Home - Convergência Digital

Teles ainda não têm a melhor rota para atuarem em IoT

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula |Lobo* - 11/08/2017

Um estudo feito pela TeleSemana e pelo Teleco, a pedido da Amdocs, buscou compreender o papel das operadoras no ecossistema brasileiro de Internet das Coisas (IoT). O relatório apura que 29% dos entrevistados acredita que as Smart Cities são o segmento com o maior potencial de crescimento no país. Em segundo lugar aparece o agronegócio inteligente, com 23% das respostas.

Para quase 30% dos entrevistados, o papel das operadoras será atuar como plataforma neste mercado. Na verdade, a maioria delas já atua dessa maneira e o grande desafio será se concentrar em uma determinada indústria/vertical. "Muitas operadoras ainda estão focadas em compreender e analisar as oportunidades de crescimento e, neste momento, não há rota correta a seguir", diz Renato Osato, VP e CBE da Amdocs para as regiões América Latina e Caribe.

De acordo com o executivo, como a Internet das Coisas possui muitos ângulos -novos processos, tipos de tecnologia, protocolos, etc.) desde a fabricação de chips até monitoramento e infraestrutura - as operadoras ainda não estão 100% preparadas para participar de todas essas etapas.

No estudo, quando perguntados sobre os segmentos com maior potencial para um envolvimento mais ativo das operadoras, as Smart Cities também foram as mencionadas com mais frequência, chegando a 45% das respostas. Para Eduardo Tude, presidente da Teleco, isso se deve ao interesse em investir e desenvolver soluções IoT para a sociedade como um todo.

"Nós não só desenvolveremos soluções para o usuário final, mas também soluções focadas em melhorias para a cidade", diz o executivo.Um ponto é considerado preocupante: a segurança. Isso porque quase 79% dos entrevistados acreditam que as redes das operadoras ainda não estão preparadas para atender aos requisitos de segurança da IoT.

A pesquisa conclui que as soluções para o IoT têm amplas possibilidades e envolvem vários players no mercado. Neste momento, as operadoras estão buscando um plano de ação que vá além da conectividade neste ecossistema e que as permita se desenvolver como uma plataforma, para isso, a criação de uma rede de parceiros parece ser a fórmula que melhor permite que as operadoras ocupem um lugar de privilégio na cadeia de valores da Internet das Coisas.

O levantamento ouviu mais de 2000 entrevistados do mercado de telecomunicações, como executivos, consultores, entidades públicas e analistas de mercado. Para acessar a pesquisa complete, acesse o link: http://solutions.amdocs.com/iot-ecosystem-survey-pt.html?utm_source=Media-alert&utm_medium=PR&utm_campaign=IoT-survey

* Com informação da Amdocs



 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/07/2018
Para Associação de Internet das Coisas, Lei de Dados Pessoais termina com a 'terra sem lei' no Brasil

12/07/2018
Avança projeto que isenta Internet das Coisas do pagamento de Fistel

29/06/2018
Governo cria incentivo específico para fabricação de IoT no Brasil

19/06/2018
FINEP lança ação de fomento de R$ 1,5 bilhão para financiar programas de IoT

19/06/2018
TIM ativa rede comercial de Internet das Coisas em 700 Mhz

18/06/2018
Gastos globais com internet das coisas crescerão acima dos 13% até 2022

14/06/2018
BNDES lança chamada de R$ 20 milhões para projetos de IoT

24/05/2018
Proposta da Anatel reduz alíquota do Fistel a zero e amplia uso do Fust

24/05/2018
BNDES anuncia três linhas para financiar internet das coisas

24/05/2018
Plano prevê moratória tributária de 10 anos para IoT

Destaques
Destaques

Brasil ativa 72 novos celulares 4G por minuto em maio

No quinto mês do ano, 3,2 milhões de novos chips 4G entraram em operação, somando um total de 116 milhões de acessos ativos. Ao levar em conta os acessos fixos e móveis, o País soma 237 milhões de acessos ativos.

4G estará em dois terços dos acessos da América Latina até 2022

Projeções da GlobalData são de que as operadoras ainda buscam o retorno dessa tecnologia e que as primeiras ofertas de 5G só chegarão em 2021.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA vai virar a economia de "cabeça para baixo" como um tsunami!

Por: Eduardo Prado *

O impacto só não vai ser mais ser mais rápido nas economias dos países por causa da falta de mão de obra de Inteligência Artificial por conta da carência de especialistas como cientistas de dados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site