Home - Convergência Digital

Apps de táxi suspendem na Justiça regras impostas pela prefeitura de São Paulo

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 23/01/2018

A Associação Brasileira de O2O (Associação Brasileira Online to Offline), associação da qual fazem parte a Cabify e a 99, obteve liminar contra a Prefeitura Municipal de São Paulo no Tribunal de Justiça do Estado De São Paulo (TJSP). Dessa forma, o DTP (Departamento de Transporte Público) e Prefeitura de São Paulo estão proibidos de condicionar a emissão da certificação de segurança de veículo de aplicativo (CSVAPP) ao licenciamento do veículo na capital paulista. Caso o Poder Público não cumpra a liminar, a multa diária é de R$ 1 mil e pode chegar a R$ 1 milhão. O número do processo é 1002513-32.2018.8.26.0053.

O juiz Kenichi Koyama entendeu que a necessidade do licenciamento em São Paulo inserida na Resolução 16 extrapola os limites do Decreto 56.981 (10 de maio de 2016). Segundo ele, o Decreto "não revela no regulamento qualquer aspecto em torno de licenciamento ou placas do Município de São Paulo, o que sinaliza que se trata de regra marotamente introduzida à revelia das normas que lhe são superiores".

O magistrado também apontou que tal requisito é desproporcional, pois limita a iniciativa privada, sem qualquer ganho para o munícipe ou para o Município. "Cria, a rigor, uma espécie de barreira geográfica à atividade privada, uma reserva de mercado aos motoristas e taxistas locais, e tangencia em seu conteúdo violar em último grau a limitação de tráfego e locomoção em território nacional"

Em comunicado ao mercado, a Cabify sustenta manter um diálogo com a Prefeitura de São Paulo sobre a Resolução 16 desde o início e já sinalizava que a restrição a veículos emplacados em outra cidade fere a liberdade econômica e de profissão defendidas pela Constituição, além de restringir a oferta do serviço e comprometer a renda de inúmeras famílias.

O magistrado também entendeu que, em relação a esse ponto, ao considerar "que a atividade se presta a sustento dos motoristas que isso exercem, preponderam mais uma vez características mais próprias da competência legislativa federal. Porque o art. 5o, inciso XIII, da Constituição, garante o livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, desde que atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer".

Ainda no informe, a Cabify esclarece que exerce atividade de agenciamento de transporte privado individual de passageiros, atividade regular prevista na Política Nacional de Mobilidade Urbana. A empresa acredita que a regulamentação do transporte individual privado de passageiros é, além de legítima, necessária para garantir o bom equilíbrio concorrencial, contudo, deve estar de acordo com Norma Federal estabelecida. Decisão judicial é mais um round dessa batalha que ainda está sendo travada também no Congresso Nacional.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

16/02/2018
Smartphones podem ser acessados até 65 vezes ao dia pelos consumidores

05/02/2018
MP do Distrito Federal exige esclarecimentos da Uber sobre vazamento de dados

02/02/2018
Linguagem Swift é, de longe, a preferida para o desenvolvimento móvel no Brasil

23/01/2018
Apps de táxi suspendem na Justiça regras impostas pela prefeitura de São Paulo

23/01/2018
SulAmerica faz piloto com coleta de dados de clientes e não clientes

22/01/2018
Controladora do Cabify e do Easy capta R$ 500 milhões para expandir na América Latina

18/01/2018
Transformação digital: Busca por apps de relacionamento com as teles cresce 50% no Brasil

16/01/2018
Governo federal vai licitar nova contratação de app de táxi

15/01/2018
App já responde por 51% das transações realizadas no Banco do Brasil

11/01/2018
Apps de transporte: expansão está no interior e nos serviços de nicho

Destaques
Destaques

Teles avançam e 4G chega a 3608 municípios do Brasil

Estudo da Telebrasil revela que, em novembro, existiam 99 milhões de acessos 4G ativos. A cobertura 3G também aumenta e chega a 5109 municípios.

Brasileiro prevê o fim do 'baldes de dados' e quer pagar por serviço contratado no 5G

Estudo global feito pela Ericsson, que ouviu 72 milhões de usuários de smartphone no Brasil, mostra que a maioria quer a conta do 5G não mais por gigabytes consumidos, mas por serviço ou dispositivo conectado à rede.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Que ninguém fique sem o sinal de TV digital

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o presidente da Anatel e do GIRED, revela que a liberação do 700 Mhz atrai a atenção de outros países; aumenta a geração de empregos e acelera a inclusão digital com a massificação do 4G.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site