TELECOM

Telefônica registra lucro líquido de R$ 1,2 bi no 3º trimestre

Convergência Digital* ... 25/10/2017 ... Convergência Digital

A Telefônica Brasil realizou um lucro líquido de R$ 1,2 bilhão no período, resultado 28,3% superior ao terceiro trimestre de 2016. A receita operacional líquida de serviços cresceu 2,4% em relação a igual período do ano passado, enquanto os custos operacionais apresentaram queda anual de 1,0%, segundo os dados do balanço do terceiro trimestre, divulgado nesta quarta-feira, 25/10.

O EBITDA totalizou R$ 3,7 bilhões no trimestre, apresentando crescimento anual de 7,8%, enquanto a margem EBITDA atingiu 33,8%, 1,9 ponto percentual superior a igual período do ano passado. O fluxo de caixa operacional (calculado pela diferença entre o EBITDA e o Capex) atingiu R$ 5,4 bilhões nos nove primeiros meses de 2017, 12,6% acima no comparativo anual.

O balanço financeiro revela que a Telefônica investiu R$ 2,2 bilhões entre julho e setembro, priorizando a cobertura 4G, que atingiu 1.919 cidades ao final do trimestre, e a expansão da fibra com a tecnologia FTTH (Fiber-to-the-Home), que foi lançada em 12 novas cidades neste ano. “A companhia vem liderando a expansão da implantação de 4G nos municípios brasileiros em 2017, ao adicionar 1.403 novas cidades no ano, e oferecer cobertura a 75,7% da população nacional. Nosso objetivo é proporcionar a melhor conexão para que nossos clientes possam usufruir de todos os benefícios do mundo digital”, destaca o presidente da companhia, Eduardo Navarro.

Estratégia centrada em dados

A empresa mantém uma estratégia comercial centrada em dados e serviços digitais, que vem acelerando seu negócio. Como resultado, a receita líquida de serviço móvel cresceu 3,7% no terceiro trimestre no comparativo anual, impulsionada pela crescente receita de dados e serviços digitais, que apresentou expansão de 28,2% sobre igual período de 2016.

O desempenho decorreu da forte atividade comercial na venda dos planos Vivo Família, que permite o gerenciamento do consumo de dados dos dependentes, do forte incremento das receitas digitais, além da crescente penetração de smartphones na base de clientes. No trimestre, a representatividade da receita de dados e serviços digitais sobre a receita líquida de serviço móvel aumentou para 72,9%.

Paralelamente, a receita líquida do negócio fixo apresentou aumento de 0,5% no terceiro trimestre, influenciada principalmente pela evolução positiva das receitas de banda larga e dados corporativos. O resultado poderia ser maior, porém houve o impacto do corte da tarifa de ligação fixo-móvel e redução da tarifa de interconexão, no serviço de voz.

A receita de banda larga cresceu 19,2% no comparativo anual, impulsionada pela evolução das receitas de UBL (Ultra banda larga), que já representa 61,8% da receita total de banda larga no período. O fato evidencia os esforços da empresa visando a migração de clientes para velocidades mais altas. Além disso, a companhia ampliou sua penetração no mercado ao expandir a rede de FTTH para novas cidades. O senão do balanço foi o resultado do negócio de TV por assinatura registrou queda de 0,5% na receita no comparativo anual. Apesar disso, o IPTV apresentou crescimento de receita de 76,8%, devido à estratégia mais seletiva da empresa para este serviço.

A companhia registrou um total de 97,6 milhões de acessos no terceiro trimestre, dos quais 74,6 milhões eram móveis, volume 1,5% superior ao do ano passado, mantendo-se na liderança de mercado, com 30,8% de participação em agosto de 2017 (fonte: ANATEL). A empresa também deteve a liderança na tecnologia 4G, com market share de 33,9% em agosto, refletindo a estratégia centrada em dados e a qualidade da base de clientes.

No pós-pago, a Telefônica conquistou 45,6% das adições líquidas do mercado no acumulado do ano, com market share de 42,3% em agosto. De outro lado, o parque pré-pago teve sua base reduzida em 5,1% em relação a igual período do ano anterior, devido à forte migração para planos controle e à política de desconexão de clientes inativos, dentro das regras da ANATEL.

No mercado de M2M (Máquina a Máquina), a base de acessos seguiu expandindo e chegou a 5,9 milhões em setembro, um incremento de 22,5% comparado ao ano anterior, com participação de mercado de 40,4%. No negócio fixo, os acessos totalizaram 23,1 milhões, um recuo de 2,7% em relação ao terceiro trimestre do ano anterior, devido a uma redução de clientes de voz. Já a banda larga fixa continua em evolução, com 7,5 milhões de clientes, um crescimento de 1,9% no comparativo anual. A base de clientes em fibra ótica cresceu 8,7% relativamente a igual período do ano passado e já atinge 4,5 milhões de acessos.

Os clientes de ultra banda larga já representam 60,0% do total de acessos de banda larga, impulsionando o ARPU (receita média por cliente) para um crescimento de 16,5% em relação a igual período de 2016. Com a expansão do FTTH (Fiber-to-the-Home) para novas cidades, a companhia já conta com 1,2 milhão de acessos nessa tecnologia, o que representa crescimento de 44,9% em relação ao ano anterior.


AmericaNet: Não faz sentido ter de construir rede por conta de direito de passagem

Inovação é a palavra-chave para a operadora competitiva competir no mercado de telecom, diz o vice-presidente da AmericaNet, José Luiz Pelosini. Ele lamenta que aspectos regulatórios inviabilizem a expansão dos negócios. "Compartilhamento ainda é um entrave".

Use Telecom: "Não conseguimos um real sequer do BNDES e da FINEP"

André Costa, CEO da operadora, com atuação na Bahia e no Sergipe, diz que o governo cobra muito e devolve pouco. Sobre o compartilhamento é taxativo: "O acordo entre a Anatel e Aneel pelos postes não é praticado em nenhum lugar do Brasil".

TIM abre laboratório para projeto de rede do Facebook na América Latina

Operadora será responsável pelo primeiro Telecom Infra Project Community Lab ("Laboratório Comunitário TIP") da região.

Faltam dinheiro e apoio para a construção de rede no Brasil

"Falta apoio dos órgãos públicos, falta financiamento acessível, falta vontade de fazer", diz Rui Gomes, CEO da UMtelecom, empresa que atua na Região Nordeste.

Juarez Quadros: "Estamos prontos para arbitrar disputas pelo compartilhamento"

O presidente da Anatel admite que para as operadoras competitivas há mais dificuldades para celebrar acordos com as concessionárias, mas diz que é preciso levar o embate para o órgão regulador.

Teles afirmam que bloqueio de celular em presídios é exigência inconstitucional

Em nota, o SindiTelebrasil adverte que o Supremo Tribunal Federal já decidiu sobre o tema em leis dos estados da Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. Se o PL 3019/15 for aprovado no Senado, as operadoras terão de instalar, manter e gerenciar os sistemas.


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G