TELECOM

Abrint: Não tem de discutir. Tem que aplicar o compartilhamento de postes

Luís Osvaldo Grossmann ... 31/01/2018 ... Convergência Digital

A Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) é contra a decisão da Anatel e da Aneel de uma nova resolução conjunta sobre o compartilhamento dos postes do setor elétrico com o setor de telecom. Para a entidade, as agências deveriam fazer valer o que foi decidido em 2014.

Segundo a Abrint, “o acordo é bom para ambos os setores, mas o momento agora é de garantir a efetivação das regras, inclusive a aplicação do preço de referência e não destruir o que foi conquistado”. O presidente da entidade, Basílio Perez, diz que “a resolução conjunta teve muita dificuldade de ser implementada e, nesses dois anos, tivemos poucos avanços. No entanto, as discussões já foram feitas e as decisões tomadas. O foco da Anatel deve ser cumprir a resolução em vigor e não começar algo do zero”. 

Ele alega que a revisão da norma pode “gerar também insegurança jurídica e instabilidade no setor”. "Quem já ganhou processos anteriores relacionados aos preços de aluguel em primeira instância, pode sofrer consequências jurídicas, caso a Anatel e a Aneel resolvam desconsiderar a resolução atual”, afirma Perez. 

A Anatel, no entanto, já adiantou que a revisão da resolução busca uma saída para a organização da ocupação dos postes e não vai mexer no preço de referencia, em vigor desde dezembro de 2014. A Abrint também indica que vai propor um projeto para a regularização do uso dos postos. Segundo a Anatel, isso já foi tentado entre a Telcomp e a CPFL, onde ficou demonstrada a dificuldade de regularizar o uso, diante dos muitos interessados que atualmente já estão “pendurados” nos postes do setor elétrico. 


Anteprojeto que muda Fust e Fistel chega ao MCTIC

Anatel encaminhou a proposta como sugestão de uso dos recursos e redução de taxas incidentes sobre a internet das coisas. Mas teles questionam contas.

Teles reduzem índice de queixas dos usuários. Pós-pago foi o mais reclamado

Reclamações contra os serviços de telefonia fixa, móvel, TV por assinatura e banda larga caíram 15,6% no primeiro semestre, de acordo com dados da Anatel. Mas com o impulso do 4G, o celular pós-pago, por conta da cobrança dos pacotes, foi o mais reclamado em junho.

Prejuízo acelera processo de venda da Nextel Brasil

Controladora da operadora, NII Holdings, amargou um prejuízo de US$ 20 milhões, ou R$ 80 milhões, no segundo trimestre. Rumores dão conta que TIM e Telefônica/Vivo disputariam o ativo.

Fundos americanos já concentram 26% da Oi

Depois do York e do Goldentree, operadora informou ao mercado que o fundo Solus ficou com 9,71% do capital. BDNES perdeu participação.

Oi chama ex-presidente da TIM para novo Conselho de Administração

Além dos atuais seis integrantes do conselho transitório, proposta traz mais cinco nomes ao novo conselho, entre eles Rodrigo Abreu, ex-TIM e, hoje, na Quod.

TIM não vai repassar ao cliente custo de contrato com WhatsApp Business

Operadora foi a primeira a fechar um acordo comercial para uso da ferramenta da OTT no Brasil e, neste momento, não vai cobrar dos clientes pelo uso do canal de relacionamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G