GESTÃO

Serpro adota seguro para cobrir má gestão

Luiz Queiroz ... 15/12/2017 ... Convergência Digital

Desde o dia 8/12, o Serpro passou a adotar o "Seguro de Responsabilidade Civil", para eventual indenização que dirigentes da estatal sejam obrigados a pagar, em virtude de erros administrativos e má gestão. O valor de cobertura do seguro será de R$ 30 milhões (1% do ativo total da empresa). 

O seguro protegerá dirigentes e ex-dirigentes (a validade começa com a atual gestão e no futuro cobrirá aqueles que sairem deste governo), membros dos Conselhos de Administração e Fiscal ( ex-dirigentes também, no futuro) e superintendentes. Além disso, quando instalado o "Comitê de Auditoria" - que justamente deveria ser criado para apurar irregularidades, indepentendemente de quem esteja dirigindo a empresa - também será beneficiado.

O funcioário comum do Serpro, abaixo do cargo de Superintendente, não terá esse privilégio se por ventura cometer algum deslize adminstrativo.

Maldades

Já há uma preocupação interna quanto ao que a atual direção do Serpro estaria fazendo, que mereça desde já se garantir com uma cobertura de seguradora para eventuais erros administrativos?

Ou será que as tais "maldades" ainda não foram instituídas pela direção, justamente porque não havia até agora uma garantia de que a direção não teria de pagar no futuro, do seu bolso, por eventuais erros administrativos que geraram ações civis.

O documento, como sempre, tem um grau de sigilo, mas não se sabe se ele se tornou público dentro do Serpro e o que os funcionários não agraciados acharam dele. Até então, o gestor do Serpro tinha duas possibilidades: o advogado da casa ou ressarcimento dos honorários pagos ao advogado escolhido, tendo como limite a tabela da OAB.

Fica uma questão a ser respondida no futuro. Como o balanço da empresa irá explicar esse gasto. Será instituída a rúbrica "proteção de gestores mal-intencionados"?

O "Seguro Contra Cagadas", como está sendo conhecido internamente no Serpro, ainda será contratado por meio de pregão eletrônico. Mas até o momento não se sabe em que estágio se encontra esse processo licitatório.


Governo não flexibiliza e mais de 700 mil empresas podem ser excluídas do Simples

A não regularização dos débitos poderá acarretar a exclusão do regime a partir de janeiro de 2019, mas não há facilidades - como houve o REFIS para as grandes empresas - para a quitação da dívida.

Azul Seguros: erra quem descarta o legado na transformação digital

O CIO da seguradora, Paulo Cesar Imelk, diz que falar é fácil, mas fazer a transformação digital acontecer é muito difícil. "No nosso caso, estamos indo a passos de bebê. Não há guinada", observa.

Decreto amplia uso da terceirização no serviço público

Nova norma cria algumas exceções à terceirização e deixa à cargo do Ministério do Planejamento definir o que poderá ser objeto de “execução indireta”.

Haroldo, o robô da defesa do consumidor, atendeu mais de 12 mil brasileiros

Criadora do bot, em quatro meses, obteve R$ 6 milhões em concessão de direitos. Na prática, o Haroldo ajuda as pessoas a recuperarem danos causados por empresas e identifica causas comuns, o que acaba por reunir pessoas que têm queixas contra uma mesma organização.

eSocial: Receita diz que 88% das grandes empresas aderiram ao regime

Segundo o Fisco, das 12,1 mil empresas com faturamento maior que R$ 78 milhões, 10,7 mil conseguiram fechar a folha de pagamentos no prazo.




  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G