Home - Convergência Digital

Transformação digital: desafio é o equilíbrio entre o legado e os novos hábitos

Convergência Digital - Carreira
Por Fábio Barros - 08/11/2017

O mercado tem diversos exemplos de empresas digitais e estas têm sido utilizadas como referências para o processo de transformação digital. É irreversível e, de acordo com a sócia da consultoria Egon Zehnder, Silvana Machado, representa um desafio tremendo para aquelas empresas que não nasceram digitais. E de todas as transformações  enfrentadas neste processo, a maior, segundo Silvana, está relacionada às pessoas. “As empresas precisam definir o que é ser digital para elas e, depois disso, pensar em quem serão os responsáveis por isso internamente e como estas pessoas serão preparadas”, afirma.

Ela reforça que o processo é mais difícil para as empresas que precisam se transformar, porque estas precisam fazer com que os mundos analógico e digital convivam durante o processo. Silvana afirma que a escolha do profissional que vai capitanear o processo é importante e deve ocorrer antes de qualquer mudança. “Se a decisão for trazer alguém de fora, é importante que este profissional tenha vivido a transformação”, ressalta.

Em outras palavras, imaginar que um profissional vindo de uma empresa 100% digital, e nascida assim, possa resolver o problema é um erro. Para que a transformação ocorra sem traumas, é preciso que este profissional tenha respeito pelo legado e, mais que isso, maturidade para saber aproveitar o que já existe.

Perfil ideal

Silvana lembra, inclusive, que o líder digital não precisa ser necessariamente alguém de fora da empresa. Há um perfil ideal: visão estratégica e de mercado, foco em dados, facilidade com mudanças, consciência de que é preciso fazer escolhas e definir prioridades e capacidade de adaptação. “Muitas vezes, esse profissional está dentro da organização. Em outras, ele não vai atuar sozinho”, compara.

O resultado final, de acordo com a consultora, é mudar a cultura da empresa. Na era digital, as empresas devem ser mais ágeis, experimentais e abertas ao erro. O foco sai do produto e vai para o cliente e a organização passa a ser mais horizontal, com as pessoas trabalhando em rede de modo menos estático, mais ágil e flexível.

Para chegar a isso, a cultura de aprendizado deve ser top-down. “A liderança também vai aprender e deve estar aberta para isso e trabalhar com uma estratégia de aquisição e treinamento de talentos internos e externos”, afirma. Como a velocidade aumenta, outra dica é se aproximar de empresas menores, que complementem o negócio, formando um ecossistema mais aberto que possibilite ações mais rápidas.

“É uma jornada para cada um de nós. A mudança leva tempo e deve acontecer em paralelo com o dia-a-dia. É preciso buscar novos talentos, mas trabalhar bem com a equipe que você já tem. O caminho é testar, experimentar e aprender”, conclui. A executiva participou do X Seminário TelComp, realizado nesta terça-feira, 07/11, em São Paulo. Asssistam a íntegra da apresentação.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

27/11/2017
Internet das Coisas será um divisor regulatório na Anatel

22/11/2017
Qualquer aumento de imposto será desastroso para a economia digital

22/11/2017
Ambiente no Brasil é hostil para investimento em Telecom

21/11/2017
Governo deveria abrir mão de três anos de impostos para levar banda larga para quem não tem

21/11/2017
Novo ciclo da tecnologia é oportunidade real para as PMEs no Brasil

21/11/2017
Verizon quer usar Yahoo e AOL para monetizar dados no Brasil

21/11/2017
Nextel Brasil: Teles ganharam mais do que perderam com as OTTs

20/11/2017
Anacom: 'Operadoras brasileiras têm muita capacidade para enfrentar os problemas"

16/11/2017
Fixo ou móvel, telecom tem a missão de conectar

16/11/2017
4G não licenciado terá standard em 2018

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Um em cada cinco trabalhadores dependerá da Inteligência Artificial

Confundir IA com automação por conta das previsões pessimistas de perdas de emprego ofusca o maior benefício da tecnologia, adverte o Gartner. Consultoria projeta a criação de dois milhões de novos postos de trabalho, por conta da IA, até 2025.

Linguagem C desbanca Java e Python e assume liderança entre os desenvolvedores

Índice Tiobe mostra ainda que há novas linguagens ganhando força, entre elas, a R, que subiu do 16º lugar para o 8º lugar.

Pessoas selam o sucesso ou o fracasso da transformação digital

Sem funcionários engajados, a estratégia tende a fracassar, pontua o vice-presidente do Gartner, Cassio Dreyfuss.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site