GOVERNO » Legislação

Modelo de desoneração da folha não é consenso entre as entidades de TI

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/11/2017 ... Convergência Digital

O tema da desoneração da folha mostra fissuras entre as entidades representativas do setor de Tecnologia da Informação. Enquanto a Brasscom defende um regime único e obrigatório, Assesspro e Abes querem que a política se mantenha opcional. E a Fenainfo propõe o fim de isenções que beneficiam mais empresas multinacionais que as brasileiras. 

No geral, todas defendem que o segmento seja incluído entre aqueles que vão continuar podendo substituir a contribuição previdenciária de 20% sobre a folha por alíquotas (4,5% para TI) sobre o faturamento. E foram à Câmara dos Deputados dizer à comissão especial sobre o PL 8456/17, sobre o tema, que as empresas de tecnologia geraram mais receita com a desoneração do que sem ela.

Na tentativa de convencer o governo, a Brasscom sugere que o fim da opcionalidade da desoneração vai compensar os cofres públicos em R$ 2 bilhões, pelo aumento da contribuição da parte da TI que ainda está nos 20% da folha. Mas como sustentou o presidente da Assespro, Jeovani Salomão “a obrigatoriedade seria um castigo para parte das empresas”. Francisco Camargo, da Abes, afirmou que “a obrigatoriedade vai prejudicar mais empresas do que beneficiar”. O PL 8456/17, apresentado pelo Executivo para retirar praticamente todos os segmentos econômicos da política de desoneração, já tem emendas propostas para os dois lados. 

Já para a Fenainfo, os problemas estão no impacto diferente dos tributos para as empresas nacionais e internacionais, conforme a entidade já tinha antecipado para o Convergência Digital. “O Brasil é bastante generoso com empresas que vem de forma, temos políticas bastante atrativas. O rombo previdenciário reclamado pelo governo não é da desoneração, mas das isenções que criaram grupos de privilegiados, mas criando pressão nos que pagam”, disparou o presidente da entidade, Edgar Serrano. 

Segundo ele, a política garantiu isenções para as exportações e para centros de pesquisa, o que beneficiou quase essencialmente multinacionais que operam no Brasil. “As regras precisam ser iguais para todos”, afirmou. 


Órgãos públicos do Executivo estão proibidos de exigir CPF e CNPJ

Medida impõe o compartilhamento de dados sem nenhuma regra de cuidado com as informações. Portaria proíbe a exigência ainda de certidões de débitos tributários e dívida ativa e certidão de quitação eleitoral.

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.

Anac autoriza Secretaria de Patrimônio da União usar drones para fiscalização

Licitação para a compra de equipamentos pelo governo deverá acontecer a partir do final de maio. Drones vão ser usados para fiscalizar uso irregular de áreas de praia, margens de rios, terrenos de marinha e espelhos d'água, dentre outros bens públicos de propriedade da União.

CDES quer prioridade para proteção de dados e transformação digital

O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) recomendou ao governo que garanta dotação orçamentária adequada e mecanismos de acompanhamento da digitalização do setor público.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G