Home - Convergência Digital

Jovem brasileiro quer inovação, mas também quer carteira de trabalho

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 18/09/2017

Uma pesquisa feita com jovens brasileiros entre 18 e 32 anos mostra que 48% deles acreditam que o emprego ideal está em empresa de Tecnologia. Outros 49% acreditam que oi melhor emprego é o negócio próprio. O levantamento aponta também que 37% dos jovens ainda querem construir carreira em grandes corporações - 37%. A Google aparece como a empresa dos sonhos para se trabalhar perante 31% dos entrevistados, seguido da Apple e Microsoft (empatados com 3%), Netflix e Facebook (1%). O estudo foi feito pelo Centro de Inteligência Padrão, do Grupo Padrão.

O executivo responsável pelo estudo, Roberto Meir, explica que o interesse desses brasileiros de 18 a 32 anos, considerados da geração Millennial, por empresas de tecnologia, se deve ao fato de essas companhias conseguirem engajá-los. “Elas conectam os jovens com a sua história, contam fatos verdadeiros sobre como o criador da companhia superou dificuldades, por exemplo, e os jovens brasileiros se inspiram em saber da trajetória de empreendedores que também foram jovens e conseguiram construir negócios importantes. Quando enxergam verdade, eles trabalham de corpo e alma dentro das empresas”, diz.

A pesquisa também aponta que, entre os que estão empregados, a modalidade CLT ainda é maioria 29%. Entre toda a amostra, 54% dos entrevistados se consideram satisfeitos e muito satisfeitos com o trabalho atualmente. E 60% são contra a reforma trabalhista. Segundo Meir, o mercado brasileiro precisa olhar mais para os profissionais jovens para não perdermos talentos para outros países. "Se não tiver essa mão de obra mais para usar em favor do país, vamos começar a perder talentos, a exportar uma geração brilhante", ressalta.

Para os que estão em busca de uma oportunidade, a pesquisa revelou que as fontes prioritárias são os contatos pessoais (58%), sites de busca de emprego (56%) e as redes sociais (51%). Quanto aos critérios e às exigências para estar no mercado de trabalho, a maioria se mostrou flexível: 68% dos jovens concordam em aceitar empregos que paguem menos; 82% avaliam como possíveis as oportunidades que estejam fora de sua área de formação; 60% consideram uma outra cidade como local de trabalho, e 45% se dizem dispostos a trabalhar mais que 40 horas semanais.

Para os Millennials, que se consideram ambiciosos, trabalhadores e estudiosos, o papel das empresas é questionado: 76% discordam que as empresas atuam de forma ética; 75% discordam que estão comprometidas a melhorar a sociedade, e 71% discordam que há respeito aos funcionários. Já 63% dos Millennials concordam que existe falta de espaço para quem não tem experiência, porém reconhecem possibilidades de crescimento dentro das corporações e valorização dos jovens profissionais, com 45% e 39% de concordância.

Sobre o ambiente de trabalho, os respondentes indicaram como aspectos mais importantes o incentivo à geração de novas ideias e melhorias (54%); a comunicação aberta e transparente, (47%), e o compromisso com igualdade e inclusão (44%), frente a quesitos como horários e performance monitorados (8%), forte hierarquia e importância de cargos (7%) e tempo reduzido para aprendizado (3%).

O resultado faz parte da pesquisa inédita “Millennials e a Geração Nem Nem”, realizada pelo Centro de Inteligência Padrão (CIP), em parceria com a empresa de pesquisa digital MindMiners, que levantou aspectos como carreira, valores profissionais, emprego dos sonhos - moradia, renda e despesas - prioridades de consumo e entendimento de conceitos como economia compartilhada por parte dos jovens.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

21/03/2019
Jovens entre 18 e 24 anos são os mais vulneráveis à demissão

18/03/2019
Você sabe como dizer não a uma oferta de emprego?

14/03/2019
Oi tem vagas em sete estados para pessoas com deficiência

12/03/2019
Prodemge faz concurso para contratar diretor técnico para TI

21/02/2019
Procura por desenvolvedores de APIs quadruplicou em 2018

05/02/2019
Wappa tem 10 vagas para Tecnologia

31/01/2019
Quero demitir o meu CIO. Mas como fazer sem risco?

23/01/2019
Fintech abre 150 vagas para profissionais de TI

14/01/2019
Analista de BI supera cientista de dados e desenvolvedores em reajuste salarial

08/01/2019
Empresa de ERP inicia ano com 140 vagas abertas em todo o Brasil

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

STF anula decisão do TST e reforça valor legal da terceirização

Decisão aconteceu em uma ação de uma atendente contratada pela Contax, prestadora de serviços de call center, para atuar como terceirizada na Telemar Norte Leste.

Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

Estudo da Brands2Life, com o LinkedIn, traz um dado assustador: 80% dos brasileiros não se candidata para a vaga de trabalho que gostaria. Cerca de um terço dos profissionais deixa de se candidatar a uma nova vaga por falta de confiança na sua própria capacidade.

Serviços de TI e de Telecom podem ser 100% terceirizados no Governo Federal

Também foi incluída na lista divulgada pelo governo Federal o serviço de teleatendimento. Decisão está publicada na portaria 443/2018.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site