Home - Convergência Digital

Classes C, D e E endossam o uso da banda larga móvel no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Por Roberta Prescott - 05/09/2017

O acesso pelo celular, muito em função do aumento do 3G e 4G,  está se consolidando como meio de uso da internet no Brasil, segundo apontou a 12ª edição da pesquisa TIC Domicílios, divulgada nesta terça-feira (05/09) pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

O crescimento da cobertura 3G e 4G no Brasil refletiu na quantidade de acessos à internet por meio banda larga móvel. Em 2016, 9,3 milhões dos domicílios usavam 3G ou 4G para navegar na internet, enquanto 23,4 milhões acessavam por meio da banda larga fixa. Na comparação com 2015, os números mostram que estabilizou a quantidade de conexões fixas (eram 23,2 milhões) e subiram as móveis, que somavam 7,5 milhões em 2015.

“Percebemos uma queda da proporção da banda larga fixa, mas isto não significa que este tipo de conexão caiu e sim que o crescimento se deu na móvel”, explicou Winston Oyadomari, coordenador da pesquisa TIC Domicílios, durante coletiva de imprensa, ressaltando que a pesquisa aponta estabilidade no total de domicílios com banda larga fixa. Em proporção, os acessos fixos passaram de 68% em 2015 para 64% em 2016, enquanto os móveis aumentaram de 22% para 25%.

Em 2016, a pesquisa também confirmou uma tendência que já vinha se consolidando: ficou mais comum domicílio com internet, mas sem computador pessoal. A metade (51%) dos usuários de internet afirmou usar a rede tanto pelo computador quanto pelo celular, enquanto 43% disseram usar apenas o celular e 6% apenas pelo computador. A desigualdade no acesso à internet, evidenciada pela pesquisa (leia matéria anterior), também está presente nos dispositivos de acesso.

Nas classes mais abastadas, a navegação é feita por celulares e PCs, já nas classes C, D e E há predominância de apenas o celular, o que, na opinião dos especialistas do Cetic.br, restringe as possibilidades de uso. “Nas classes menos favorecidas, o uso é praticamente exclusivo pelo celular. O dispositivo é relevante para inclusão digital, mas restringe usos mais sofisticados como a geração de conteúdo e programação”, destacou Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

Os entrevistados para TIC Domicílios 2016 também apontaram que valor é o principal motivo para não terem acesso à internet. No Brasil, 36,7 milhões de domicílios são conectados.  De abrangência geográfica nacional, a pesquisa TIC Domicílios tem por objetivo geral medir o acesso e os usos da população em relação às tecnologias de informação e comunicação.

O público-alvo consiste em domicílios brasileiros e cidadãos com dez anos ou mais. Os dados foram coletados entre novembro de 2016 e junho de 2017 em um total de 23.721 entrevistas domiciliares realizadas face a face a partir de questionário estruturado foram feitas em 350 municípios.  Confira a íntegra da pesquisa aqui

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/09/2018
Serviços IP já são 50% da nova receita de negócios da Eletronet

11/09/2018
China Unicom começa a operar no Brasil por meio de cabo submarino

06/09/2018
América Latina restringe espectro e fica longe da meta da UIT

29/08/2018
Conexões em fibra óptica são 8 de cada 10 novos acessos em banda larga

22/08/2018
MCTIC, Anatel e operadoras fazem força-tarefa por mais antenas no Brasil

21/08/2018
Restrições à infraestrutura de telecom são tema de workshop na FIESP

08/08/2018
Claro fica à frente de Vivo, TIM e Oi na velocidade de banda larga móvel

31/07/2018
Banda larga cresce puxada por fibra óptica e pequenos provedores

24/07/2018
Banda larga móvel: América Latina cobra até três vezes mais pelo espectro

24/07/2018
Celular passa a ser o principal meio de acesso à Internet no Brasil

Destaques
Destaques

4G: Belo Horizonte tem melhor cobertura, Porto Alegre maior velocidade

Estudo da OpenSignal indica que nas 14 maiores cidades brasileiras o sinal de LTE está disponível pelo menos 73% do tempo, acima dos 66% da média nacional.

América Latina restringe espectro e fica longe da meta da UIT

Até setembro, de acordo com a 5G Americas, foram concedidos, em média, na região, 363,8 MHz de espectro para a oferta de serviços móveis na América Latina.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site