Convergência Digital - Home

Depois do Serpro, Dataprev também vai abandonar o Expresso

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 11/09/2017

Co-responsável no governo federal pela implantação das contas de correio eletrônico “seguro”, a Dataprev também vai abandonar o Expresso. Segundo a estatal, com a descontinuidade do desenvolvimento do email pelo Serpro, vai partir para múltiplas ofertas. 

“Começamos a prospectar várias soluções. Queremos nos posicionar no mercado como provedor de nuvem. A ideia é ter um cardápio diversificado e quem escolhe é o cliente. Tem mercado para Zimbra, Outlook Web Access, várias soluções”, diz o superintendente de operações da Dataprev, Helton Moreira. 

No projeto de se tornar o grande provedor de ‘nuvem’ ao governo federal, a estatal deverá dedicar o datacenter de Brasília principalmente a esta finalidade. Enquanto isso, mantém-se em processo de certificação internacional dos três centros – no Rio de Janeiro e São Paulo, além do instalado na capital. 

Está em passo avançado na certificação Tier III do Uptime Institute e em dois anos terá o carimbo de ‘TI verde”. “Só os datacenters do Itaú e da Telefônica são Tier III no nível máximo, de operação, no Brasil. E também seremos o primeiro órgão público com TI Verde”, afirma Moreira. 

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

LEIA TAMBÉM:

Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.
3ª Semana da Inovação 2017
Investimentos mundiais em nuvens públicas vão chegar a US$ 266 bilhões em 2021

No Brasil, o mercado de computação cresce cerca de 50% e já representa R$ 2,25 bilhões.


Destaques
Destaques

Dataprev e Serpro vão prestar serviço pela nuvem pública

Objetivo é atender de forma unificada demandas distintas dos órgãos públicos. Empresas vão integrar orquestradores e planejam contratar serviços da Amazon, Google e Azure.

Mercado de computação em nuvem foi de R$ 2,25 bilhões no Brasil

Estudo da ABES mostra que o segmento registrou uma expansão de 47,4% em 2016, tendo como base os dois principais serviços - Software como Serviço (SaaS) e PaaS (plataforma como Serviço). O segmento de análise de dados faturou US$ 809 milhões



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Empresas de TI ou organizações dependentes dela?

Por Paulo de Godoy*

Considerada parte do ‘guarda-chuva’ da Inteligência Artificial, a Machine Learning vem crescendo e ganhando força à medida que o volume de dados explode.

Criando uma arquitetura analítica para o futuro

Por Stephen Rigo*

O custo de não ter a arquitetura analítica adequada é alto, já que esse fator pode gerar problemas de incompatibilidade, governança, segurança, falta de acordos de nível de serviço, escalabilidade e problemas de extensibilidade.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site