Convergência Digital - Home

Nuvem não é e não será gratuita

Convergência Digital
Convergência Digital* - 04/08/2017

Não há dúvida de que a nuvem é tentadora para os departamentos de TI, mas ela não serve para tudo. Para oferecer melhor garantia de que uma empresa esteja recebendo os benefícios previstos da nuvem (maior economia, desempenho, agilidade, dimensionamento etc.), hoje e no futuro, os profissionais de TI precisam aproveitar as informações dos aplicativos atuais na nuvem a fim de prever a migração futura de forma precisa e estratégica, afirma Gerado Dada, vice-presidente da SolarWinds.

Segundo ele, embora muitas organizações estejam usufruindo dos benefícios da computação em nuvem, os departamentos de TI não devem esperar receber todos os benefícios de uma vez; alguns, sequer chegarão a receber todos eles. Por exemplo, a economia é um motivador para muitas iniciativas de implantação de nuvem, mas ela não pode ser um benefício garantido, especialmente à medida que os serviços de nuvem continuam a implantar serviços adicionais mais especializados (e mais caros).

Os departamentos de TI também podem obter benefícios inesperados ou não planejados da nuvem, como mais segurança do que se havia previsto ou o fato de que o verdadeiro valor da nuvem está em sua agilidade, e não em economias de custo; eles podem até descobrir que a nuvem os está ajudando a atender melhor às necessidades dos negócios que não se referem a esse aspecto em suas organizações. Esses insights devem ser reservados para referência futura e aproveitados quando chegar a hora de considerar a migração de outras cargas de trabalho para a nuvem.

Para Dada, depois que os departamentos de TI estão integrados e instalados confortavelmente na nuvem, eles muitas vezes supõem que não precisam mais se preocupar com a previsão da capacidade do datacenter ou pensar em gerenciamento de infraestrutura. Em vez disso, eles podem se concentrar nos aplicativos e nas cargas de trabalho atuais para tornar a execução deles na nuvem mais eficiente.

O especialista aponta ainda que a migração de cargas de trabalho para o que equivale à infraestrutura de um terceiro não significa que os profissionais de TI podem lavar as mãos no que se refere à supervisão tradicional e abandonar suas responsabilidades. Os profissionais de TI ainda precisam planejar e se preparar para incidentes, como a possibilidade de tempo de inatividade de rede ou uma violação de dados. Os aplicativos (mesmo na nuvem) precisam de monitoramento ativo e planejamento da arquitetura para se prepararem de forma adequada para as necessidades do futuro.

O vice-presidente da Solar Winds reforça que o monitoramento deve ser um requisito para todos os departamentos de TI, quer operem no local, quer na nuvem, ou o que é mais provável, em ambos. Seja qual for o local, para que qualquer aplicativo seja bem-sucedido, os profissionais de TI precisam compreender o perfil de desempenho e consumo do aplicativo e como ele será afetado por mudanças, como a migração para a nuvem. Colocar um aplicativo em cloud não significa economia de dinheiro.

Os departamentos de TI também precisam saber quais recursos o aplicativo está usando e quais são seus requisitos de negócios. Mesmo que a organização pretenda migrar uma certa carga de trabalho ou aplicativo para seu provedor de serviços de nuvem escolhido, os profissionais de TI ainda precisam saber quais recursos são necessários, pois os provedores de serviços de nuvem agora oferecem uma infinidade de serviços e cada serviço adicional aumenta o custo. Por exemplo, na migração de um simples aplicativo do Microsoft SharePoint para o Amazon Web Services (AWS) é preciso decidir entre otimizar o armazenamento ou a memória. O mesmo se aplica a desempenho versus dimensionamento.

Os departamentos de TI podem aproveitar informações da nuvem atual e das implantações de cargas de trabalho no local para se aprofundarem na nuvem com uma estratégia de migração eficaz. Para isso, os profissionais de TI devem considerar as seguintes práticas recomendadas:

Aproveitar o monitoramento de desempenho de aplicativos

Os profissionais de TI precisam conhecer seus indicadores-chave de desempenho e monitorá-los com disciplina. Uma ferramenta de monitoramento abrangente que fornece visibilidade dos sistemas no local, bem como dos que estão na nuvem deve ser implementada para ajudar a estabelecer as métricas de desempenho de linha de base que facilitam a identificação de uma carga de trabalho como pertencente à estrutura local ou à nuvem.

