INTERNET

Multissetorialidade é consenso, mas não há acordo sobre operação do CGI.br

Ana Paula Lobo ... 17/11/2017 ... Convergência Digital

Sem a presença do responsável pela Consulta Pública - Maximiliano Martinhão, agora, à frente da Telebras, e com um governo mais ouvindo do que participando, a audiência pública sobre as diretrizes da governança da Internet no Brasil reiterou as diferenças existentes entre os segmentos participantes do Comitê Gestor da Internet.

Sociedade Civil, Empresas, Governo e Comunidade Científica mantiveram suas posições e a proposta apresentada pela Associação Brasileira da Internet (Abranet) despontou como um caminho para se chegar ao consenso a ser encaminhado ao Governo, pelo próprio Comitê Gestor da Internet. A proposta da Abranet destaca cinco pontos:

1. Multissetorialismo, com a participação significativa de todos os setores.
2. Lógica bottom-up no funcionamento da estrutura e na formulação de políticas e posicionamentos.
3. Abertura das comunidades constituintes para todos os interessados.
4. Transparência e accountability de todas as comunidades constituintes.
5. Consenso como regra de operação em todas as instâncias decisórias.

O texto da Abranet estrutura o Comitê Gestor em três instâncias. Na base, cada um dos setores (governo, empresas, Terceiro Setor e academia) organiza sua própria composição de ‘membros associados’. O caráter é amplo mesmo, de forma a criar um canal permanente das comunidades com o CGI.

Em seguida, em uma camada intermediária, conselhos setoriais (de cada um dos quatro) funcionariam como instâncias deliberativas para as questões surgidas na base, cuidando de coordenar os trabalhos de sua respectiva comunidade.  A ideia aqui é que esses conselhos tem de 12 a 15 membros, no máximo. 

Finalmente, o que a Abranet chama de ‘Conselho Superior’ do CGI.br. Ou seja, aquilo que é mais ou menos o comitê gestor de hoje viraria esse ‘Pleno’ ou ou instancia decisória. A ideia é mudar um pouco o desenho atual, passando a 5 representantes por setor, em um total de 20 membros.

A Coalização Direitos na Rede, formada por entidades da sociedade civil, até concorda com parte da proposta da Abranet, mas defende a escolha do pleno do CGI.br por meio de eleição direta. A ideia de uma transição de 12 meses foi bem-recebida pela Coalização, que também defende um CGI.br com participação paritária, ou seja, todos com a mesma quantidade de representantes.

Os jovens do programa Youth@ForumBR cobraram mais transparência do CGI.br, com transmissão ao vivo das reuniões do Comitê Gestor. Também cobraram participação efetiva dos representantes. Por meio de dados abertos, o Observatório da Juventude, por exemplo,comprovou, por exemplo, a ausência do Ministério da Industria e Comércio de 19 das 29 reuniões realizadas.

Para Flávia Lefrèvre, da Proteste e do Terceiro Setor no CGI.br, a realização de uma audiência pública aberta no 7º Fórum da Internet é referência. “A consulta pública nasceu da necessidade de mudar. Essa audiência pública está ouvindo parcela significativa da sociedade. Esperamos que o Governo ouça e leve em conta o que foi debatido”, completou.


Provedores defendem modelo da TV Digital para resolver uso dos postes

Proposta da Abrint prevê que no lugar de mudanças na resolução Anatel/Aneel seja constituído uma espécie de ‘Gired’ ou um foro permanente para negociações e mesmo determinações para a regularização das estruturas.

STF: Relatores dizem que é inconstitucional barrar apps de transporte

Ações questionam leis de São Paulo e Fortaleza que limitam ou mesmo proíbem transporte por aplicativos como Uber e assemelhados. Julgamentos foram suspensos por pedido de vista.

Justiça nega proibição a jogo onde Bolsonaro espanca mulheres, negros e gays

Em nova tentativa do Ministério Publico, 14ª Vara Cível de Brasília entendeu que jogos eletrônicos são obra intelectual com livre manifestação de pensamento.

Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G