Convergência Digital - Home

Nuvem pública da Vivo recebe certificado OpenStack

Convergência Digital
Convergência Digital* - 06/10/2017

A nuvem pública da Vivo Empresas conquistou o certificado OpenStack Powered. Com a conformidade aos requisitos técnicos do OpenStack, a empresa lançou novas funcionalidades do Open Cloud, com destaque para o Direct Connect – serviço de comunicação que permite o cliente configurar uma conexão de rede dedicada entre o Open Cloud e a infraestrutura local.

Outro lançamento esperado pelo setor é o Workspace, serviço de desktop virtual que intrega áreas de trabalho consistidas em CPUs, memória, discos e sistemas operacionais Windows (SO), e pode ser utilizado sob demanda a qualquer momento e a partir de qualquer lugar. Utilizando áreas de trabalho, é possível configurar desktops baseados em nuvem com facilidade e acessar os documentos e aplicativos desejados de qualquer dispositivo, incluindo computadores Windows e MAC, iPads, iPhones, terminais inteligentes Android.

Já o Simple Message Notification notifica mensagens em larga escala e com alta velocidade e na nuvem. Na sequência aparece o Cloud Trace que fornece logs de operações que ocorreram na plataforma e auxilia nos processos e nos procedimentos de gestão para servir como auditoria. Solução essecncial para as empresas que trabalham com grande volume de dados. “A certificação mostra o aprimoramento e o compromisso da  Vivo Empresas com a qualidade de seus produtos, potencialização da segurança e estabilidade dos serviços de nuvem para os clientes nos mais diversos segmentos”, explica o diretor de Marketing B2B da Vivo, Ricardo Hobbs.

A nuvem pública da Vivo também apresenta o MapReduce que disponibiliza o uso dos serviços Hadoop, Spark, HBase e Hive, além de criar rapidamente clusters para fornecer recursos de armazenamento e computação com objetivo de análise de dados maciços ou para processamento em tempo real. E para facilitar a migração dos usuários que já utilizam outros provedores, a plataforma oferece agora o Migration as a Service capaz de realizar a migração de armazenamento de objetos, de imagens de máquinas virtuais e migração de banco de dados RDS.

Para finalizar a atualização da plataforma, a Vivo criou o Distributed Message Service que também é um serviço de mensageria que provê acesso concorrente em escala através de uma tecnologia de cluster distribuído e altamente disponível. E por fim, o Cloud Container Engine que auxilia a criação, execução e gerenciamento de contêineres Docker, fornecendo uma ferramenta de orquestração de aplicativos gráficos para que os usuários criem e implementem aplicativos de forma eficiente. O serviço Open Cloud é oferecido em parceria global com a Huawei - desenvolvedora de diversas tecnologias no mercado de Tecnologia da Informação e Comunicação. A Telefônica, por vez, tem investido mundialmente em centros de dados próprios e comerciais para fornecer qualidade nestes serviços.

 

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Quase metade das empresas brasileiras não virtualizou storage, backup e proteção de dados

É inevitável mexer no sistema legado atual para acelerar a jornada para a transformação digital, revela levantamento da IDC Brasil, contratado pela Dell.

Cloud pública e multicloud entram no orçamento das empresas no Brasil

Mercado de nuvem pública tem receita projetada em R$ 5,5 bilhões ainda este ano.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site