Convergência Digital - Home

RNP vira broker de nuvem e busca parcerias com empresas privadas

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann e Pedro Costa - 20/10/2017

A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa, responsável pelo backbone e pela conectividade das universidades e institutos federais, vai começar a oferecer serviços em nuvem. O plano de negócios prevê que a RNP atue como broker, orquestrando diferentes fornecedores e responsável pela camada de escolha e contratação de serviços. 

“Estamos desenvolvendo um modelo de broker baseado em parcerias com os global providers, como Amazon, Microsoft, Google, IBM. E com empresas como Embratel, Vivo e Vert, que oferecem infraestrutura e serviços de nuvem hospedadas em datacenters nacionais e tem maior flexibilidade do ponto de vista do tipo de hospedagem de plataforma que vamos precisar. Vamos disponibilizar esses serviços através de uma camada de marketplace onde professores e pesquisadores possam escolher o tipo de serviço que melhor lhe serve, com menor preço e melhores condições. É na verdade um passo além do broker”, explica o diretor de serviços e soluções da RNP, José Luiz Ribeiro Filho. 

Os serviços em nuvem se valem de dois datacenters com capacidade de processamento de 4 petabytes, montados em contêineres e doados pela fabricante chinesa Huawei, em 2014, com os quais a RNP vem tocando ‘pilotos’ do que agora pretende oferecer em larga escala. Como um conjunto de equipamentos foi para o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, em Manaus, o datacenter lá instalado faz o armazenamento de dados coletados na Floresta. De forma semelhante, há parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, em Recife, onde está o segundo contêiner doado. Outro projeto é uma parceria com a Ancine, que usa o armazenamento da RNP e ferramentas de análise para avaliar o conteúdo da televisão. E há ainda a implantação de sistemas de processo eletrônico nas universidades, no que é a primeira implementação em nuvem para o Sistema Eletrônico de Informações.

Para suportar essa nova linha de serviços, a RNP está fazendo um upgrade na conectividade. A rede acadêmica nasceu ainda na década de 1990, mas em meados dos anos 2000 deu um salto ao migrar para fibra óptica, escorada em obrigações impostas à Oi quando da autorização de compra da Brasil Telecom. Até 2020, a RNP vai migrar para fibras OPGW do setor elétrico. São acordos que preveem compartilhamento e custarão à RNP apenas a eletrônica para acender as fibras, o que sinaliza duas décadas de atualizações a custo marginal. 

“O grande elemento viabilizador é a existência de uma rede com capacidade. Sem ela não adianta nuvem. Estamos concluindo um ciclo de atualização e vamos para o próximo. Para muitas universidades, conexão de 10 Gbps já não é suficiente. O trecho entre Sudeste e Brasília já vive congestionado. No novo ciclo vamos para múltiplos de 100 Gbps. Temos um acordo já firmado com a Chesf, compramos equipamentos e vamos acender essa fibra e dividir a capacidade com eles. E estamos em vias de fechar esse mesmo tipo de acordo com Eletrosul e Furnas", diz o diretor da RNP. Veja a entrevista exclusiva com o diretor da RNP.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Dados em excesso vão provocar abandono das aplicações de Internet das Coisas

Gartner adverte que um terço das soluções de IoT vão 'morrer' antes mesmo de serem implantadas. Consultoria diz que é hora de identificar as lacunas e as fraquezas nos modelos de negócios.

Transformação digital estimula migração de aplicações críticas para a nuvem

Uso da nuvem pública fica mais atraente para instituições financeiras latinoamericanas.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site