GOVERNO

Dataprev se candidata a ser fornecedora de serviços digitais para Governo

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/09/2017 ... Convergência Digital

A Dataprev quer que o governo adote como solução geral a plataforma de identificação e autenticação de cidadãos desenvolvida pela estatal para acesso a serviços públicos pela internet. O argumento é de que a plataforma já está rodando e seria cedida sem custos. 

“Temos uma plataforma já em execução capaz de suportar o projeto de autenticação do governo. Está pronta, tem um roadmap de evolução, e precisa de patrocínio. A gente gostaria muito que eles adotassem para ser a plataforma Brasil Cidadão”, diz o gerente de conta de novos negócios da Dataprev, Edmar dos Santos Ferreira Jr. 

Trata-se justamente do projeto de oferecer serviços público pela internet, a partir de um portal centralizado, com aplicações móveis e oferta de serviços em nuvem. O Ministério do Planejamento, porém, já começou a adquirir componentes dessa plataforma, especialmente em um pregão para a “solução tecnológica que digitalize os serviços”, vencida pela empresa Lecom Tecnologia, por R$ 14,5 milhões em pregão realizado em maio deste 2017.

Uma segunda compra, de plataforma como serviço – nuvem para órgãos públicos – está em andamento. Ela envolve a entrega de solução de virtualização, central de atendimento a usuário e sistemas de gerenciamento de controle de acesso e identidade, algo que a Dataprev sustenta já existir na prática com o ‘Cidadão BR’, que funciona em aplicações efetivas como o ‘Sine Fácil’, para ofertas de emprego pelo celular, ou INSS Digital. 

“Já são mais de 2,5 milhões de cidadãos cadastrados. E é um sistema de autenticação escalonada em níveis, desde o autocadastro, que já serve para determinadas aplicações, até identificações mais seguras, como cruzamento de CNIS, por exemplo. Níveis que atendem a diferentes graus a depender do serviço”, diz Flávio Sampaio, também da Superintendência de Relacionamento com Clientes da Dataprev. 

Segundo ele, outra vantagem dessa plataforma é contar com rede física para identificações presenciais. “Temos operando os sistemas a rede do INSS, com 1,5 mil postos, a rede do Ministério do Trabalho, com 2 mil postos. Além dessa capilaridade imensa da rede pública tem a rede bancária, os bancos parceiros dos pagamentos de benefícios”, completa Sampaio. 

A próxima etapa de desenvolvimento prevê sistemas de reconhecimento facial, a começar por fotografias. “Queremos ter isso até abril de 2018. Estamos buscando parceiros, a gente não vai desenvolver um algoritmo de reconhecimento, vamos buscar no mercado. Fizemos até aqui uma experiência com a Google. Já embarco documento com a foto, identifico se é original ou não, e faz a autenticação, um ‘cara-crachá’, digo qual o percentual de semelhança daquela foto com a foto da base de dados”, explica Edmar Ferreira Jr.  Ainda para o ano que vem essa plataforma terá possibilidade de identificação inicial, aquelas com autocadastro, associada a contas de redes sociais escolhidas pelos cidadãos. 


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.

Anac autoriza Secretaria de Patrimônio da União usar drones para fiscalização

Licitação para a compra de equipamentos pelo governo deverá acontecer a partir do final de maio. Drones vão ser usados para fiscalizar uso irregular de áreas de praia, margens de rios, terrenos de marinha e espelhos d'água, dentre outros bens públicos de propriedade da União.

CDES quer prioridade para proteção de dados e transformação digital

O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) recomendou ao governo que garanta dotação orçamentária adequada e mecanismos de acompanhamento da digitalização do setor público.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G