TELECOM

Operadoras competitivas investem R$ 6 bilhões no Brasil

Por Fábio Barros ... 07/11/2017 ... Convergência Digital

As operadoras competitivas – que são aquelas de porte menor, que operam em regiões específicas, têm modelos de negócio pré-definidos e ofertas diferenciadas, dentro de seus modelos de negócio, atendem clientes finais, ISPs, grandes operadoras, pequenas e médias empresas e clientes residenciais – investiramR$ 6 bilhões no país, revela a pesquisa “O perfil das operadoras competitivas” durante a décima edição do Seminário Telcomp. O evento foi realizado nesta terça-feira, 07, em São Paulo, e teve como tema principal a transformação digital e o setor de telecomunicações.

O CEO da Megatelecom, Carlos Sedeh, detalhou o perfil do segmento. Segundo ele, as operadoras competitivas crescem consistentemente nos últimos cinco anos.  Por conta disso, elas podem ser encontradas hoje em 98,5% dos municípios brasileiros; 6,8 mil delas têm autorização de SCM (Serviço de Comunicação Multimídia) e formam um conjunto de empresas que responde hoje por 18% da receita líquida do SCM. “Boa parte do crescimento destas empresas se deu por causa da situação Oi, cuja área de concessão cobre 97% do território nacional e, por isso, conta com inúmeras áreas de menor interesse”, diz.

O presidente da Teleco, Eduardo Tude, observou que que a cadeia de valor de telecomunicações é hoje formada por quatro elementos, e que as operadoras competitivas podem ser encontradas em todos eles. “A cadeia de valor começa com as conexões internacionais e segue por transporte e redes metropolitanas; serviços para empresas e governo; e serviços para clientes residenciais e pequenas e médias empresas.

No primeiro elo – o de conexão internacional – a entrada das operadoras competitivas vai permitir que a capacidade de dados dos cabos submarinos que chegam ao Brasil hoje praticamente quadruplique. “Até o ano passado, tínhamos uma capacidade de 78 TB. Com a chegada de novos entrantes, como Monet, Algar, Google e outros, esta capacidade em breve deve chegar a 274 TB”, diz, lembrando que as operadoras competitivas respondem hoje por 12% dos cabos submarinos, devendo chegar a 50% com os novos cabos.

Na elo formado por empresas de transporte e redes metropolitanas, as operadoras competitivas movimentaram R$ 1,2 bilhão em 2016. “São basicamente empresas que atuam no mercado de atacado, vendendo capacidade para outras operadoras”, explica Tude. O executivo da Teleco lembra que, aqui, há uma gama grande de empresas com atuação nacional e regional, todas participando do mercado de atacado. “Juntas, estas companhias têm cerca de 250 mil km de redes ópticas de transporte”, revela, lembrando que o crescimento aqui vem da construção compartilhada e compra de uso de outras redes.

A área de serviços para empresas e governo também conta com operadoras de abrangência nacional e regional. Estas empresas oferecem acesso a internet e serviços gerenciados, atendendo clientes corporativos. Já no atendimento a clientes residenciais e pequenas e médias empresas, são encontradas operadoras competitivas provendo serviços de TV a cabo, 4G, satélite, e outros. Assistam a apresentação do presidente do Teleco, Eduardo Tude, sobre a pesquisa feita no mercado das operadoras competitivas.


Internet Móvel 3G 4G
Trump usa Twitter para atacar Europa por multa recorde ao Gogle

“Eu te avisei! A União Europeia acabou de aplicar uma multa de 5 bilhões de dólares em uma de nossas grandes empresas, o Google. Eles realmente estão se aproveitando dos EUA, mas não por muito tempo”,disparou o presidente dos EUA.

Anatel aprova novo regulamento para preço público de radiofrequências

Principal novidade é a possibilidade de a agência exigir compromissos de investimento como parte do valor da renovação do direito de uso do espectro.

Segurança faz Anatel antecipar bloqueio de celulares no Rio de Janeiro

Os aparelhos irregulares vão ser bloqueados a partir de 08 de dezembro, a pedido do Gabinete de Intervenção Federal no Estado. O bloqueio está implementado no Distrito Federal e no Estado de Goiás.

Disputa entre fornecedores faz Cemig Telecom adiar leilão para o dia 8 de agosto

Preço mínimo para o lote 1, que envolve a rede de banda larga nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro foi estipulado em R$ 332 milhões.  Já manifestaram interesse público, a TIM e a Claro.

TV paga: Modelo não muda e sangria de assinantes já dura três anos e meio

Depois de um período de expansão, em 2014, com a entrada das teles no segmento, o setor encerrou o mês de maio com 17,8 milhões de assinantes, o que significa a perda de 10% da base de usuários. Claro/NET concentram 50% do mercado.

Anatel rejeita pedidos de Société e Pharol para mudanças no conselho da Oi

Seguem válidos, portanto, os nomes indicados a partir da aprovação do Plano de Recuperação Judicial, em dezembro, que constituem o Conselho de Administração Transitório da supertele.

Telefónica conduz projeto de transformação digital da Avianca

O acerto terá validade de cinco anos e inclui serviços de voz tradicional, conectividade de dados, apoio de infraestrutura (LAN/WLAN/Centro de cabos), segurança digital e soluções de redes definidas por software (SDN).


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G