Convergência Digital - Home

Big data e dados pessoais sob a perspectiva dos órgãos antitruste

Convergência Digital
Roberta Prescott e Pedro Costa - 13/11/2017

O big data entrou na pauta da análise concorrencial. Em debate no 31º Seminário Internacional ABDTIC, Vinícius Marques de Carvalho, professor da USP, advogado e ex-presidente do CADE, levantou a questão de como as agências antitruste estão avaliando o tema. "A discussão cabe na medida em que big data é um ativo concorrencial", destacou. Mas como dados pessoais e big data devem ser analisados a partir da perspectiva antitruste?

Para Carvalho, até agora a defesa da concorrência estava muito acostumada a lidar a partir do lado do mercado que se cobra, ou seja, a concentração de mercado em relação a captação de anunciantes, por exemplo. Mas, quando se tem acesso a um serviço, de graça, o produto é a pessoa e as autoridades de defesa da concorrência estão atentas e perceberam que precisam também fazer a análise do lado no qual o preço é zero. E o ativo que tem de ser analisado é o big data . Assistam a apresentação de Vinicius Carvalho.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

SaaS dominará serviços de nuvem até 2021

Nos próximos quatro anos, revela estudo global da Cisco, os serviços SaaS vão cresscer 71%. ERP na nuvem será o carro-chefe.

Multicloud é a estrela do orçamento na TI

Estudo da Red Hat, feito com 400 clientes, em 47 países, mostra, no entanto, que um terço delas não indicou uma política efetiva de uso de cloud.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site