TELECOM

GSMA: Só a Jamaica cobra mais imposto de telecom que o Brasil na América Latina

Luís Osvaldo Grossmann ... 01/11/2017 ... Convergência Digital

A associação GSMA, que representa operadoras móveis, divulgou um estudo sobre a tributação dos serviços de telecomunicações na América Latina. Mais uma confirmação do que surpresa, o Brasil é destaque em várias frentes, seja pelas altas taxas sobre consumo, pelos tributos específicos ao setor, pelas cobranças municipais, pelo não uso de fundos de universalização, ou ainda por ser o único na região a cobrar duas vezes pela ativação de chips. 

“O estudo mostra como a tributação do setor móvel pode aumentar a barreira de acesso na região, prejudicando os esforços de inclusão digital. Para todos os países da região em que os dados estão disponíveis, o custo total da propriedade móvel para a compra de um aparelho móvel e 1GB de dados por mês está acima do limite de cinco por cento recomendado pela Comissão de Banda Larga da ONU”, diz o documento da GSMA. 

O Fistel brasileiro é alvo de uma seção específica do relatório da GSMA. Além de associar o uso de dispositivos de comunicação máquina a máquina com a flutuação da taxa, a associação das operadoras sustenta que a principal medida a ser tomada pelo Brasil é a abolição do Fistel. 

Segundo a GSMA, tal medida teria impacto já em 2020, com o aumento em 12,5 milhões no número de conexões M2M, quase R$ 30 bilhões no PIB, e R$ 10 bi em tributos, além de um acrescimento superior a R$ 5 bilhões nos investimentos do setor. 

No quadro geral, a Jamaica é a recordista na região, com a carga fiscal de telecom em cerca de 56% das receitas. O Brasil vem logo em seguida, onde a mordida fiscal rodeia os 45%. Argentina, República Dominicana, Chile e Equador ficam na casa dos 30%. Os demais abaixo de 20%. Na média, o setor móvel da América Latina pagou o equivalente a 25% do seu faturamento em 2016 na forma de impostos. 

O relatório destaca que impostos de consumo (no nosso caso, ICMS) são quase 20% do que chama de ‘custo total da propriedade no setor móvel’, o dobro da América do Norte. Destaque mais uma vez para o Brasil, acompanhado da República Dominicana, em que esse ‘custo total de propriedade’ supera os 30%. 

Segue o documento e o Brasil também lidera, à frente da República Dominicana, Argentina e Jamaica, com as maiores taxas sobre uso, em percentuais significativamente superiores aos da média latina. “Isso se deve especialmente à aplicação de taxas específicas para o setor nesses países”, diz a GSMA. 

Nessa seara o Brasil é especial. Está no seleto grupo, ao lado de Argentina, México e Venezuela, que cobram pelo espectro no momento dos leilões e também a partir de taxas recorrentes sobre a radiofrequência. Além disso, o Brasil é o único a cobrar duas vezes pela ativação de chips, na primeira instalacao e no Fistel anual. 


Segue a sangria nas linhas de telefonia fixa no Brasil

Em novembro, foram contabilizadas 135.964 mil linhas a menos e o país fechou o décimo primeiro mês de 2017, com quase 41 milhões de linhas ativas. Oi, Claro, TIM e pequenos prestadores de STFC puxaram a queda de linhas em serviço.

Plano da Oi prevê investimentos abaixo do necessário, diz Anatel

Para agência, os R$ 4 bilhões previstos de dinheiro novo na operadora não são suficientes para que a Oi alcance o nível anual de aportes dos concorrentes. “Se não acompanhar, vai continuar perdendo mercado”, diz Juarez Quadros. 

Claro repete que há muitas operadoras no Brasil e resiste à entrada dos chineses na Oi

"O mercado já está instável com quatro operadoras. Os chineses têm uma mistura com o governo. Com quem iríamos brigar?", criticou o presidente José Félix. Não é a primeira vez que a Claro diz que o mercado nacional comporta apenas três players.

Eletrosul testa suporte por satélite com Telebras e Hughes

Com 11 mil km de linhas de transmissão, a empresa é responsável por aproximadamente 10% do sistema de transmissão do País. Piloto terá duração de 60 dias.

Rede fixa três vezes maior do que a das rivais será o futuro da Oi

O diretor de Tecnologia de Redes e Sistema da Oi, Pedro Falcão, sustentou que o backbone óptico e as redes metropolitanas são a 'joia da coroa' e despertam a ambição dos concorrentes. "A Internet de Tudo exigirá muita rede fixa", frisou.

Oi unifica mainframes para acelerar serviços digitais

Tele também montou o Centro de Gerência de Serviços, em Brasília, com a missão de unificar as ações em áreas como recarga de pré-pago e faturamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G