INTERNET

Assespro vai ao STF obrigar juízes a usarem MLAT nos dados fora do Brasil

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/12/2017 ... Convergência Digital

Com multas diárias que chegam a R$ 200 mil e até a prisão de executivos, as multinacionais da internet que atuam no Brasil já colecionam farto histórico de batalhas judiciais que envolvem o acesso a dados dos usuários. Agora, contra-atacam no Supremo Tribunal Federal. 

Por meio da Assespro Nacional, que apresentou no fim de novembro uma Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC 51), querem obrigar os juízes brasileiros a respeitarem o acordo de assistência judiciária mútua com os Estados Unidos na hora de exigirem informações que estão armazenadas em datacenters fora do Brasil. 

Empresas como Whatsapp, Facebook, Microsoft ou Google alegam serem meramente representações comerciais sem acesso aos dados que ficam em datacenters nos EUA ou em países como a Irlanda. A ação, que caiu para o ministro Gilmar Mendes, é para que o STF ressalte a constitucionalidade do Decreto 3.810/2001, que promulgou o acordo de cooperação judiciaria com os EUA, mais conhecido por sua sigla em inglês, MLAT. Na prática, tal decisão passaria a funcionar como escudo judicial aos pedidos de informações. 

“Não podemos, ao bel prazer, escolher quando a lei vai ser usada, dependendo da conveniência ou não do acusador. A lei demora, mas é a lei”, afirma o presidente da Assespro Nacional, Jeovani Salomão. Nessa linha, o pedido, subscrito pelo escritório do ex-ministro do STF Carlos Ayres Britto diz que “são impróprias as decisões que sacam dos argumentos de lentidão e complexidade como fundamento para afastar a cooperação jurídica internacional”.

Alega ainda a ADC que “não se pode compelir a empresa afiliada a servir de via expressa para cumprimento de ordens judiciais que apenas correlata empresa norte-americana poderia cumprir. (...) [O] fundamento decisório que não vai além da simples menção à violação da soberania brasileira constitui implícita declaração de inconstitucionalidade do MLAT”.

A ADC é de 28/11. Na terça, 5/12, o Facebook pediu para ingressar como ‘amigo da causa’, disparando também contra decisões sobre o tema. “Confrontados com a impossibilidade do cumprimento de seus comandos, esses órgãos adotam postura que beira o autoritarismo, impondo penalidades pecuniárias completamente incompatíveis com os padrões legais aplicáveis, além de sanções como a suspensão das atividades da empresa, ou a responsabilidade criminal de seus dirigentes.” 

Na ADC, a Assespro conclui que “diante do uso massificado de aplicações de internet pela população brasileira, na pendência desta ação certamente surgirão novas investigações ou persecuções criminais onde autoridades locais buscarão conteúdo de comunicações que esteja sob controle de empresas estrangeiras, e juízos criminais decidirão punir empresas brasileiras afiliadas às estrangeiras, apesar de as sociedades locais não custodiarem nem controlarem tais dados”. 


Índia multa Google em R$ 70 milhões por abuso de posição dominante

Comissão de Competição do país entendeu que o motor de buscas favorecia seus próprios sistemas comerciais nos resultados das pesquisas. 

CCJ do Senado aprova projeto que exige consentimento para grupos em redes sociais

PLS 347/16 prevê que aplicações como Facebook, Whatsapp ou Telegram precisam de anuência prévia dos usuários para a criação de novos grupos.

Prestar serviço de internet via rádio sem autorização é crime para o STJ

Ao contrário do que já decidiu o Supremo Tribunal Federal, Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça diz que internet via rádio sem autorização da Anatel é serviço clandestino.

Senador quer cadeia para ‘fake news’, mas só as divulgadas na Internet

Projeto de lei de Ciro Nogueira (PP-PI) prevê reclusão de um a três anos se a notícia falsa for publicada na rede mundial. Se for na televisão ou em jornais impressos, a pena é menor e em regime aberto. TSE chama Google, Twitter e Facebook para conversar.

CGI.br lista exceções à neutralidade de rede no Brasil

Comitê Gestor da Internet publicou as diretrizes relativas à gestão de redes em relação ao que está previsto ao Marco Civil e ao Decreto 8771/16. Também há orientação com relação aos casos de guarda e acesso a registros de navegação.

Revista Abranet 23 . dez 2017 - jan/fev 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 Qual é a fórmula do sucesso? Boas práticas aplicadas por corporações bem-sucedidas sugerem um caminho a seguir. Entrevista com Tadao Takahashi. Discussão sobre a lei de proteção de dados avança. E mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G