Home - Convergência Digital

Rede nacional exclusiva para Internet das Coisas será ativada em setembro no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 09/08/2017

A primeira rede nacional exclusiva para Internet das Coisas será ativada em setembro no Brasil pela WND Brasil, representante do grupo mundial Sigfox. A infraestrutura chega com presença nas principais capitais do país e também com forte atuação no estado do Mato Grosso e no interior de São Paulo, para atender ao agronegócio.

A rede funcionará em 902 Mhz, frequência não licenciada, com a tecnologia LPWA (que pode ser traduzido como área ampla com baixo consumo de energia), o que facilita o modelo de negócios para consolidar as aplicações de IoT. Segundo a GSMA, as redes LPWA vão trafegar, em 2022, aproximadamente 1,4 bilhão de objetos conectados.

"Não podemos enxergar IoT pensando na infraestrutura da telefonia móvel. São diferentes. A rede IoT vai cobrar por byte e não por Megabyte. O modelo de negócio é outro. É no volume. A WND Brasil investe apenas na conectividade, mas com a rede nacional vamos incentivar toda a produção de hardware e software. Tenho convicção que IoT terá um boom de fabricação local de sensores no Brasil", afirma o presidente da WND Brasil, Alexandre Silva Reis.

O modelo de negócio da rede nacional de IoT será diferente. O custo da conexão ficará em US$1/ano. "O custo da conectividade hoje no Brasil é proibitivo porque se pensa em Megabytes. IoT não precisa disso. IoT é byte. Por isso, a rede é pensada tão somente para objetos conectados", acrescenta Silva Reis. A Sigfox, parceira da WND Brasil, está fazendo a parte dela. Uma primeira ação foi a não cobrança de royalties no chip para IoT.

"Se hoje um chip LTE custa em torno de US$ 15 e há uma projeção de cair para US$ 5, o chip de IoT da Sigfox sai a US$ 2.8 e há projeção para ficar abaixo de US$ 1. Não haverá Internet das Coisas se a rentabilidade não vier do volume vendido", destaca ainda Silva Reis. O COO da WND Brasil descarta rivalidade com as operadoras de telecomunicações. Tanto que a Telefónica e a NTT DoCoMo já são parceiras.

"Nós vamos atuar na base da pirâmide da Internet das Coisas. As operadoras terão o Narrowband LTE, que é uma camada acima. Digo que somos complementares. O consumidor não quer saber se é frequência licenciada, não licenciada se é LTE ou não. Ele quer preço justo e serviço funcionando", reforça.

Brasil e México serão os primeiros países da América Latina interconectados à rede da Sigfox, com o comando do grupo WND. Aqui os investimentos estão projetados em US$ 50 milhões (R$ 150 milhões, que já começaram para a construção da infraestrutura). Toda a parte de antenas é importada e não há nesse momento planos de fabricação local. "Ainda entendo que o boom aqui será dos sensores. Vamos ter muita gente fabricando aqui para baratear ainda mais o custo. IoT pode estar em qualquer lugar", ressalta Reis.

O diretor de Negócios da WND Brasil, Eduardo Koki Ilha, diz que a opção pela faixa de 902 MHz, que é não licenciada, não implica ficar à parte da Anatel. "Todos os nossos equipamentos estão homologados e certificados pela agência reguladora", diz. A WND está construindo redes semelhantes na Colômbia e na Argentina. Ainda este ano, começa o modelo de negócios na Costa Rica, Chile, Peru, Uruguai e Paraguai. Atualmente a rede IoT da Sigfox está presente em 32 países.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

29/11/2017
Governo retoma piloto de IoT com chips para coleta de dados

24/11/2017
Atenta à Internet das coisas, Anatel quer mudar certificação de equipamentos

21/11/2017
Uber faz acordo com Volvo para comprar 24 mil carros autônomos

20/10/2017
Operadoras vão à Fazenda e pedem tarifa zero de imposto para Internet das Coisas

04/10/2017
Plano Nacional de Internet das Coisas vai gerar R$ 135 bilhões ao Brasil

04/10/2017
Grupo Algar: mercado de Internet das Coisas vai se autorregulamentar

04/10/2017
Viabilizar negócios em Internet das Coisas é o desafio de agora

03/10/2017
Mercado pede ‘carência regulatória’ para Internet das Coisas

03/10/2017
Plano prevê até 10 ‘unicórnios’ brasileiros para Internet das Coisas

22/09/2017
Governo: Internet das Coisas não acontecerá sem Telecomunicações no Brasil

Destaques
Destaques

Teles projetam 100 milhões de 4G até o fim de 2017

Em outubro, a conta é de que já existiam 95 milhões de acessos em 4G, contra 92 milhões de 3G. Expectativa é de que o LTE represente 80% dos acessos em 2018.

Migração total do 2G exige smartphones mais baratos

Para o Sinditelebrasil, preço dos aparelhos é barreira para os 36 milhões de usuários que ainda têm acessos GSM. Acessos 4G superaram os 3G em outubro.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Teles Tradicionais X Especializadas: o dilema para a IoT

Por Fábio Trindade

M2M e a Internet das Coisas são elementos centrais no debate das novas tecnologias que formarão o futuro em torno da 5G e continuarão em crescimento vertiginoso.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site