Conhecer os requisitos de aplicativos

Para alcançar melhor o sucesso com aplicativos que foram migrados para a nuvem, conhecer os requisitos de cada aplicativo é fundamental. Como a tecnologia de computação em nuvem continua a amadurecer, a arquitetura de um aplicativo se torna mais importante do que onde ela está hospedada. O aplicativo ainda precisará também ser continuamente monitorado, mesmo que esteja hospedado com um provedor como o AWS. Por fim, os profissionais de TI precisam ter uma compreensão fundamental de quais componentes do aplicativo precisam ser otimizados para aprimorar o desempenho, o dimensionamento, a agilidade ou a disponibilidade dependendo do provedor de serviços de nuvem com o qual estejam trabalhando.

Lembre-se de que a nuvem não é gratuita

Os departamentos de TI precisam aceitar o fato de que só porque um aplicativo está na nuvem, não significa que ele esteja economizando dinheiro ou alcançando um retorno sobre o investimento (ROI, Return on Investment) maior.

A compreensão da alocação adequada de recursos de aplicativos, motivada pelo monitoramento ajudará os departamentos de TI a alcançar o ROI mais rapidamente Por meio de uma auditoria criteriosa relativa às certificações de segurança e conformidade do provedor de nuvem, conversas com a gerência para discutir planos de crescimento futuro e foco no desenvolvimento de habilidades fundamentais, os profissionais de TI podem ajudar suas organizações a se aprofundarem na nuvem.

Criar um mapa

Com tantos fornecedores de serviço de nuvem e serviços associados já disponíveis, pode ser extremamente tentador migrar cargas de trabalho para a nuvem, não importando se isso faz sentido para os negócios ou não. Nem tudo precisa ficar na nuvem, e não há nada de errado nisso. A criação de um perfil de desempenho para todos os aplicativos e cargas de trabalho pode ajudar a tomar decisões bem-informadas. Quando um aplicativo está se preparando para ser migrado para a nuvem, os profissionais de TI precisam prestar muita atenção aos inventários de aplicativos e aos requisitos dos aplicativos para otimizá-los quando estiverem na nuvem.

Aprofundar-se na nuvem pode oferecer muitos benefícios essenciais para a organização, mas os profissionais de TI precisam ter em mente que a linha que separa as tecnologias no local e na nuvem é muito tênue, conclui Geraldo Dada. Os departamentos de TI devem continuar a tratar os aplicativos na nuvem como se eles ainda estivessem no local.

Se os profissionais de TI mantiverem o monitoramento como preocupação principal, terão uma taxa de sucesso maior na nuvem e poderão atender melhor às suas organizações. Além do monitoramento, os profissionais de TI também devem criar um mapa para a nuvem a fim de que possam garantir que alcancem o ROI desejado. Ao fazer isso, os departamentos de TI estarão preparados para otimizar aplicativos sem perder de vista os serviços pelos quais estão pagando.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.
3ª Semana da Inovação 2017
Huawei se prepara para ser fornecedor de nuvem pública do governo

Empresa planeja se tornar um dos principais fornecedores de computação em nuvem do governo brasileiro, a partir do fortalecimento de uma estrutura local.


Destaques
Destaques

STJ condena compartilhamento de dados de clientes entre os bancos

Foi mantida a condenação do HSBC. Tribunal considerou abusiva cláusula que não permite ao correntista optar se quer ou não abrir mão de seus dados.

Confaz tributa software em nuvem e streaming como Netflix

Decisão foi tomada em reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária. Regra entra em vigor a partir de março de 2018.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?

Empresas de TI ou organizações dependentes dela?

Por Paulo de Godoy*

Considerada parte do ‘guarda-chuva’ da Inteligência Artificial, a Machine Learning vem crescendo e ganhando força à medida que o volume de dados explode.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site