Home - Convergência Digital

Transformação digital: desafio é o equilíbrio entre o legado e os novos hábitos

Convergência Digital - Carreira
Por Fábio Barros - 08/11/2017

O mercado tem diversos exemplos de empresas digitais e estas têm sido utilizadas como referências para o processo de transformação digital. É irreversível e, de acordo com a sócia da consultoria Egon Zehnder, Silvana Machado, representa um desafio tremendo para aquelas empresas que não nasceram digitais. E de todas as transformações  enfrentadas neste processo, a maior, segundo Silvana, está relacionada às pessoas. “As empresas precisam definir o que é ser digital para elas e, depois disso, pensar em quem serão os responsáveis por isso internamente e como estas pessoas serão preparadas”, afirma.

Ela reforça que o processo é mais difícil para as empresas que precisam se transformar, porque estas precisam fazer com que os mundos analógico e digital convivam durante o processo. Silvana afirma que a escolha do profissional que vai capitanear o processo é importante e deve ocorrer antes de qualquer mudança. “Se a decisão for trazer alguém de fora, é importante que este profissional tenha vivido a transformação”, ressalta.

Em outras palavras, imaginar que um profissional vindo de uma empresa 100% digital, e nascida assim, possa resolver o problema é um erro. Para que a transformação ocorra sem traumas, é preciso que este profissional tenha respeito pelo legado e, mais que isso, maturidade para saber aproveitar o que já existe.

Perfil ideal

Silvana lembra, inclusive, que o líder digital não precisa ser necessariamente alguém de fora da empresa. Há um perfil ideal: visão estratégica e de mercado, foco em dados, facilidade com mudanças, consciência de que é preciso fazer escolhas e definir prioridades e capacidade de adaptação. “Muitas vezes, esse profissional está dentro da organização. Em outras, ele não vai atuar sozinho”, compara.

O resultado final, de acordo com a consultora, é mudar a cultura da empresa. Na era digital, as empresas devem ser mais ágeis, experimentais e abertas ao erro. O foco sai do produto e vai para o cliente e a organização passa a ser mais horizontal, com as pessoas trabalhando em rede de modo menos estático, mais ágil e flexível.

Para chegar a isso, a cultura de aprendizado deve ser top-down. “A liderança também vai aprender e deve estar aberta para isso e trabalhar com uma estratégia de aquisição e treinamento de talentos internos e externos”, afirma. Como a velocidade aumenta, outra dica é se aproximar de empresas menores, que complementem o negócio, formando um ecossistema mais aberto que possibilite ações mais rápidas.

“É uma jornada para cada um de nós. A mudança leva tempo e deve acontecer em paralelo com o dia-a-dia. É preciso buscar novos talentos, mas trabalhar bem com a equipe que você já tem. O caminho é testar, experimentar e aprender”, conclui. A executiva participou do X Seminário TelComp, realizado nesta terça-feira, 07/11, em São Paulo. Asssistam a íntegra da apresentação.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

16/11/2017
4G não licenciado terá standard em 2018

16/11/2017
Teles erram ao construir suas próprias clouds

14/11/2017
AmericaNet: Não faz sentido ter de construir rede por conta de direito de passagem

13/11/2017
Use Telecom: "Não conseguimos um real sequer do BNDES e da FINEP"

10/11/2017
Faltam dinheiro e apoio para a construção de rede no Brasil

10/11/2017
Juarez Quadros: "Estamos prontos para arbitrar disputas pelo compartilhamento"

09/11/2017
BRFibra: ISPs fazem o trabalho das operadoras, mas faltam backbones e sistemas DWDM

08/11/2017
Operadoras competitivas usam vácuo da Oi para crescer no Brasil

08/11/2017
Verizon vai para a briga com Google e Facebook no Brasil

08/11/2017
Nextel abre as portas às OTTs e diz buscar a 'alma' no Brasil

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Regras da reforma trabalhista vão ser incorporadas ao eSocial

Novo regime fiscal será obrigatório para grandes companhias a partir do início de 2018 e para todas as demais empresas do país a partir de julho próximo. Receita descarta adiamento.

Reforma trabalhista: Não haverá contrato novo ou velho

“Se não, muitos empresários poderiam dispensar os trabalhadores da ‘lei velha’ e contratar outros com contrato novo, pela ‘lei nova’. Para não haver esse perigo, a lei aplica-se a todos os contratos em vigor no Brasil”, explica o Juiz do Trabalho, Marlos Melek.

Reforma trabalhista entra em vigor em novembro no Brasil

O presidente Michel Temer sancionou a reforma Trabalhista, sem vetos, mas garante que enviará uma Medida Provisória para dar mais transparência a pontos como, por exemplo, se haverá ou não a exigência de um prazo de 18 meses para o traballhador terceirizado ser recontratado. Presidente do TST, Ives Gandra Filho, diz que lei traz 'segurança jurídica'.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site