GOVERNO » Legislação

Senado muda texto da Câmara e tem novo projeto para Uber e similares

Luís Osvaldo Grossmann* ... 26/09/2017 ... Convergência Digital

O Senado Federal abriu uma dissidência para derrubar quase completamente o projeto de lei que regulamenta aplicativos móveis de transporte, como Uber, Cabify, 99 e Easy, que na Câmara foi aprovado com o número 5587/16 e passou a tramitar como PLC 28/17. Um substitutivo apresentado nesta terça, 26/9, pelo relator na Comissão de Ciência e Tecnologia, Pedro Chaves (PSC-MS), cria uma nova categoria de transporte remunerado e elimina as exigências que, na prática, transformariam os apps em táxis chamados pela internet. 

Paralelamente, os senadores favoráveis ao novo texto tentarão evitar a votação de um requerimento que pede urgência na tramitação do projeto, de forma a deixar uma votação em Plenário para, se possível, não antes da próxima semana. Ou ainda, se não der certo, que o relator na CCT seja também o relator em Plenário.

A Uber e a Cabify consideram o substitutivo como "real início de um amplo debate sobre a regulamentação do transporte individual privado por meio de tecnologia". "O texto sugerido detalha com ênfase novos critérios de segurança, ouvindo as manifestação dos usuários - preocupação que também é dividida pelas empresas de mobilidade urbana. Assim, o relatório começa a desenhar e discutir uma regulação equilibrada, em vez de buscar uma proibição velada", afirmam em notas idênticas as duas empresas. 

O novo texto não significa liberdade absoluta mas é mais flexível que o texto da Câmara. Como fazem em geral os projetos de lei sobre o tema, a proposta remete a regulamentação e fiscalização aos municípios. É exigido licenciamento anual de veículos, contratação de seguros, habilitação dos motoristas com observação de exercício de atividade remunerada e inscrição deles como contribuintes no INSS, além de comprovação da ausência de antecedentes criminais. Mas não há necessidade de licença das prefeituras. 

Isso está associado a uma mudança importante. O texto aprovado na Câmara fazia dos aplicativos transporte público. O substitutivo cria uma nova figura legal, de transporte privado individual remunerado, caracterizado como “serviço remunerado de transporte por veículos particulares, não aberto ao público, previamente contratado por intermédio de provedor de aplicações de internet”. Os carros tampouco terão que rodar com placas vermelhas, como exigia o texto original do PLC 28/17. 

Para o relator, que ainda combinou no texto final os PLS 530 e 726, ambos ainda de 2015, “as consequências desse novo modelo de negócio ainda não se desdobraram por completo, mas a introdução dessa nova opção de transporte aumentou o bem-estar social e reduziu preços”. A lei prevê que o serviço será “desenvolvido em caráter de livre concorrência e com liberdade de preços, cabendo ao poder público competente a fiscalização e a cobrança dos tributos devidos, na forma da regulamentação”. Ou seja, cai também a exigência de autorização prévia das municipalidades. 

“A exigência de autorização concedida pelo poder público, por ser ato discricionário e precário, permite a limitação ao número de prestadores de serviço, o que cria enormes barreiras para a entrada no mercado, tanto para novos condutores quanto para novos aplicativos. Caso seja feita essa limitação, a consequência seria de aumento de preços ao consumidor, que a um tempo reduzirá a demanda pelo serviço e gerará um excedente econômico imediatamente transferido aos agentes privados que controlem o acesso ao mercado”, justificou Pedro Chaves. 

O substitutivo também prevê que os aplicativos deverão manter sede, filial, ou representação no Brasil; armazenar as informações sobre as viagens realizadas, nas condições determinadas pelo Marco Civil da Internet, vedar a participação de motoristas com os antecedentes criminais listados na Lei. O texto veda a exigência de exclusividade de aplicativo ao motorista e determina que as empresas devem fornecer as informações exigidas pelas autoridades competentes, “com relação às suas atividades, aos dados dos condutores e aos veículos cadastrados”. 

* Atualizada para inclusão de posicionamento da Uber e da Cabify


Confederação de teles e TI quer R$ 1 bilhão para Sistema S das TICs

“Nossa prioridade para 2018 é garantir os recursos para esse sistema fazer frente às necessidades de formação e capacitação para a transformação digital”, diz o presidente do Sinditelebrasil, Eduardo Levy. 

Governo retoma piloto de IoT com chips para coleta de dados

Governo criou um comitê interministerial para integrar as políticas de RFID às do Plano Nacional de Internet das Coisas. Iniciativa, parada há três anos por falta de consenso, batizada de SINIAV, começa a sair do papel com pilotos em Pernambuco e no município de Santo André, em São Paulo.

Governo discute se IoT é valor adicionado ou Telecomunicações

"Há prós e contras e precisamos analisar bem para definirmos a melhor governança", diz o diretor do MCTIC, José Gontijo. Sobre Internet das Coisas, Gontijo é taxativo: O Brasil não pode adiar mais uma definição sobre Lei de proteção de Dados Pessoais.

Reforma tributária: Telecom fica na categoria do imposto seletivo

Em entrevista à Newsletter da Telebrasil, reproduzida pelo Connvergência Digital, o deputado Luiz Carlos Hauly, do PSDB/PR, explica que a sua proposta elimina 10 tributos.

Fazenda e Receita insistem e querem o fim da desoneração da folha em 2017

Área econômica insiste que a desoneração trouxe mais prejuízos do que benefícios aos cofres públicos. TICs ficam fora dos segmentos contemplados em nova proposta do Governo.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G