GESTÃO

Serpro adota seguro para cobrir má gestão

Luiz Queiroz ... 15/12/2017 ... Convergência Digital

Desde o dia 8/12, o Serpro passou a adotar o "Seguro de Responsabilidade Civil", para eventual indenização que dirigentes da estatal sejam obrigados a pagar, em virtude de erros administrativos e má gestão. O valor de cobertura do seguro será de R$ 30 milhões (1% do ativo total da empresa). 

O seguro protegerá dirigentes e ex-dirigentes (a validade começa com a atual gestão e no futuro cobrirá aqueles que sairem deste governo), membros dos Conselhos de Administração e Fiscal ( ex-dirigentes também, no futuro) e superintendentes. Além disso, quando instalado o "Comitê de Auditoria" - que justamente deveria ser criado para apurar irregularidades, indepentendemente de quem esteja dirigindo a empresa - também será beneficiado.

O funcioário comum do Serpro, abaixo do cargo de Superintendente, não terá esse privilégio se por ventura cometer algum deslize adminstrativo.

Maldades

Já há uma preocupação interna quanto ao que a atual direção do Serpro estaria fazendo, que mereça desde já se garantir com uma cobertura de seguradora para eventuais erros administrativos?

Ou será que as tais "maldades" ainda não foram instituídas pela direção, justamente porque não havia até agora uma garantia de que a direção não teria de pagar no futuro, do seu bolso, por eventuais erros administrativos que geraram ações civis.

O documento, como sempre, tem um grau de sigilo, mas não se sabe se ele se tornou público dentro do Serpro e o que os funcionários não agraciados acharam dele. Até então, o gestor do Serpro tinha duas possibilidades: o advogado da casa ou ressarcimento dos honorários pagos ao advogado escolhido, tendo como limite a tabela da OAB.

Fica uma questão a ser respondida no futuro. Como o balanço da empresa irá explicar esse gasto. Será instituída a rúbrica "proteção de gestores mal-intencionados"?

O "Seguro Contra Cagadas", como está sendo conhecido internamente no Serpro, ainda será contratado por meio de pregão eletrônico. Mas até o momento não se sabe em que estágio se encontra esse processo licitatório.


Carreira
Vivo adota videobot para formalizar contratações

Plataforma Gupy foi implantada pela operadora para recrutamento e seleção dos candidatos. Serviço está disponível nas áreas de TI e Digital, mas será estendido para outras unidades de negócios.

Huawei recicla 850 toneladas de lixo eletrônico no Brasil

Material é reciclado em Sorocaba, no interior de São Paulo.  Quarenta e duas toneladas foram de eletrônicos e cabos representaram 37 toneladas.

eSocial define configuração padrão na base de dados

A configuração padrão utilizada na base de dados do eSocial é “Case Insensitive” para diferenciação entre maiúsculo e minúsculo. Isso significa que a utilização de letras maiúsculas ou minúsculas no preenchimento dos campos é indiferente para a base de dados.

Semeghini: Decreto que extingue colegiados terá impacto zero no MCTIC

“Já fizemos um levantamento e o impacto será zero. Se escapar alguma coisa, será recriada sem prejuízo de continuidade”, afirma Júlio Semeghini.

eSocial começa a receber informações do MEI

Segundo o Fisco, hoje, o eSocial já contabiliza 30 milhões de trabalhadores cadastrados. Até outubro, a meta é chegar a 46 milhões de trabalhadores registrados em sua base de dados.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G