INTERNET

Teles propõem uma reformulação geral no modelo de votação do Comitê Gestor

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/09/2017 ... Convergência Digital

As principais empresas de telecomunicações do Brasil, também as principais fornecedoras de conexões à internet no país, propõem uma forte reformulação na composição do CGI.br. Na consulta sobre o tema aberta pelo governo, a sugestão concentra o peso dos votos em apenas três grupos, sendo as próprias operadoras um deles, além de governo e Terceiro Setor.  

 “Claramente há necessidade de mudanças. Essas mudanças devem ser no sentido de que sejam representados, de forma equilibrada, os setores que são os atuais atores da internet brasileira”, sustenta a sugestão, subscrita separadamente pela Oi, Telefônica, Algar e pelo sindicato nacional do setor, Sinditelebrasil. “Equilibrada”, no caso, significa quatro cadeiras para as empresas, cinco para o governo e outras quatro, direcionadas para o Terceiro Setor. 

As vagas das empresas seriam para telecom, provedores de conteúdo, prestadores de serviço e setores tradicionais. As cinco vagas do governo seriam para MCTIC (duas), Justiça, Itamaraty e Anatel. Já as quatro do Terceiro Setor iriam para entidades que representem usuários, defesa de direitos civis, educação e telecomunicações. 

Outras quatro vagas seriam destinadas à comunidade acadêmica, mas apenas para fazer observações. Esse grupo, a ser formado pelo representante de notório saber e por especialistas em roteamento e endereçamento IP, segurança de redes e sistemas DNS, não teria direito a voto. 

A mudança mais substancial da proposta é na concentração dos votos nesses grupos. Ou seja, ‘empresas’, ‘governo’ e ‘Terceiro Setor’ reuniriam um total de três votos, um único para cada grupo. Na prática, transforma o que atualmente é minoria nas votações em majoritário, com os votos do MCTIC e das teles sendo capazes de formar maioria absoluta. 

Claro

Além dessas mudanças, vale mencionar uma proposta à parte apresentada pela Claro (América Móvil). Ela mantém um total de 21 assentos no CGI.br, sendo que dos 9 votos do governo, dois seriam reservados ao MCTIC e outros dois à Anatel, sendo os demais da Casa Civil, Justiça, Defesa, Indústria, Relações Exteriores. 

Cresce, porém, a participação das empresas. Hoje, são quatro votos para o setor empresarial como um todo, quatro para sociedade civil e quatro para comunidade científica. A proposta separa em quatro grupos, com três votos cada: empresas de infra & telecom; empresas usuárias; sociedade civil e academia. 


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G