TELECOM

Tim engrossa ressalvas à China Telecom no controle da Oi

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/11/2017 ... Convergência Digital

Ao festejar o desempenho de seu ano e meio à frente da TIM no Brasil, o presidente da operadora, Stefano de Angelis, avaliou que a crise da Oi traz oportunidades e ameaças ao mercado de telecomunicações. Se por um lado a própria TIM ganha com a fraqueza da concorrente, a “fase de rumores” também abre espaço para tratativas estranhas ao mercado. 

Foi uma referência às tratativas da China Telecom com o governo brasileiro sobre um possível aporte na Oi, de pelo menos R$ 10 bilhões. A crítica é tanto para supostas condicionantes chinesas como para o eventual ingresso no mercado de uma estatal que, nessa análise, não teria o mesmo compromisso em gerar resultados financeiros positivos. 

“A TIM investe R$ 12 bilhões por ano e nunca colocamos condições para os investimentos. Nunca vimos empresas que querem investir colocando condições para o governo ou mercado. Não entendo porque termos participantes de mercado que estabeleçam condições para investir. Se temos investidores que vão colocar dinheiro na empresa, temos que esperar um comportamento racional. Para aplicar bilhões é preciso um retorno. Então um comportamento irracional não faria sentido”, afirmou, lembrando que “estamos na fase de rumores”. 

De Angelis não está sozinho na bronca. Há duas semanas, quando igualmente comentou os resultados trimestrais, o presidente da Telefônica/Vivo, Eduardo Navarro, também fez questionamentos sobre as notícias relacionadas à Oi. ““Somos a favor de competição, é ótimo ter players saudáveis no mercado. O temor é que recebamos players que não sejam confiáveis, que não busquem retorno aos acionistas”, afirmou. 

Como reconheceu Stefano de Angelis, uma Oi capitalizada e forte naturalmente seria um competidor difícil. “Uma Oi que se recupere com grande investidor vai ser uma ameaça, olhando para o futuro”, disse. No entanto, também lembrou que a empresa não vem investindo no ritmo das competidoras, especialmente no 4G, que tem sido foco da política da Tim em busca de assinantes de maior poder aquisitivo. 

A empresa teve lucro de R$ 279 milhões no terceiro trimestre, com crescimento no consumo de dados e no peso desses na receita total. A empresa vem focando no 4G e no pós pago, seja com táticas agressivas – como o novo plano de R$ 99 – para novas adesões ou para a migração dos pacotes semanais de pré-pagos para planos controle pós pagos. 

Assim, a TIM comemora praticamente 2 milhões de novos clientes pós pagos até aqui, sendo 900 mil deles apenas no terceiro trimestre. O segmento já representa 28% dos assinantes da tele móvel. “Estamos com 86% da população urbana coberta com 4G. Somos a única operadora a usar voz sobre LTE, disponível em 177 cidades. Já temos 301 cidades usando os 700 MHz e queremos que sejam 1 mil até o final do ano, e 2,6 mil cidades com 4G, que já responde por 51% do tráfego de dados”, enumera o presidente da TIM


Internet Móvel 3G 4G
TIM quer compartilhar frequência com Claro e Vivo

Operadora quer levar para essas operadoras o acerto firmado com a Oi. Em infraestrutura, TIM prepara 4G em 700 MHz em São Paulo e já instalou 600 ERBs, revelou o CTO da tele, Leonardo Capdeville.

Anatel: LGT completa 21 anos carente de ações políticas atentas ao futuro

Em carta oficial, a agência reguladora sustenta que é preciso festejar o passado, mas adverte: não dá mais para manter o modelo separando telefonia fixa dos demais serviços de telecomunicações. O acesso ao telefone, essencial no passado, requer, agora, o acesso à banda larga.

Anatel aprova novo regulamento para preço público de radiofrequências

Principal novidade é a possibilidade de a agência exigir compromissos de investimento como parte do valor da renovação do direito de uso do espectro.

Anatel aprova regra para mediar e exigir contratos entre teles e OTTs

Novo regulamento de interconexão também exige ofertas de pontos de conexão em todos os Códigos Nacionais e facilita cortes em casos de inadimplência.

Segurança faz Anatel antecipar bloqueio de celulares no Rio de Janeiro

Os aparelhos irregulares vão ser bloqueados a partir de 08 de dezembro, a pedido do Gabinete de Intervenção Federal no Estado. O bloqueio está implementado no Distrito Federal e no Estado de Goiás.

Disputa entre fornecedores faz Cemig Telecom adiar leilão para o dia 8 de agosto

Preço mínimo para o lote 1, que envolve a rede de banda larga nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro foi estipulado em R$ 332 milhões.  Já manifestaram interesse público, a TIM e a Claro.

TV paga: Modelo não muda e sangria de assinantes já dura três anos e meio

Depois de um período de expansão, em 2014, com a entrada das teles no segmento, o setor encerrou o mês de maio com 17,8 milhões de assinantes, o que significa a perda de 10% da base de usuários. Claro/NET concentram 50% do mercado.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G