GOVERNO

Conectividade e mão de obra são maiores obstáculos do Brasil à indústria 4.0

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/12/2017 ... Convergência Digital

O Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações apresentou nesta quinta, 14/12, um ‘plano para a manufatura avançada’ no Brasil, onde faz um diagnóstico de fraquezas e potencialidades do país para o aumento da produtividade e uso das novas. E no que não chega a ser uma surpresa, o setor produtivo aponta dificuldades em conectividade e qualificação de mão de obra como os maiores obstáculos a serem superados para uma ‘indústria 4.0’. 

“As maiores preocupações estão no acesso a infraestruturas tecnológicas e educacionais e deficiências na infraestrutura de banda larga”, aponta o documento base do plano apresentado pelo MCTIC. Nas pesquisas feitas para embasar o trabalho, o setor produtivo identificou ainda como fraquezas do Brasil a baixa competência em áreas tecnológicas, em máquinas inteligentes e novos modelos de negócio. 

Do lado positivo, o destaque vai para a base de conhecimento nacional em software, disparado como o segmento com maior capacidade de contribuir com o aumento da produtividade, além de soluções de automação. “As empresas entendem que existe uma base de conhecimentos em software, soluções de automação e plataformas de tecnologias capazes de dar suporte a áreas tecnológicas deficientes.”

O cenário é ainda mais desafiador para micro, pequenas e médias empresas. De fato, a análise considera que “é preocupante a situação das MPME, cuja maioria vem trabalhando nos limites da 2a revolução industrial, aproveitando de forma restrita as tecnologias digitais, situação agravada pela inserção limitada do país em mercados digitalizados, assim como a adoção de modelos de negócios orientados a produtos em vez de dados”. 

Para além do diagnóstico, o plano elenca 52 ações, como eleger áreas estratégias e prioritárias, iniciativas de evolução da internet das coisas, adequações no sistema educacional e programas de capacitação, desenvolvimento de cadeias produtivas, viabilização de instrumentos legais de incentivo, e ainda disponibilizar banda larga e redes móveis com melhor qualidade. 

Para o ministro Gilberto Kassab, “esse plano é a contribuição do governo brasileiro para a indústria, para que possa contar com apoio para desenvolver os trabalhos e uma forma de disponibilizar ferramentas aos nossos empreendedores”. O secretário de desenvolvimento tecnológico e inovação, Álvaro Prata, afirma que “o objetivo é criar condições para que as empresas brasileiras possam acessar e usufruir o suporte à ciência, tecnologia e inovação, a partir de cadeias produtivas de setores estratégicos”. 

Entre esses setores, o plano indica que os mais promissores para a aplicação da manufatura avançada são telecomunicações, automotivo, logística e transporte, saúde, além da própria indústria de transformação. 


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

Diretor da Dataprev que propôs demitir mil funcionários pede exoneração

Desafeto político do presidente da estatal, Leandro Magalhães, Júlio César de Araújo Nogueira foi imposto para a diretoria da empresa pelo ex-ministro do Planejamento, Dyogo Henrique de Oliveira, que, agora, segue para a presidência do BNDES.

Câmara aprova urgência para votar a reoneração da folha de pagamento

Empresas de TI e de Call center podem ter de voltar a contribuir com alíquota de 20% , após 90 dias da publicação da nova legislação.

Decreto cria estrutura multissetorial para cuidar da transformação digital

A tradicional SEPIN, secretaria de Políticas de Informática, deixa de existir e se transforma na SEPOD, secretaria de políticas digitais, com Thiago Camargo Lopes à frente. Como política de Estado,  cobrança de resultados acontecerá em diversas pastas.

Estratégia Digital reúne antigas demandas e programas repaginados

Escolas conectadas, incentivos a isenções de ICMS, uso do Fust, apoio a startups, estímulo a exportações e até um novo Proinfo fazem parte das ações estratégicas que estimulem a economia digital no Brasil.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G