Home - Convergência Digital

Rede nacional exclusiva para Internet das Coisas será ativada em setembro no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 09/08/2017

A primeira rede nacional exclusiva para Internet das Coisas será ativada em setembro no Brasil pela WND Brasil, representante do grupo mundial Sigfox. A infraestrutura chega com presença nas principais capitais do país e também com forte atuação no estado do Mato Grosso e no interior de São Paulo, para atender ao agronegócio.

A rede funcionará em 902 Mhz, frequência não licenciada, com a tecnologia LPWA (que pode ser traduzido como área ampla com baixo consumo de energia), o que facilita o modelo de negócios para consolidar as aplicações de IoT. Segundo a GSMA, as redes LPWA vão trafegar, em 2022, aproximadamente 1,4 bilhão de objetos conectados.

"Não podemos enxergar IoT pensando na infraestrutura da telefonia móvel. São diferentes. A rede IoT vai cobrar por byte e não por Megabyte. O modelo de negócio é outro. É no volume. A WND Brasil investe apenas na conectividade, mas com a rede nacional vamos incentivar toda a produção de hardware e software. Tenho convicção que IoT terá um boom de fabricação local de sensores no Brasil", afirma o presidente da WND Brasil, Alexandre Silva Reis.

O modelo de negócio da rede nacional de IoT será diferente. O custo da conexão ficará em US$1/ano. "O custo da conectividade hoje no Brasil é proibitivo porque se pensa em Megabytes. IoT não precisa disso. IoT é byte. Por isso, a rede é pensada tão somente para objetos conectados", acrescenta Silva Reis. A Sigfox, parceira da WND Brasil, está fazendo a parte dela. Uma primeira ação foi a não cobrança de royalties no chip para IoT.

"Se hoje um chip LTE custa em torno de US$ 15 e há uma projeção de cair para US$ 5, o chip de IoT da Sigfox sai a US$ 2.8 e há projeção para ficar abaixo de US$ 1. Não haverá Internet das Coisas se a rentabilidade não vier do volume vendido", destaca ainda Silva Reis. O COO da WND Brasil descarta rivalidade com as operadoras de telecomunicações. Tanto que a Telefónica e a NTT DoCoMo já são parceiras.

"Nós vamos atuar na base da pirâmide da Internet das Coisas. As operadoras terão o Narrowband LTE, que é uma camada acima. Digo que somos complementares. O consumidor não quer saber se é frequência licenciada, não licenciada se é LTE ou não. Ele quer preço justo e serviço funcionando", reforça.

Brasil e México serão os primeiros países da América Latina interconectados à rede da Sigfox, com o comando do grupo WND. Aqui os investimentos estão projetados em US$ 50 milhões (R$ 150 milhões, que já começaram para a construção da infraestrutura). Toda a parte de antenas é importada e não há nesse momento planos de fabricação local. "Ainda entendo que o boom aqui será dos sensores. Vamos ter muita gente fabricando aqui para baratear ainda mais o custo. IoT pode estar em qualquer lugar", ressalta Reis.

O diretor de Negócios da WND Brasil, Eduardo Koki Ilha, diz que a opção pela faixa de 902 MHz, que é não licenciada, não implica ficar à parte da Anatel. "Todos os nossos equipamentos estão homologados e certificados pela agência reguladora", diz. A WND está construindo redes semelhantes na Colômbia e na Argentina. Ainda este ano, começa o modelo de negócios na Costa Rica, Chile, Peru, Uruguai e Paraguai. Atualmente a rede IoT da Sigfox está presente em 32 países.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

21/03/2019
Mais de 400 mil ataques DDoS por meio de IoT aconteceram no 1º trimestre

19/03/2019
Chapecó, em SC, é a primeira cidade com rede própria de IoT da Vivo

19/03/2019
BNDES elege três municípios para serem transformados, via IoT, em cidades inteligentes

18/03/2019
TIM ativa rede NB-IoT com alcance de 100 Km em Goianésia, interior de Goiás

15/03/2019
Internet das Coisas é prioridade e vai muito além da oferta de conectividade

12/03/2019
Plano Nacional de Internet das Coisas precisa sair da retranca

27/02/2019
Com cobrança do Fistel, Anatel diz que IoT não acontece no Brasil

06/02/2019
IDC: Empresas brasileiras fazem mais do que falam sobre Internet das Coisas

04/02/2019
Por defesa cibernética, governo terá requisitos para Internet das coisas

31/01/2019
Ericsson quer massificar aplicações móveis de IoT

Destaques
Destaques

Para Ericsson, 5G vai fazer acontecer, de verdade, a indústria 4.0

Presidente da fabricante para a América do Sul, Eduardo Ricotta, diz que uma operadora com 50 Mhz a 80 Mhz terá espectro para oferecer bons serviços, especialmente, o da banda larga fixa móvel. "Há cidades no Brasil, com menos de 100 mil habitantes, com conexões de 2 Mbits. O 5G vai chegar oferecendo bem mais", observa.

5G vai gerar 15 milhões de novos empregos até 2025

O ecossistema 5G está em ebulição e demandará muita mão de obra, afirma o diretor da Huawei, Carlos Roseiro. Segundo ele, vão surgir aplicações, muitas ainda inimagináveis, nos próximos seis anos. "O 5G começa hoje. A frequência virá para dar mais capacidade", observa o especialista.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site