NEGÓCIOS

Banco Central mostra pouca simpatia às moedas virtuais

Convergência Digital* ... 13/12/2017 ... Convergência Digital

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, declarou nesta quarta-feira, 13/12, que o risco das moedas virtuais como o Bitcoin é alto e que elas podem representar a "típica bolha e pirâmide", ou seja, podem apresentar alta neste momento e quedas subsequentes no futuro.

Goldfajn observou que essas moedas tiveram "subida vertiginosa" nos últimos meses. "Tem duas funcionalidades: comprar para vender para frente e se aproveitar da subida, se ocorrer, a típica bolha, típica pirâmide, que em algum momento vai deixar de subir e voltar. Não é algo que a gente deva dar suporte. Em algum momento, as moedas são usadas como instrumento de atividades ilícitas. Usar as moedas virtuais para atividades ilícitas não isenta o crime, a pena e a punição", acrescentou.

Segundo o comandante do BC, as moedas virtuais não têm lastro, não possuem bancos centrais que lhe confiram segurança e não têm regulação, o que eleva o seu risco. "Há o risco da bolha, da pirâmide e das atividades ilegais", declarou.

No mês passado, a autoridade monetária divulgou comunicado no qual informou que, devido ao "crescente interesse" da sociedade e das instituições nas chamadas "moedas virtuais", resolveu alertar que esses instrumentos não são emitidos, nem garantidos por qualquer autoridade monetária. E alertou para possíveis perdas.

*Com informação de Agências de Notícias

  


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

Empresas nacionais de software contábil se unem e criam a Joint Venture

SCI, Tron, Mastermaq, Fortes e a empresa de sistemas de gestão ERP na nuvem Omie seleram um acordo para criar a Joint Venture, que entra em operação no começo de 2019, com aporte de R$ 40 milhões.

Uber pagará R$ 500 milhões para encerrar caso de vazamento de dados de 57 milhões de usuários

Empresa vai pagar a 50 Estados norte-americanos para por um ponto final no caso, que aconteceu em 2016, mas só foi revelado no final de 2017.  Os dados de 196 mil brasileiros também vazaram. O valor acertado é o maior da história.

Demora do INPI deixa marca iPhone grátis para Apple no Brasil

Sete anos antes da fabricante americana lançar o aparelho, brasileira Gradiente pediu registro da marca no Brasil. INPI, no entanto, só concedeu o registro em 2008.

BRPhotonics: sem dinheiro, morreu o sonho de fazer chip no Brasil

Ativos da companhia foram vendidos para três empresas. Os R$ 15 milhões aportados pela FINEP não sustentaram o negócio.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G