente atendido pelas redes, com preferência para municípios com maior população. De acordo com ele, estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que os investimentos beneficiam um maior número de pessoas de baixa renda nos municípios mais populosos.

O secretário também defendeu o apoio a iniciativas que pedem a revisão do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) e do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel), com a destinação dos recursos arrecadados para investimento no setor.

Participaram do seminário o presidente da Anatel, Juarez Quadros, o presidente interino da Telebras, Jarbas Valente, o presidente do SindiTelebrasil, Eduardo Levy, o representante da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Basílio Perez, e o pesquisador do Ipea, Mario Jorge Mendonça, além de representantes do setor de telecomunicações do governo federal e da iniciativa privada.

*Com informações do MCTIC


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Viasat: TCU controla viabilidade de acordo com Telebras

Segundo a vice presidente da empresa, Lisa Scapone, a demanda existe e pode ser medida pelo Gesac, mas operação comercial no Brasil depende dos ajustes no contrato para uso do satélite nacional.

PC fica cada vez mais distante da população mais pobre no Brasil

Dados do IBGE revelam que os mais pobres do País trocaram os PCs pelos celulares e tablets. A proporção da população com acesso à internet no domicílio passou de 67,9% em 2016 para 74,8% em 2017.

Parceira da Telebras amplia WiFi via satélite no México para áreas urbanas

Dois anos depois de começar a explorar banda larga satelital em áreas remotas do país, como promete fazer no Brasil, a empresa americana Viasat anuncia conexões de 100 Mbps e preços para competir com internet fixa.

Para TCU, políticas desconexas desperdiçam dinheiro com inclusão digital

Ao citar a política de Banda Larga, Tribunal observa que a falta de coordenação gera redundância, falta de isonomia e obstáculos à oferta de serviços.

CPFL: É preciso predisposição para se ter um consenso no uso dos postes

"Não é fácil, mas é preciso existir um alinhamento. Estão todos do mesmo lado", diz o diretor da CPFL, André Luiz Gomes.

Swap de fibras é mandatório para levar banda larga em regiões desassistidas

Compartilhamento de infraestrutura é essencial para reduzir custos e definir modelos de negócios nas cidades onde as teles não investiram, observa o CEO da UmTelecom, Rui Gomes.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G