INCLUSÃO DIGITAL

UIT alerta que apesar de avanços no Brasil, o fosso digital aumentou

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/11/2017 ... Convergência Digital

Novas tecnologias como ‘internet das coisas’, ‘big data’ ou ‘inteligência artificial’ trazem um grande potencial de avanços sociais e econômicos. Mas como alerta o mais novo relatório da União Internacional das Telecomunicações, o potencial transformador é limitado pelo acesso e uso das novas ferramentas. E pior, o fosso digital entre pobres e ricos ficou maior, não menor. 

“As divisões digitais que são aparentes no acesso e no uso desde comunicações básicas até a banda larga continuam substanciais. Países desenvolvidos contam com taxas de penetração maiores, enquanto elas são baixas em países menos desenvolvidos”, aponta a UIT. 

A análise faz parte da versão 2017 do estudo anual ‘Medindo a Sociedade da Informação’, realizado pela UIT a partir da combinação de indicadores sobre uso e habilidades em tecnologias da informação e comunicações em 176 países. E mostra que apesar de avanços generalizados, os mais ricos avançam mais rapidamente que os mais pobres, daí o aumento do fosso. 

“Pessoas na Europa e países de alta renda na América do Norte e partes da Ásia estão muito mais conectadas e fazendo pleno uso da internet do que em outras regiões, particularmente na África. E há evidências de que o fosso entre desenvolvidos e menos desenvolvidos está aumentando, elevando as preocupações com seu impacto”, diz o documento. 

O Brasil ficou mais ou menos onde estava nesta nova edição. No geral, subiu de 67º para 66º, mas mesmo nos subíndices a variação foi pequena. O melhor desempenho foi no indicador de habilidades dos usuários em TICs, que passou da 92º para 71º. Por outro lado, o desempenho piorou nos indicadores de uso (de 56º para 57º) e de acesso (79º para 80º).  

Para a Anatel, motivo de festa. Em nota, a agência destacou que a UIT apontou para o Brasil como país onde a competitividade entre as empresas não só existe como está em expansão, sendo “um dos maiores mercados de telecomunicações nas Américas”. Para as operadoras, alegria dupla. É que a UIT resolveu mudar a forma de cálculo da cesta de serviços – e com isso o Brasil não mais aparece com a telefonia mais cara do planeta. 

“Em relação aos preços, a UIT levou em conta a renda nacional bruta dos países. Na telefonia móvel, o gasto do brasileiro representa 1,7% da renda, enquanto nas Américas é 3,6% e no mundo é 5,2%. Na banda larga fixa, o gasto do brasileiro representa 2,1% da renda, o que representa um terço do gasto nas Américas, que é de 6,4%, e bastante inferior à média mundial que é de 13,9%. Na banda larga móvel, considerando 1 GB, no Brasil 2,3% da renda, enquanto nas Américas é 5,7% e no mundo 6,8%, em média”, comemorou a Telebrasil.

 


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Viasat: TCU controla viabilidade de acordo com Telebras

Segundo a vice presidente da empresa, Lisa Scapone, a demanda existe e pode ser medida pelo Gesac, mas operação comercial no Brasil depende dos ajustes no contrato para uso do satélite nacional.

PC fica cada vez mais distante da população mais pobre no Brasil

Dados do IBGE revelam que os mais pobres do País trocaram os PCs pelos celulares e tablets. A proporção da população com acesso à internet no domicílio passou de 67,9% em 2016 para 74,8% em 2017.

Parceira da Telebras amplia WiFi via satélite no México para áreas urbanas

Dois anos depois de começar a explorar banda larga satelital em áreas remotas do país, como promete fazer no Brasil, a empresa americana Viasat anuncia conexões de 100 Mbps e preços para competir com internet fixa.

Para TCU, políticas desconexas desperdiçam dinheiro com inclusão digital

Ao citar a política de Banda Larga, Tribunal observa que a falta de coordenação gera redundância, falta de isonomia e obstáculos à oferta de serviços.

CPFL: É preciso predisposição para se ter um consenso no uso dos postes

"Não é fácil, mas é preciso existir um alinhamento. Estão todos do mesmo lado", diz o diretor da CPFL, André Luiz Gomes.

Swap de fibras é mandatório para levar banda larga em regiões desassistidas

Compartilhamento de infraestrutura é essencial para reduzir custos e definir modelos de negócios nas cidades onde as teles não investiram, observa o CEO da UmTelecom, Rui Gomes.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G