OPINIÃO

Coisas conectadas: a tecnologia a favor da produtividade

Por Ailtom Nascimento*
25/09/2017 ... Convergência Digital

O mercado de Internet das Coisas, mais conhecido como IoT (Internet of Things), está em expansão e representa para o Brasil uma grande oportunidade de desenvolvimento econômico. Além de modernizar a indústria e torná-la mais competitiva, as coisas conectadas podem contribuir na melhoria da prestação serviços em vários segmentos, como agricultura, educação, mobilidade urbana e saúde. Imagine como a Internet das Coisas poderia tornar os hospitais do SUS integrados e mais eficientes, com uma comunicação mais ágil entre médicos e pacientes.

A utilização de IoT na educação também pode transformar a maneira como as pessoas aprendem. Os alunos se manterão conectados numa arquitetura multicanal, seja por meio de dispositivos móveis ou sensores. Dessa forma, é possível que a escola ou a biblioteca disponibilize informações sobre determinados temas através de Beacons. Uma criança pode, por exemplo, receber toda a informação de quem foi Borba Gato só de passar em frente à sua estátua. Esta troca de informações acontece na rua ou em qualquer outra parte, permitindo a educação sensorial em tempo real.

Pense também nos benefícios para o aluno que entra na Avenida Paulista e recebe informações de um dos locais mais famosos do mundo, desde a época dos barões do café até os gigantes da indústria nacional. Isto é educação a distância aplicada ao extremo dentro do conceito de IoT. Tudo é onipresente, o que torna o ensino mais dinâmico e atual.

Na agricultura, os sensores podem sinalizar como ter o melhor aproveitamento de uma cultura, a umidade do solo e a quantidade necessária de insumos para desenvolver a colheita. Já na pecuária, a tecnologia pode indicar o período fértil do animal e utilizar os sinais vitais para otimizar a produção.

Outros segmentos impactados pelas soluções de IoT são as cidades inteligentes e, consequentemente, os sistemas de utilidades como o abastecimento de água, cujos sensores poderão detectar com precisão pontos de falha ou vazamentos; o consumo de eletricidade, que pode ser monitorado a distância e fornecido de acordo com o desejo do consumidor; os centros de monitoramento de emergência integrados, que poderão coordenar ações preventivas (aliás, ações preventivas são um grande benefício de equipamentos e serviços conectados), e a frota de transporte público, que atuará de maneira sincronizada, garantindo mais agilidade e segurança.

As oportunidades oferecidas pela Internet das Coisas vão de encontro às principais demandas de transformação digital na era da Indústria 4.0 – mais eficiência, redução de custos e competitividade internacional, ao substituir processos manuais por soluções automatizadas.No ano passado, o mercado de Internet das Coisas (IoT) no Brasil movimentou US$ 1,35 bilhão, sendo que a indústria automotiva e as verticais de manufatura foram as mais relevantes.

De acordo com o estudo da Frost & Sullivan intitulado “O Mercado industrial brasileiro de Internet das Coisas, Cenário para 2021”, o mercado de IoT deve alcançar receitas de US$ 3,29 bilhões em cinco anos — a estimativa de receita se refere a hardware (módulo de conectividade e outros componentes), software e serviços diretamente ligados a soluções IoT.

A tendência é que a tecnologia passe a ser embarcada nos produtos, junto com módulos de conectividade, de forma que as empresas possam extrair informações sobre a experiência do cliente. De acordo com a consultoria, será uma revolução centrada no consumidor, direcionada pela transformação digital.Para que as coisas conectadas sejam realmente eficientes, é fundamental que a implementação das soluções de IoT aconteça de forma horizontal, ou seja, integrando-se a todo o ecossistema de transformação digital. De nada adianta ter uma solução de ponta se não houver o mínimo de infraestrutura para utilizá-la.

Os desafios existem, mas as possibilidades são muito maiores. Aos poucos, a Internet das Coisas está entrando em nossas vidas, seja no ambiente doméstico, com uma geladeira que avisa a hora de comprar um determinado produto, seja numa cidade inteligente ou numa empresa que já aderiu aos avanços inevitáveis da Indústria 4.0. Tudo indica que a transição será natural para que a tecnologia traga mais bem-estar ao cidadão e produtividade às empresas que precisam se reinventar para aumentar a competitividade.

(*) Ailtom Nascimento é Vice-presidente da Stefanini, 5ª empresa mais internacionalizada segundo Ranking da Fundação Dom Cabral 2016




Carreira
Brasil ganha 50 profissionais capacitados como Cientistas de Dados

São especialistas formados no curso de Cientista de Dados do SAS, lançado em junho de 2016, e que terá uma nova turma - a terceira - a partir do dia 31 de outubro. Curso de formação é presencial e dura 14 meses.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G