INTERNET

Integrantes do CGI.br reclamam de falta de diálogo e reagem à ação do governo

Luís Osvaldo Grossmann ... 09/08/2017 ... Convergência Digital

A decisão do Governo de abri, sem avisar, uma consulta pública para decidir novos rumos para o Comitê Gestor da Internet desagradou e criou mal estar. Para integrantes recém-eleitos para os novos mandatos do CGI.br, movimento revela a pressão de um viés mais pró-mercado em temas como a neutralidade de rede e negócios na internet. 

“O governo consultar a sociedade é sempre algo positivo, salutar.  Existem, contudo, muitas formas de fazê-lo. Ao decidir lançar uma consulta pública dessa relevância sem antes discutir o assunto com o próprio CGI.br, que se reúne no próximo dia18, o governo sinaliza um açodamento na condução do processo, cujo cronograma sequer é conhecido”, lembra o conselheiro Thiago Tavares, um dos eleitos pelo Terceiro Setor. 

“O tema é recorrente. E tem méritos, como discutir se faz sentido uma cadeira no CGI.br para o setor de conteúdo, desde que não se confunda com propriedade intelectual. A surpresa foi pela forma, porque foi indicado que haveria uma discussão antes na reunião do dia 18, a primeira dos recém eleitos. Ali poderíamos afinar melhor certos temas, como a mistura que entendo ruim com atribuições operacionais do NIC.br. Coisas que poderiam ter sido melhor tratadas”, emenda Henrique Faulhaber, conselheiro eleito pelo segmento empresarial. 

Para Flávia Lefèvre, também eleita pelo Terceiro Setor para o Comitê Gestor da Internet, a manobra mira em interpretações que deixem a Lei 12.965/14, o Marco Civil da Internet, mais próxima do que desejam provedores de conexão e de conteúdo na rede. 

“A atual coordenação do CGI.br, no governo Temer, já vem defendendo mudanças na neutralidade de rede e na exigência de consentimento na internet, pontos que o MCTIC defende em sua ‘Estratégia Digital’. Mas com a atual composição do Comitê isso não tem como avançar. Então mudar o CGI.br é um passo para mudar o Marco Civil da Internet”, avalia. “Ninguém é contra fazer revisão. O Decreto é de 2003 e de lá para cá há coisas que podem ser revistas. Difícil é fazer isso em uma atitude unilateral do governo.”

A Coalizão Direitos na Rede, que reúne pelo menos 27 entidades como ITS, FGV, Proteste, Idec e Intervozes, publicou uma nota de repúdio na qual pede o cancelamento da consulta pública, aberta na terça, 8/8. Segundo a entidade, o coordenador do CGI.br e Secretário de Políticas de Informática do MCTIC, Max Martinhão, indicou por email aos conselheiros que o tema seria tratado na primeira reunião pós-eleições, no próximo 18/8, sem avisar que a consulta já seria aberta. 

“Martinhão e outros integrantes da gestão Kassab/Temer também têm defendido publicamente que sejam revistas conquistas obtidas no Marco Civil da Internet, propondo a flexibilização da neutralidade de rede e criticando a necessidade de consentimento dos usuários para o tratamento de seus dados pessoais. Neste contexto, a composição multissetorial do CGI.br tem sido fundamental para a defesa dos postulados do MCI e de princípios basilares para a garantia de uma internet livre, aberta e plural”, diz carta da Coalizão.


Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

A DAZN inicia oferta comercial em março do ano que vem e terá exclusividade da Copa Sul-Americana de 2019. Modelo de negócio é por curto prazo e por partida transmitida. Empresa, especializada em esportes, tem atuação na Europa, EUA e Ásia

Associação de OTT quer Autoridade de Dados tratada na transição do governo Bolsonaro

Associação Brasileira de OTT diz que a criação da autoridade poderá ficar prejudicada após a intensa mudança de quadros no Executivo e Legislativo o que poderá prejudicar a aplicação efetiva da Lei de Dados Pessoais em 2020.

Só 27% dos que usam smartphones se sentem no controle dos dados pessoais

Pesquisa em 10 países, inclusive no Brasil, aponta que os sucessivos casos de vazamentos e novas leis de proteção da privacidade despertaram a preocupação com dados pessoais e 76% tentam protegê-los.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G