Home - Convergência Digital

Inatel mostra primeiro 5G com tecnologia brasileira

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 31/08/2017

Fruto de três anos de pesquisas e R$ 20 milhões em incentivos do Funttel ( Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações), foi apresentado nesta quinta, 31/8, em Brasília, o primeiro transmissor e receptor 5G com tecnologia totalmente brasileira. O equipamento foi desenvolvido pelo Instituto Nacional de Telecomunicações, de Minas Gerais, e promete velocidades altas, latência baixa e alcance longo, para levar “internet a qualquer lugar”. 

“Não é razoável que tenhamos que conviver com serviços de rede móvel celular que ainda tenham restrição de acesso às pessoas que vivem em locais mais afastados”, afirmou o diretor do Inatel Marcelo Marques, para quem “o 5G será capaz de romper as fronteiras do acesso, levando internet a qualquer lugar”. 

Segundo Marques, o processo permitiu ao Brasil já fazer parte das discussões internacionais de padronização das tecnologias classificadas com o 5G – e o próprio equipamento ser premiado internacionalmente como a solução mais flexível da quinta geração. 

“O país fica pela primeira vez em posição de contribuir tecnologicamente para um padrão mundial de serviço móvel pessoal. E toda uma nova cadeia produtiva, de hardware e software se desenvolverá para atender uma nova gama de possibilidades que surgirão com o 5G”, emendou o diretor do Inatel.

Para o governo, esse é um resultado tão visível quando a transmissão em alta velocidade demonstrada no auditório do MCTIC nesta quinta. “O mais importante é que o país obteve assento nos foros internacionais onde está sendo discutido o padrão do 5G. Estamos capacitados a discutir em pé de igualdade com outras nações como será o 5G”, destacou o secretário de telecomunicações substituto, Atila Souto. 

Com os incentivos à pesquisa, a meta específica é desenvolver tecnologia capaz de ampliar significativamente a cobertura, com vistas à internet universalizada. “É um projeto pensado para fazer cobertura em áreas remotas. O Centro de Referência em Radiocomunicações do Inatel foi pensado nesse conceito, de resolver problemas de comunicação em áreas remotas e periféricas do Brasil. Isso fazemos hoje, uma tecnologia que leva a 20 Mbps e que pode chegar a 1 Gbps”, completou o secretário de Políticas de Informática, Maximiliano Martinhão.

Como explica o Inatel, “a proposta consiste em adicionar um novo modelo de operação às redes 5G, que permita a oferta de acesso à internet em localidades remotas com qualidade e um custo acessível. Para isso, o Inatel desenvolveu um transceptor MIMO-GFDM Flexível, único no mundo. Com a rede 5G espera-se aumentar o raio de cobertura, que atualmente é de 5 km à 10 km, para 50 km, com banda larga de qualidade até o limite da célula”.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

27/05/2020
Cisco: 'Sempre estivemos e estamos no jogo do 5G"

27/05/2020
Coronavírus atrasa entrega de telefones 5G e impacta venda global de celulares

22/05/2020
Anatel: Parabólicas comprometem porta de entrada do 5G no Brasil

21/05/2020
Anatel confirma que filtros não resolvem interferência do 5G nas parabólicas

14/05/2020
Ericsson: Compartilhamento de espectro permite 5G às teles antes do leilão

12/05/2020
Pioneira no 5G, Coreia do Sul projeta redes standalone até o fim de 2020

11/05/2020
Ericsson: Covid-19 aumentou a demanda por 5G

08/05/2020
Anatel já sinaliza que Covid-19 vai adiar leilão do 5G para 2021

08/05/2020
Interferência nas parabólicas pode reduzir espectro para 5G

06/05/2020
Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

Destaques
Destaques

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

TIM e Claro se posicionam claramente contra a realização do leilão ainda em 2020. A Vivo se mostra mais cautelosa, mas admite que está tudo muito nebuloso por conta da economia e da pandemia de Covid-19. Todas asseguram que o momento ainda é de muito investimento no 4G e no 4,5G.

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Para além da guerra da saúde pública, não adiem o leilão do 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

O setor de telecomunicações tem suportado a sobrecarga derivada da pandemia de Covid-19. Mas, reforcem essas redes com tecnologia mais avançada para prover serviços de baixa latência. Dessa forma, não se postergue o leilão das redes ditas de quinta geração (5G) e atenção à segurança cibernética.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site