Convergência Digital - Home

A10Networks adota o modelo do hardware como serviço

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 30/08/2017

A A10 Networks trouxe para o Brasil o modelo do 'pagou, usou' para a aquisição de suas soluções de hardware e software para infraestrutura de rede, revela a diretora de canais para a América Latina, Bruna Wells. A executiva revela que também foi fechada parcerias com as provedoras de cloud - Amazon e Microsoft Azzure - para consolidar a iniciativa.

"Só vendemos por meio de canal. O cliente quer essa facilidade. Temos os data centers e os provedores Internet, este ano, em função da migração para o IPv.6, como grandes verticais no país", pontua Bruna Wells. A executiva admite que a comercialização é nova e que foram necessárias adaptações da própria fabricante. "Estamos em treinamento do nosso canal. Mas esse é o modelo da transformação digital", acrescenta.

2017 não está sendo um ano fácil, mas para a A10 Networks os provedores Internet têm sido responsáveis por boa parte dos negócios, e hoje, já representam quase 30% da receita da companhia. "As operadoras ainda são o grande mercado", reforça Bruna Wells. Com um índice de migração do IPv.4 - já esgotado na América Latina - para o IPv.6 entre 18%, segundo dados do NIC.br, ou 20%, de acordo com o Google, a Unifique, operadora catarinense de telecomunicações e Provedora de Serviços de Internet (ISP) com atendimento em mais de 100 cidades, adotou a plataforma Thunder CGN 3030 da fabricante A10 Networks com objetivo de ganhar escalabilidade e adaptar sua infraestrutura para o novo protocolo da Internet.

Sediada em Timbó (SC), a Unifique possui, hoje, uma rede com mais de cinco mil quilômetros de fibra óptica, três data center próprios, mais de 600 funcionários diretos e atendimento físico em 21 unidades. "Tivemos que agir rápido para não parar a expansão da Unifique e precisávamos acabar com nossos problemas de esgotamento de IPs", revela Jorge Scoz Junior, gerente de Redes da Unifique.

A solução escolhida é a série A10 Thunder CGN da A10 Networks para o cenário enfrentado pela Unifique e outros provedores de serviços de internet. Com a capacidade de estender a conectividade por meio de Carrier Grade Network Address Translation (CGNAT) ou Large Scale NAT, é possível criar uma nova camada de “tradução” de endereço em grande escala e a partir de um IPv4 público, atribuir endereços privados aos clientes da Unifique.

Além disso, o equipamento ajuda ISP’s na transição gradual e simultânea para o IPv6. A A10 Network já está preparada para este cenário desde 2010, trazendo ao Brasil a experiência similar ocorrida em 2011 na Ásia, quando se esgotaram os protocolos IPv4.

Os Thunder CGN 3030 instalados atendem picos de mais de 60 mil usuários, que geram tráfego superior a 30GB por segundo. “A solução da A10 Networks funciona sem paradas há cerca de um ano. Não temos problemas e ficamos seguros de oferecer aos nossos usuários a melhor tecnologia de CGN do mercado”, complementa Scoz, que ainda planeja expandir suas aquisições em tecnologia com o sistema de proteção de DDoS da A10 Networks.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Quase metade das empresas brasileiras não virtualizou storage, backup e proteção de dados

É inevitável mexer no sistema legado atual para acelerar a jornada para a transformação digital, revela levantamento da IDC Brasil, contratado pela Dell.

Cloud pública e multicloud entram no orçamento das empresas no Brasil

Mercado de nuvem pública tem receita projetada em R$ 5,5 bilhões ainda este ano.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site