TELECOM

Diretoria da Oi alerta para limites da redução de custos e necessidade de capital

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/11/2017 ... Convergência Digital

A Oi festejou nesta terça, 14/11, o primeiro lucro trimestral em dois anos, fruto direto do aperto nos custos, o que permitiu inclusive ampliar investimentos na rede. Sem contar os ativos na África, a operação brasileira fechou o terceiro trimestre de 2017 com lucro de R$ 217 milhões (com o resultado internacional, apenas R$ 8 milhões). Período em que o corte de gastos chegou a R$ 337 milhões, ritmo que já acumula R$ 1,5 bi em nove meses. 

“Atuamos fortemente no controle de custos. Mas não estamos comprometendo as operações para alcançar o resultado. Ao contrário. O crescimento do caixa se deu em período de aumento de investimentos. A operação é rentável, mas a conclusão bem sucedida da recuperação judicial é fundamental para que a empresa mude de forma estrutural seu patamar de lucratividade”, afirmou o presidente da operadora, Marco Schroeder, ao apresentar os resultados. 

O controle “rígido” dos custos operacionais, como ressaltado pela diretoria, garantiu que a empresa fechasse o terceiro trimestre com R$ 7,7 bilhões em caixa – ou R$ 2,6 bi acima de meados de 2016, quando foi aberto o processo de recuperação judicial. Mas mesmo o aumento de 36% nos investimentos e aportes que já somam R$ 3,8 bilhões este ano ainda deixam a Oi com Capex inferior aos concorrentes – é menos da metade do que a Vivo prevê em desembolsos anuais entre 2017 e 2019, por exemplo. 

A própria diretoria da Oi reconhece que o trabalho prepara o terreno para a operadora voltar ao mercado, mas isso exige capital na veia. “A redução de custos tem um limite, ainda mais com a expectativa de retorno do crescimento. Solucionado o tema da estrutura de capital e com uma injeção de recursos que possa financiar o crescimento significativo dos investimentos nos próximos anos, teremos uma nova Oi pronta para competir em igualdade de condições, com operação rentável e sustentável”, afirmou o diretor administrativo e financeiro, Carlos Brandão. 

Para o presidente Marco Schroeder, esses novos investimentos dependem das tratativas com os credores, que ele entende devem ser concluídas primeiro. Há conversas, mas sem propostas firmes até aqui. “Assinamos um acordo com a China Telecom e a TPG para eles poderem conhecer mais detalhes da companhia, mas não existe nenhuma proposta formal, nenhuma sinalização de que essa transação venha realmente ocorrer. O importante neste momento é buscar um acordo entre credores e acionistas. Num segundo momento poderia ser interessante a empresa se aproximar de investidores estratégicos, mas não acredito que isso vai acontecer antes da assembleia de credores do dia 7 [de dezembro].”

Ele também voltou a descartar uma intervenção da Anatel. “O próprio regulador deixou claro que a operação da Oi está reportando evoluções trimestre a trimestre e que a preferência é por uma solução de mercado. Uma eventual intervenção é um cenário extremado de não convergir para um acordo e tivesse alguma questão que botasse em risco operação, que no momento é um cenário inexistente”. 


Segue a sangria nas linhas de telefonia fixa no Brasil

Em novembro, foram contabilizadas 135.964 mil linhas a menos e o país fechou o décimo primeiro mês de 2017, com quase 41 milhões de linhas ativas. Oi, Claro, TIM e pequenos prestadores de STFC puxaram a queda de linhas em serviço.

Plano da Oi prevê investimentos abaixo do necessário, diz Anatel

Para agência, os R$ 4 bilhões previstos de dinheiro novo na operadora não são suficientes para que a Oi alcance o nível anual de aportes dos concorrentes. “Se não acompanhar, vai continuar perdendo mercado”, diz Juarez Quadros. 

Claro repete que há muitas operadoras no Brasil e resiste à entrada dos chineses na Oi

"O mercado já está instável com quatro operadoras. Os chineses têm uma mistura com o governo. Com quem iríamos brigar?", criticou o presidente José Félix. Não é a primeira vez que a Claro diz que o mercado nacional comporta apenas três players.

Eletrosul testa suporte por satélite com Telebras e Hughes

Com 11 mil km de linhas de transmissão, a empresa é responsável por aproximadamente 10% do sistema de transmissão do País. Piloto terá duração de 60 dias.

Rede fixa três vezes maior do que a das rivais será o futuro da Oi

O diretor de Tecnologia de Redes e Sistema da Oi, Pedro Falcão, sustentou que o backbone óptico e as redes metropolitanas são a 'joia da coroa' e despertam a ambição dos concorrentes. "A Internet de Tudo exigirá muita rede fixa", frisou.

Oi unifica mainframes para acelerar serviços digitais

Tele também montou o Centro de Gerência de Serviços, em Brasília, com a missão de unificar as ações em áreas como recarga de pré-pago e faturamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G