TELECOM

AGU faz parecer para dizer que Anatel vota como quiser na Oi

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/12/2017 ... Convergência Digital

A Advocacia-Geral da União produziu, minutos antes do início da assembleia de credores da Oi, um parecer pelo qual lava as mãos sobre a posição que a Anatel deverá levar à votação do plano de recuperação judicial da operadora, que busca uma saída para a dívida de R$ 65 bilhões. Embora a argumentação seja no sentido de que o agente público não pode se alinhar aos termos dos credores privados, o documento concluiu que a agência deverá votar como achar melhor.

São 18 páginas, assinadas pela ministra Grace Mendonça, de claro conflito de entendimento. Em sua maior parte, a análise é de que os cerca de R$ 14 bilhões da dívida relativos a multas da Anatel não podem se misturar com a dívida com entes privados. Não por menos, a AGU afirma que “continuará a insistir em juízo na tese de que os créditos públicos devem ter tratamento especial e que, por isso, não podem compor os regimes de recuperação judicial”. 

Tal entendimento, no entanto, não impede uma conclusão em sentido contrário. “A decisão a ser tomada em assembleia, sopesando por critérios técnicos e de vantagem econômica o cenário que leve ao menor prejuízo aos interesses patrimoniais que a sujeição a participação ocasione. (...) Cabe, portanto, à Anatel avaliar onde reside o melhor interesse público.” 

O papelório é fruto da reunião realizada na véspera, no Palácio do Planalto, onde o presidente da Anatel, Juarez Quadros, insistiu que não poderia ir à assembleia sem favorável, uma vez que a orientação da própria AGU era para votar contra, por conta dos próprios argumentos que ainda são defendidos novo parecer. Em resumo, que dependia de uma posição por escrito que permitisse o voto ‘sim’. 

Pelo plano da Oi, a dívida em multas será parcelada em 240 meses. Mas para a parcela ainda na esfera administrativa, cerca de R$ 6 bi, prevê ainda desconto de 25% no principal, 25% nas multas de mora e 50% dos juros. A Anatel entende que esse desconto não tem cobertura legal. Mas a AGU, que passou 70 dias discutindo uma estratégia sobre o caso da Oi, agora entende que a Lei 13.494/17, que criou o Programa de Regularização de Débitos não tributários, “fixou tratamento semelhante ao do plano”. 

Diz a AGU que o PRD permite parcelamento em 240 meses, desconto na multa e nos juros e correção pela Selic. A diferença na legislação é que só são aceitos descontos em parcelamentos de até 120 meses. E ainda diante de uma primeira parcela que englobe pelo menos 20% da dívida total. A Oi até aceita pagar 20% de cara, mas restrito aos R$ 8 bilhões que estão na esfera judicial.


Internet Móvel 3G 4G
Indústria de Telecom mobiliza força-tarefa para salvar 5G da guerra política

A GSMA, que representa fabricantes e operadoras de telecomunicações, propôs aos governos da Europa a realização de um regime comum de testes de seguranças de rede para evitar a exclusão de fornecedores dos processos. O medo da GSMA é que a disputa entre a Huawei e o governo dos EUA, com respingo na Europa, impacte a construção das novas redes.

Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Teles vão ao STF contra lei que obriga atendimento em 15 minutos

Nova ação direta de inconstitucionalidade argumenta competência federal sobre telecom para questionar a lei aprovada em São Paulo que dispõe sobre o tempo de espera nas lojas das operadoras.

EUA vai banir Huawei e sugere cortar parcerias com quem não imitar

Em visita ao leste europeu, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, diz que o uso de equipamentos de telecomunicações chineses “dificultam parcerias”.

Teles questionam no STF leis sobre cobrança e desbloqueio de celular

Em duas ADIs, empresas reclamam que leis do Rio de Janeiro invadiram a competência federal para tratar de telecomunicações.

Anatel reserva parte da faixa de 1,9 GHz da Claro para conexões via satélite

Ao analisar prorrogação do uso para telefonia fixa, agência reduziu prazo a cinco anos com vistas a mudar a destinação para o serviço móvel global por satélite.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G